A partir desta quarta-feira e, pelo menos, até ao próximo domingo, uma nuvem de poeiras vai afetar todo o país. As pessoas com problemas respiratórios, crianças, idosos e grávidas são os grupos que mais podem sofrer com as partículas no ar.

Esta nuvem de areias finas será arrastada por uma massa de ar quente e seco vindo do norte de África e vai deixar o céu num tom amarelado, referiu o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) em comunicado. Pode acompanhar a previsão da viagem das poeiras na página da Universidade de Atenas (aqui).

Previsão da dispersão das poeiras no dia 5 de agosto, às 23 horas — SKIRON Forecast/Universidade de Atenas

A região começará a sentir os efeitos das poeiras a partir do dia 1 de agosto, mas a nuvem pode espalhar-se por todo o país até ao final da semana. O serviço de previsão de poeiras da Universidade de Atenas apresenta um modelo de dispersão até dia 5 de agosto.

A presença de poeiras no ar pode agravar as manifestações da doença para quem já sofre de problemas respiratórios, como asma, rinite alérgica ou doença pulmonar obstrutiva crónica. Mas também pode provocar tosse e irritação nos olhos, nariz e garganta na população em geral.

Principais recomendações:

  • manter as janelas fechadas. Os grupos de risco devem, tanto quanto possível, manter-se dentro dos edifícios com as janelas fechadas;
  • evitar esforços prolongados e limitar a atividade física ao ar livre;
  • evitar a exposição a outros fatores de risco, como fumo de tabaco e contacto com produtos irritantes;
  • beber água com regularidade (e não apenas quando se sente sede);
  • os doentes crónicos devem manter os tratamentos médicos em curso;
  • contactar o SNS 24 (antiga Linha Saúde 24) — 808 24 24 24 — em caso de agravamento de sintomas.

Algumas das recomendações são válidas também para o calor que se vai fazer sentir a partir desta quarta-feira, com muitos distritos a ultrapassar os 40 graus Celsius. Nove distritos do continente vão estar em aviso vermelho, o mais grave, a partir de quinta-feira por causa do calor, segundo o IPMA.

Sete cuidados a seguir para enfrentar a vaga de calor desta semana

A associação ambientalista Zero avisa que com o aumento da temperatura nos próximos dias se criam condições para se ultrapassarem os níveis de ozono. Ao nível do solo, o ozono é um poluente secundário, formado a partir de outros poluentes, nomeadamente partículas e óxido de azoto, do tráfego rodoviário, por exemplo.

Os efeitos na saúde à exposição de curto prazo a elevadas concentrações de ozono passam por danos aos pulmões e inflamação das vias respiratórias, aumento da tosse e maior probabilidade de ataques de asma. Quando se verificam elevadas concentrações, as pessoas devem permanecer em casa ou noutros locais fechados e não fazer atividade física intensa.