De quando em quando surge na internet uma citação atribuída ao escritor Miguel Esteves Cardoso que é partilhada ativamente nas redes sociais. Desta vez, surgiu no Facebook, a 15 de junho, uma publicação que atribuía a Miguel Esteves Cardoso uma citação sobre manifestações contra a corrupção e a favor do orgulho gay: “Na Europa, cada manifestação de ‘orgulho gay’ contou, em média, com 100 mil pessoas. Cada manifestação contra a corrupção teve, em média, cerca de 2,5 mil pessoas!”.

Depois, a letras vermelhas, mas ainda dentro das “aspas”, lê-se: “Estatisticamente fica provado que há mais gente a lutar pelo direito de levar no rabo do que lutar para não ser enrabado”.

A ideia do autor da publicação era sugerir que Miguel Esteves Cardoso recorreu a dados estatísticos para dizer que as manifestações de ‘orgulho gay’ mobilizam mais gente do que as manifestações contra a corrupção, e que, no seu entender, não devia ser assim. Esta publicação atingiu as 4,2 mil visualizações e foi partilhada 141 vezes. Trata-se, no entanto, de uma citação falsamente atribuída, logo, trata-se de uma publicação falsa.

Frase atribuída falsamente a Miguel Esteves Cardoso pela página “Observatório Media Nacional”

O cronista e escritor Miguel Esteves Cardoso (MEC) foi sempre alguém conhecido por usar a escrita para criticar — ou brincar com — o status quo, e isso acaba por ser muitas vezes utilizado nas redes sociais para gerar um espírito crítico e de contestação ao meio político. MEC também costuma ser visado em frases inspiradoras sobre amizade ou amor. São temas sobre os quais escreve frequentemente, mas nem sempre a sua autoria é devidamente atribuída.

Neste caso, a citação que lhe foi atribuída nunca foi proferida pelo também autor de livros como “A Causa das Coisas” (1986). O desmentido é feito pelo próprio cronista, numa crónica no jornal Público, para o qual colabora, datada de 22 de novembro de 2012. Nesse artigo, intitulado “Furto de Identidade”, MEC esclarece que a frase “bacoca, fascista e estúpida” é “falsamente” atribuída ao autor. “O que mais me ofende não é o furto de identidade. É a alacridade e a rapidez com que é espalhada a frase, pelo Facebook, pelo Twitter e por alguns blogues”, acrescenta.

Ou seja, Miguel Esteves Cardoso nunca usou aqueles dados estatísticos sobre a afluência a manifestações e muito menos comparou a importância de uma manifestação com a outra.

A frase falsamente atribuída a MEC chegou mesmo a ser citada numa coluna de opinião, assinada por José Malheiro, no Jornal Destak como sendo verdadeira. Ou seja, não chegou só, de forma rápida, às redes sociais. Mas quer tenha sido partilhada em meios de comunicação credíveis, ou em meios mais duvidosos dentro da internet, não é, de todo verdadeira.

Conclusão

Uma citação antiga ressurgiu na internet atribuindo a Miguel Esteves Cardoso uma frase onde o autor supostamente compara o número de pessoas em manifestações LGBT e em manifestações anti-corrupção. No entanto, Miguel Esteves Cardoso nunca disse a frase que lhe é atribuída. O próprio desmentiu essa afirmação numa crónica publicada no jornal Público, do qual é colaborador, a 22 de novembro de 2012.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador este conteúdo é:

ERRADO

De acordo com o sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

IFCN Badge