Circula nas redes sociais uma imagem de um campo de cultivo em Inglaterra, onde extraterrestres terão gravado a “cura possível” para a Covid-19. A forma irregular, com oito pontas arredondadas, assemelha-se à imagem de uma célula e, segundo a interpretação de “cientistas e ufólogos”, indicará que o dióxido de cloro é a solução para a pandemia que já provocou a morte de mais de sete milhões de pessoas no mundo inteiro. De acordo com a informação partilhada por alguns utilizadores no Facebook, o dióxido de cloro é “o terror dos patogénicos” e é capaz de destruir “todos os tipos de patogénicos ácidos, incluindo o novo coronavírus”. Tudo isto é falso.

Apesar de a imagem partilhada ser de baixa resolução, esta parece corresponder a um evento real. A 31 de maio, dia em que a publicação abaixo foi partilhada por um utilizador português no Facebook, o britânico Daily Mail publicou uma notícia dando conta do aparecimento de uma misteriosa forma, semelhante à imagem do novo coronavírus, num campo de cevada em Wiltshire. Wiltshire é o epicentro em Inglaterra dos chamados “crop circles”, figuras geralmente circulares que surgem inexplicavelmente em campos de cultivo e que todos os anos atraem centenas de turistas à região. Apesar de associados a atividades extraterrestre, os “crop circles” são considerados uma fraude pela comunidade científica, que defende terem origem humana.

Imagem de uma publicação feita por um utilizador português que liga o “crop circle” de Wiltshire à Covid-19

Segundo o Daily Mail, o “ Covid crop” apareceu a 29 de maio, sexta-feira, e mediria cerca de 60 metros de altura por 40 de largura. O local exato da formação não foi divulgado para evitar visitantes curiosos. Em 2017, uma proprietária de uma quinta na mesma região queixava-se à BBC que um “crop circle” que apareceu na sua propriedade tinha atraído cerca de 400 visitantes. “Tivemos helicópteros, aeronaves de baixa altitude e muitos drones”, admitiu Shelley Klindt, dona de uma quinta perto da localidade de Hannington.

A informação que circula nas redes sociais refere que, através da soma das diferentes pontas da figura, é possível chegar à alegada cura para a Covid-19, o dióxido de cloro (CLO2). O dióxido de cloro é um químico muito usado no tratamento de águas papel devido à sua eficácia na destruição de vírus e bactérias e no branqueamento de papel. A ideia de que é capaz de eliminar também o coronavírus, para o qual continua a não haver cura apesar das inúmeras partilhas nas redes sociais a indicarem o contrário, não é nova.

No início de abril, a Food and Drug Administration (FDA), a agência norte-americana responsável por promover a saúde pública através do supervisão de alimentos e medicamentos, viu-se obrigada a emitir um novo alerta por causa da venda fraudulenta da chamada Solução Mineral Milagrosa (MMS, na sigla em inglês), um produto à base de dióxido de cloro que agora surge associado à prevenção e tratamento do novo coronavírus.

A soma das oito pontas da figura apontará para o dióxido de cloro

Não é a primeira vez que a agência chama a atenção dos consumidores para a MMS — por altura do início da pandemia, mas numa altura em que ainda não tinha expressão significativa nos Estados Unidos da América, a FDA alertou para a falta de “conhecimento de qualquer evidência científica que corrobore” a “segurança ou eficácia” de produtos com dióxido de cloro, que são vendidos online como tratamento para várias condições de saúde, como o autismo, cancro, VIH, hepatite ou gripe, “apesar dos seus efeitos prejudiciais”.

Antes pelo contrário, estes produtos podem provocar problemas de saúde graves, como dificuldades respiratórias, alterações na atividade elétrica do coração, tenção baixa e insuficiência hepática, entre outros. Em situações mais extremas, pode mesmo levar à morte. “É uma substância química com atividade corrosiva que pode causar males para a saúde. É um produto que também traz riscos pela inalação”, afirmou, citada pelo Veja, Renata Fonseca, gerente de fiscalização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil, onde muitas notícias falsas têm também apontado a MMS como uma cura milagrosa para o coronavírus.

O que também não é novidade é a associação de um “crop circule” à pandemia do novo coronavírus. Em maio, começou a ser partilhada nas redes sociais uma imagem que mostra um “crop”  com os símbolos do vírus e da Microsoft, um suposto indício de que Bill Gates estaria por trás da Covid-19. Gates tem sido apontado por muitos sites de notícias falsas como o grande responsável pela pandemia do novo coronavírus, algo que não corresponde à verdade.

Conclusão

Os “crop circles” são considerados fenómenos humanos pela ciência, que há muito excluiu qualquer ligação com atividades extraterrestres. Por essa razão, a forma que apareceu em Wiltshire, numa altura em que se inicia a época alta de turismo na região e se multiplicam os “crops”, não pode ser entendida como uma mensagem deixada por seres de outros planetas. Além disso, a ideia de que o dióxido de cloro pode curar o novo coronavírus é falsa. Não existem quaisquer evidências científicas de que a substância seja eficaz no combate à Covid-19, podendo a sua inalação provocar problemas graves de saúde e, em casos mais extremos, a morte. A Covid-19 é uma doença para a qual continua a não haver cura.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

De acordo com o sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

Nota 2: O Observador faz parte da Aliança CoronaVirusFacts / DatosCoronaVirus, um grupo que junta mais de 100 fact-checkers que combatem a desinformação relacionada com a pandemia da COVID-19. Leia mais sobre esta aliança aqui.

IFCN Badge