Aborto

A defesa da vida

Autor
  • Rita Fontoura

Sendo o tema da defesa da vida tão relevante, aquilo que verdadeiramente o tornou interessante para a comunicação social foi o facto de o Patriarcado de Lisboa ter publicado os resultados.

Finalmente discutem-se ideias em vez de episódios da vida de um país mergulhado na corrupção de onde parece não querer sair.

A Federação Portuguesa pela Vida (FPPV) lançou um inquérito aos partidos sobre a posição de cada um face à defesa da vida. Parte-se do princípio de que todos se orgulham daquilo que defendem. Por essa razão, devia ser com gosto que todos observariam o resultado do inquérito publicado na comunicação social. Sendo o tema da defesa da vida tão relevante, senão o mais relevante porque trata do respeito que temos uns pelos outros, também deveria ter interessado desde logo a comunicação social, mas não. Aquilo que verdadeiramente tornou interessante o tema foi o facto de o Patriarcado de Lisboa ter publicado os resultados.

Lembro que o tema é A DEFESA DA VIDA, mas o que parece interessar é se o Patriarcado está a incentivar ao voto num determinado partido, se fez bem ou mal em publicar, se retirou o post porque se arrependeu.

Escrevo porque não consigo calar o meu desgosto perante um país tão adormecido e embalado pelo fait divers, por tudo o que é acessório, por tudo o que cheira a conversa de vizinhas.

Volto a dizer: o tema é A DEFESA DA VIDA. Ficámos a saber que há uma minoria de partidos que respondem afirmativamente aos desafios da defesa da vida. A fazer fé nas sondagens, isto quer dizer que só cerca de 10% das forças políticas que nos representam, ou querem representar, quiseram dizer explicitamente que dão valor à vida, e que acreditam que vale a pena lutar por políticas que respeitem o ser humano em todas as fases da sua vida, que respeitem a família e a sua autonomia para escolher a educação dos filhos.

Também ficámos a saber que o principal partido que nos governa rejeita a defesa da vida e que os que votam no partido dos animais e natureza podem contar com a defesa da vida animal, mas não da vida humana.

Observamos com esperança que existem partidos que, não se tendo afirmado a favor da vida, também não tomam posição contra a vida. É perigoso porque o tema é importante demais para posições dúbias, mas ainda assim resta a possibilidade de não haver alinhamento com aqueles que estão na linha da frente da desumanização da nossa sociedade.

Isto quer dizer que só há três partidos bons ou que os três partidos que responderam afirmativamente às questões lançadas pela FPPV são escolhas acertadas? Não!

Como é óbvio, há partidos que defendem um conjunto de ideias que incluem coisas certas e outras totalmente erradas. No caso do Basta, pelo o que li, defender a castração química de pedófilos por exemplo é algo que é de tal forma inaceitável que, a ser verdade, do meu ponto de vista elimina qualquer hipótese de um voto responsável.

Igualmente inaceitável é admitir que um médico pode matar um paciente seja porque a mãe não o quer ou porque ele próprio não quer viver. Estamos de tal forma adormecidos por ideias que vão sendo embelezadas com palavras que nos aliviam a consciência que acabamos por aceitar votar num partido que as defenda ou que não as refuta de forma categórica. Por isso a FPPV quis acordar as nossas consciências e lançar um tema da maior importância: A DEFESA DA VIDA.

Não embarquemos na conversa da treta, e foquemo-nos nos temas elevados. É por estas razões que devemos ir votar. Por acreditarmos que o nosso voto tem peso. É só um voto, mas será um voto responsável que não balança entre um bom dia de praia a uma boa política de defesa da vida e da família.

Finalmente houve alguém que fez a diferença nesta campanha: foi a Federação Portuguesa pela Vida que incansavelmente luta por um Portugal humanizado. Devemos-lhe todos um agradecimento que certamente retribuiremos com um voto responsável.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Isto é gente que não sabe onde votar!

Rita Fontoura
208

Não quero ouvir dizer mal dos outros. Estou farta! Quero saber em concreto o que fariam se fossem governo. E não digam balelas, tragam ideias novas e programas verosímeis.

Paris

A Páscoa, o Papa e a Notre Dame

Rita Fontoura
197

A Europa está a arder por dentro e infelizmente não há quem possa garantir que, quando o fogo acabar, será reconstruída desde que existam os fundos. Na Europa somos nós os incendiários e os bombeiros.

Abusos na Igreja

A Igreja falhou, falha e falhará

Rita Fontoura
489

Tenho muito tristeza pela responsabilidade que me cabe. Para quem não é crente explico: a desolação que sinto é como se um filho meu tivesse abusado de menores, feito o que se diz dos padres acusados.

Papa Francisco

‘Yes to life!’ /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
715

A suposição de que o feto é uma parte do corpo da mulher é, em termos científicos, um absurdo. O nascituro precisa de ser amado e cuidado e é, sempre, bem-vindo!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)