Um vídeo com cerca de 20 minutos deu origem a várias publicações que se tornaram virais no Facebook. Alguns utilizadores elogiam uma “médica a pensar fora da caixa”, outros citam os cargos que dão prestígio a Margareta Griesz-Brisson, a médica alemã que garante que as máscaras provocam falta de oxigénio e intoxicam as pessoas por inalação de dióxido de carbono. Também defende que as células do cérebro podem ficar destruídas devido à falta de oxigenação. Estas afirmações não correspondem à verdade, tal como já demonstraram especialistas de vários pontos do mundo.

O monólogo de Griesz-Brisson é sempre feito em alemão durante o vídeo — existe uma versão traduzida igualmente disponível —, mas aquilo que defende foi partilhado nas redes sociais, sobretudo por quem é contra o uso de máscara durante a pandemia de Covid-19.

“A reinalação do ar que respiramos vai incontestavelmente gerar um défice de oxigénio e uma saturação de dióxido de carbono”, diz a médica.

Contudo, não é isso que têm defendido inúmeros especialistas. Em julho, por exemplo, um estudo realizado nos EUA concluiu que uma máscara comum não limita o fluxo de oxigénio que chega aos pulmões, incluindo em pessoas com doenças pulmonares. A falta de ar aparente pode ser desencadeada por uma sensação de claustrofobia e até pelo ar quente inalado. Pode existir “uma sensação de desconforto que provoca a ilusão de asfixia mas isso é psicológico”, reconheceu Yves Coppieters, epidemiologista belga, à agência noticiosa AFP.

Fact Check. Uso de máscara provoca falta de oxigénio?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também Philipp Lepper, da sociedade alemã de pneumologia e medicina respiratória, explicou que, como “a quantidade de ar atrás de uma máscara é muito fraca e mistura-se com o ar fresco cada vez que inspiramos, isso não produz qualquer efeito nos níveis de oxigénio e de dióxido de carbono medidos pelo corpo”. Além disso, segundo o especialista, “uma molécula de oxigénio mede cerca de 260 picómetros. O tamanho dos poros das máscaras cirúrgicas é de 100 mil a um milhão de vezes maior do que uma molécula de oxigénio”. Isto significa que as máscaras não impedem a passagem de oxigénio ou de dióxido de carbono.

“Uma máscara não é um circuito fechado. Quase todo o ar expirado escapa da máscara, por isso não respiramos o nosso CO2”, confirmou Shane Shapera, diretor do programa de doenças pulmonares do hospital público de Toronto, no Canadá.

A Agência Mundial da Saúde (OMS) apoia todas estas opiniões. No site oficial é possível ler que “o uso prolongado de uma máscara cirúrgica pode ser desconfortável. No entanto, não leva a uma intoxicação por CO2 ou a uma deficiência de oxigénio”.

No seu vídeo, Margareta Griesz-Brisson fala igualmente das sequelas que, segundo ela, podem ser causadas pela utilização do equipamento de proteção individual. “Sabemos que o cérebro humano é muito sensível à privação de oxigénio. Há células nervosas, como por exemplo no hipocampo, que não podem ficar mais de três minutos sem oxigénio. Não conseguem sobreviver.”

Peter Berlit, secretário geral da sociedade alemã de neurologia, confirmou que há células que não recuperam se ficarem tanto tempo sem oxigénio, mas essa hipótese nem se coloca, uma vez que não é a máscara que vai privar o organismo de oxigénio.

De acordo com a página da The London Neurology & Pain Clinic, consultório que Griesz-Brisson fundou em Londres, Inglaterra, e onde trabalha, a neurologista formou-se na Universidade Albert-Ludwig, na Alemanha, e especializou-se em neurologia, neurofisiologia e neurotoxicologia. No site “Top Doctors” é descrita como “uma das principais neurologistas consultoras na Europa”.

Contactada pela AFP, não quis responder ao ser confrontada com as opiniões contrárias dos colegas e, num segundo vídeo, partilhado a 5 de outubro, a médica oferece-se para passar justificações para o não uso de máscara a quem o desejar.

Conclusão

Afirmações de neurologista alemã, que defende que as máscaras não permitem a passagem de oxigénio e que essa privação pode causar danos neurológicos, é desmentida por outros especialistas. Não existe o risco de qualquer intoxicação por CO2. Segundo a OMS, a utilização do material de proteção pode ser desconfortável mas, garantem os médicos, a sensação de asfixia que pode causar é psicológica.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

NOTA: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge