Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Estes dias trazem a Portugal temperaturas que podem aproximar-se dos 50ºC em algumas cidades do Alentejo e madrugadas com o mercúrio a roçar os 30ºC às onze da noite. Isso. Leu bem. Noites tropicais. E dias do deserto. É isso que diz o comunicado publicado esta terça-feira pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera. É verdade que o litoral oeste de Portugal Continental não se vai livrar de alguma nebulosidade nas primeiras horas da manhã, mas “há tendência para uma subida acentuada da temperatura, que se acentua a partir de quarta-feira, dia 1 de agosto”. Mas esta subida de temperatura não é, pelo menos segundo o dicionário da climatologia, uma onda de calor, aquela de que toda a gente está a falar e de seguramente vai continuar a ouvir até pelo menos domingo. Nem sequer significa obrigatoriamente que o verão veio mesmo para ficar.

Os meteorologistas preveem que “valores da temperatura máxima estejam acima dos valores normais para a época“. Sim, isso é mais que certo. A maior parte do país vai registar temperaturas por volta dos 35ºC durante o dia mas o interior do Alentejo, Vale do Tejo e Beira Baixa pode chegar a valores entre os 40ºC e os 45ºC a partir desta quinta-feira.  E até o Algarve, que vai ser a região portuguesa com temperaturas mais baixas nos próximos dias, andará sempre acima dos 30ºC.  A outra novidade é que à noite o calor permanece: “Os valores da temperatura mínima têm igualmente tendência para uma subida gradual, atingindo no final da semana valores próximos ou superiores a 20 °C na generalidade do território”, diz o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.