Uma publicação do Facebook, com data de 8 de setembro e com centenas de partilhas, quer fazer crer que os sem-abrigo não morrem de Covid-19 por serem imunes à doença, colocando mesmo em causa a realidade da pandemia. Assinalada como potencial notícia falsa, confirma-se que a alegação não é verdadeira.

Em Portugal, não existem números porque — explica a Direção Geral de Saúde —, “neste momento, a análise que é feita não contempla esse nível de detalhe”. Apesar disso, salienta aquele organismo na resposta ao Observador, “as populações mais vulneráveis são uma prioridade na resposta das equipas locais, que se articulam com os parceiros da comunidade”. A DGS estabeleceu, por isso mesmo, uma série de orientações para respostas e intervenção com pessoas em situação de sem-abrigo.

Mas, se em Portugal não há números detalhados, há países onde os óbitos e os casos de Covid-19 entre a comunidade sem-abrigo são públicos e estão documentados. Nos Estados Unidos, um relatório realizado pelo CDC (Center for Disease Control), publicado em maio, concluiu que um número elevado de pessoas sem-abrigo testaram positivo para o coronavírus SARS-CoV-2. O estudo, feito em quatro cidades dos EUA — Boston, Seattle, São Francisco e Atlanta —, descobriu que 25% dos residentes em 19 abrigos testaram positivo entre  27 de março a 15 de abril.

A publicação já foi partilhada centenas de vezes

Outro relatório do CDC, este levado a cabo em três centros de acolhimento no estado de Washington, concluiu que “a Covid-19 foi diagnosticada em 35 de 195 (18%) residentes e oito de 38 (21%) membros da equipa de apoio”. Este último relatório observou também que a Covid-19 “pode espalhar-se rapidamente em centros de acolhimento para os sem-abrigo, pelo que são necessárias intervenções rápidas, incluindo testes e isolamento para identificar casos e minimizar a transmissão”.

Quanto aos óbitos, uma notícia de 7 de julho da estação Eyewitness News, uma subsidiária da cadeia nacional ABC, dava conta que, só na cidade de Nova Iorque, morreram pelo menos uma centena de sem-abrigo de Covid-19, sendo que, num período de quatro meses, foram registados quase 1300 casos positivos.

Mais a sul, no Brasil, os dados disponíveis no início do mês de setembro davam conta de que, em São Paulo, até ao final de agosto, morreram 29 pessoas que estavam em Centros Temporários de Acolhimento. De abril a julho, 286 pessoas em situação de rua contraíram a Covid-19 em São Paulo.

Deste lado do Atlântico, no Reino Unido, o Office for National Statistics, o equivalente britânico ao nosso Instituto Nacional de Estatística, tinha registado até 26 de junho de 2020 a morte de 16 sem-abrigo por Covid-19 em Inglaterra e País de Gales, seis dos óbitos na região de Londres.

Conclusão:

Falso. Apesar da dificuldade em obter dados exatos, de várias partes do mundo chegam relatos e notícias de casos positivos e de mortes por covid-19 entre a população sem abrigo.

Segundo a classificação do Observador, este conteúdo é:

Errado

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: As principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge