Rádio Observador

Novo Banco

As noites mal dormidas de Ricardo Salgado

Autor
  • Ricardo Gonçalves Cerqueira
148

Enquanto os portugueses carregam a sobrevivência do Novo Banco montanha acima, o Dr. Ricardo Salgado ocupa o tempo de antena que lhe resta a desconsiderar a inteligência de quem, ainda, o escuta.

“Penso todos os dias nos lesados. Todos os dias. E sofro com isso. O Banco Espírito Santo tem 150 anos e nunca lesou ninguém(…)portanto não fui eu que causei os lesados.”
Ricardo Salgado, 2/03/2019.

Quando estava prestes a emocionar-me com a generosidade e o altruísmo das afirmações de Ricardo Salgado à TSF, a propósito do quão sofridas as suas noites têm sido por causa da difícil circunstância dos lesados do BES (a que o próprio se considera alheio?!), fui atingido por um banho de água gelada.

O Novo Banco (a parcela aparentemente “saudável”que restou da resolução do BES, recorda-se?) apresentou os resultados de 2018 e as notícias não são de todo animadoras. Os contribuintes ficaram a saber que o “banco bom”apresentou novamente prejuízos, desta feita na ordem dos 1.412 milhões de euros! Um resultado que ficou essencialmente a dever-se a perdas registadas com a venda de carteiras de ativos problemáticos oriundos do BES; a alienação de 9.000 imóveis aos americanos do Anchorage Group por 716 milhões (Projeto Viriato) e 102 mil contratos de crédito malparado no valor de 2.150 milhões de euros com os fundos KKR e Lx Investment Partners (Projeto Nata). Uma desgraça para a qual o Dr. Salgado em nada contribuiu, pois claro!

Acontece, porém, que a “banhada” não se cinge a 2018. Analisados os 5 anos de vida do Novo Banco, chega-se rapidamente a uma conclusão: o banco nunca registou resultados anuais positivos! Se nos primeiros cinco meses de existência, entre agosto e dezembro de 2014, os prejuízos ascenderam aos 500 milhões de euros, nos anos que se seguiram o cenário não melhorou. Pelo contrário: em 2015 registaram-se 981 milhões de euros de prejuízos, 780 milhões de euros em 2016, 2.298 milhões em 2017 a que acrescem os 1.412 milhões de euros de prejuízos relativos a 2018.

Contas feitas, o Novo Banco apresenta um resultado negativo acumulado de 5.975 milhões de euros desde 2014. É obra! Mas é uma obra cuja autoria o Dr. Ricardo repudia sempre que pode.

Ainda assim, o quadro não seria tão negro se a fatura do legado fosse endereçada ao Dr. Salgado e família. Acontece que não é assim. E porquê?

Quando, em outubro de 2017, ficou acordada a venda da instituição ao fundo americano Lone Star, foi constituído um mecanismo de capital contingente que obrigou o fundo de resolução (entidade pública financiada pelos bancos a operar no sistema português) a injetar dinheiro no “banco bom” sempre que a venda de ativos problemáticos impusesse uma diminuição dos rácios do banco.

Ora tal cenário tem sido recorrente.

Em 2017, em razão dos resultados verificados, o fundo foi chamado a injetar 800 milhões de euros, a que se somarão 1.149 milhões em 2019. Tudo somado, 2014, 2018 e 2019, o Novo Banco teve um impacto de 6,9 mil milhões de euros nas contas públicas, dado que o fundo de resolução consolida no Orçamento de Estado. Acontece que, sobre este peso que está colocado sobre os ombros dos contribuintes portugueses, Ricardo Salgado nada disse porque nada viu, e como nada viu não é responsável por coisa nenhuma.

Há um dado que, ainda assim, me parece bastante evidente. Enquanto os portugueses carregam a sobrevivência do Novo Banco montanha acima, o Dr. Ricardo Salgado ocupa o tempo de antena que lhe resta a desconsiderar a inteligência de quem, ainda, o escuta. Hábito que lhe vem do passado, possivelmente.

Gestor

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)