268kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Ricardo Gonçalves Cerqueira

Convidado

Artigos publicados

Parcerias Público Privadas

Ideologia vs. racionalidade

Em Portugal, a “sensibilidade” ideológica e a gritaria têm levado a melhor sobre a racionalidade e o bom senso. Não é de estranhar que as PPP na saúde continuem a enfrentar imensa oposição política.
Fundos Comunitários

O exemplo vindo de Espanha

O que é verdadeiramente marcante no plano espanhol é tratar-se de um envelope de apoios a fundo perdido cinco vezes superior ao PRR português. E a grande diferença não se esgota na dimensão do bolo.
Pandemia

Correr atrás do prejuízo

Uma segunda vaga de infeções era previsível. E era, exatamente por isso, expectável que tivessem sido tomadas medidas robustas de reforço da capacidade de resposta ao que aí vinha.
Economia

O país não cresce por decreto

103
As empresas portuguesas necessitam de condições simples, objectivas e de efeito prático imediato, que possam mitigar o efeito brutal deste “inverno económico” em que o país está mergulhado.
Comércio

Lobo em pele de cordeiro

196
Ao perdoar a renda fixa mensal, o PCP está a favorecer as cadeias de lojas internacionais. O pequeno comércio local continuará em manifesta desvantagem face às lojas dos centros comerciais.
Novo Banco

As noites mal dormidas de Ricardo Salgado

148
Enquanto os portugueses carregam a sobrevivência do Novo Banco montanha acima, o Dr. Ricardo Salgado ocupa o tempo de antena que lhe resta a desconsiderar a inteligência de quem, ainda, o escuta.
Caixa Geral de Depósitos

O Banco do banquete

280
Nesta Caixa, banco do Estado, gerida por uma casta, o céu era o limite. À CGD dos negócios fáceis e do crédito ilimitado, tudo era permitido. Os filhos e afilhados do regime bastavam-se a si próprios.
Acidentes e Desastres

“Há que apurar as responsabilidades”...

463
Desde julho de 2017 mais de 120 pessoas morreram pois o Estado falhou. “É preciso apurar as responsabilidades”. Há ano e meio que nos acenam com essa ilusão mas até hoje só vimos uma mão cheia de nada
A página está a demorar muito tempo.