Rádio Observador

Política

Chamem-se como quiserem mas façam alguma coisa! /premium

Autor
693

A direita é em Portugal um problema poético: um sujeito lírico que não sabe o que é; pede desculpa por aquilo que nunca foi e lastima o que não pode ser.

Mais para a direita. Não, um bocadinho para a esquerda. Agora para o centro… A direita em Portugal não é um espaço político, é uma prova de modista: ora sai uma alfinetada no reaccionarismo, ora tesourada no liberalismo. A primeira coisa a ter em conta quando se fala da direita é que a direita além de falar de si mesma, do que é, do que deveria ser, do que já foi… não deve falar de mais nada. Ou seja deve abster-se acerca da realidade. Inibir-se na apresentação doutras propostas. Enfim, autolimitar-se enquanto alternativa de poder. Afinal para isso já cá está a esquerda, não é?

Desprovida de projecto, a direita é avaliada não pelo que diz mas sim pela intencionalidade das suas palavras, mesmo quando elas parecem acertadas. Por exemplo, quem senão uma direita ressabiada para chamar a atenção para o que aconteceu no baptismo do navio de cruzeiro construído nos estaleiros West Sea? O sucedido conta-se em poucas palavras e para o caso as do JN e da Lusa são eloquentes: “Uma cerimónia com passadeira vermelha onde desfilaram o primeiro-ministro e um extenso rol de figuras do jet-set nacional marcou, este sábado, o batismo, nos estaleiros de Viana do Castelo, do primeiro navio de cruzeiro construído em Portugal. (…) O primeiro-ministro disse hoje que os estaleiros da WestSea, em Viana do Castelo, são “uma referência da capacidade de renovação da indústria naval do país”, apontando como exemplo o primeiro navio oceânico “integralmente concebido e fabricado” em Portugal.”

Acontece, e agora é que entra o ressabiamento, que estes estaleiros, agora designados West Sea, tão expressivamente elogiados pelo primeiro-ministro são os mesmos cuja privatização o PS combatia em 2013 e, pasme-se, continua a combater em 2019. Porque enquanto o primeiro-ministro veste de gala para desfilar na passadeira vermelha em Viana, o grupo parlamentar do PS, em Lisboa, não só vota contra o voto de congratulação apresentado pelo PSD aos “trabalhadores, gestores e sociedade civil” de Viana do Castelo pela “viabilização dos estaleiros materializada num conjunto de entregas civis e militares“, como continua a dizer-se contra “a forma como o anterior Governo procedeu à liquidação dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo e deitou para o lixo mais de 450 milhões de euros dos contribuintes portugueses”.

Resumindo, em Viana do Castelo, António Costa exalta os empresários dos estaleiros West Sea e o seu cliente Maŕio Ferreira e depois em Lisboa os mesmíssimos socialistas voltam aos tempos em que a privatização dos Estaleiros de Viana do Castelo era deitar para o lixo o dinheiro dos contribuintes. Percebido? Convém mesmo perceber porque este esquema de actuação repete-se a cada privatização em Portugal: os socialistas são sempre contra e depois, continuando a ser contra, ostentam uma política de “proximidade-palmada nas costas” com essas mesmas empresas e empresários. Denunciar tudo isto é que não vale a pena porque é ressabiamento. Tal como é ressabiamento – ou será antes populismo? – denunciar esse outro desdobramento físico do líder socialista, entre o primeiro-ministro António Costa que forma um governo em que é difícil encontrar alguém que não seja primo, marido, mulher, cunhado… e o governante António Costa que celebra a aprovação de legislação para impedir a endogamia nos governos.

Esta ideia de que não existe um discernimento moral mas apenas o julgamento da lei é uma das marcas mais degradantes do nosso tempo. Mas como dizer a palavra proibida – moral – sem que logo surja o terror de se ser acusado de reaccionarismo? Levámos os anos dos governos Sócrates sob este diktat: os julgamentos morais são uma manobra da reacção. Apenas o império luminoso da lei conta. Ou contava. Porque agora a lei tornou-se reaccionária e os juízes tornaram-se objecto de pressões e acções de dinamização ideológica que se toleram e calam não venha de lá o apodo de reaccionário.

Afinal o ressabiamento não é a pior categoria das obscuras motivações que levam a direita não só a não ser esquerda mas sobretudo a ter a veleidade de querer ser outra coisa. O reaccionarismo esse sim é que é o motor da coisa, da anomalia por assim dizer. Assim, a cada intuição de que a acusação de reaccionarismo lhe está para cair em cima, logo a alegada direita que não sabe se é direita explica que ela, antes pelo contrário, concorda com tudo aquilo que esquerda diz e até iria um pouco mais à frente.

O temor de ser considerado reaccionário é tal à direita que segue impune a imposição da ditadura do progressismo que nos há-de levar ao vazio, caso ninguém à esquerda denuncie o óbvio. Foi assim em França, onde já não se podem montar presépios nas escolas; em Espanha, onde o PP acabou a questionar-se sobre se deve ou não contar-se a história de Pelágio nas grutas de Covadonga e de caminho que posição tomar sobre a expulsão do “Capuchinho Vermelho” das bibliotecas escolares. Por cá, o problema nem se coloca: sobre o que ideologicamente está a acontecer nas escolas nem uma palavra. E falar da qualidade do ensino ainda menos pois logo vinha a acusação da direita retrógrada que defende os exames e consequentemente o sofrimento das criancinhas e suas famílias.

Sendo que já vai longa a lista das obscuras motivações que levam a direita a manifestar-se – obscuras motivações essas de que a direita fez seu principal objectivo demarcar-se nem que para tal tenha de ficar calada e tolhida quanto a tudo mais – não se pode deixar de referir esse verdadeiro estigma que é ser de direita liberal pois, como se sabe, a direita liberal tem uma irmã escondida no armário que é a direita dos interesses, a tal que quer destruir a escola pública, o SNS… e reduzir os portugueses à miséria, à doença e à ignorância que lhe estão garantidas caso os serviços pagos pelos contribuintes – vulgo serviços públicos gratuitos – deixem de ser prestados por organismos estatais.

O acantonamento da direita nesta matéria é tal que perante a passividade das instituições, o pendor esquerdista de boa parte dos jornalistas, a incapacidade de concentração do Presidente da República e as contas de somar e diminuir votos do espaço à direita do PS (é preciso esclarecer que a direita em Portugal não existe, o que existe é o espaço à direita do PS), Portugal tornou-se uma ditadura fiscal, com a Autoridade Tributária a ter acesso a um nível de informação sobre a vida de cada um de nós que faz de qualquer polícia política um grupo de amadores. Como aqui escreveu José Avillez Ogando O SAF-T (Standard Audit File For Tax Purposes) é um ficheiro que é obrigatoriamente disponibilizado pelas empresas e que permite à Administração Fiscal conhecer permanentemente a contabilidade dos contribuintes, quase em tempo real. A partir do SAF-T muito irá mudar, a começar pelas inspeções fiscais, que passarão a ter lugar nos ecrãs da Autoridade Tributária, à margem do procedimento, ou seja, sem passar por considerações de direitos liberdades e garantias. O procedimento que sobrar será todo ele relegado para a impugnação graciosa (reclamação e recurso hierárquico) ou para os tribunais fiscais

Esta monstruosidade vai obviamente revelar-se na sua tirania quando afectar a pessoa-empresa errada. Ou quando se perceber o impacto entre as pequenas e médias empresas desta devassa fiscal. Até lá vai acrescentando o seu poder. Porque denunciá-la, tal como tem acontecido a todos aqueles que ao longo dos anos têm alertado para a insustentabilidade da Segurança Social nos actuais moldes, leva a que logo surja a acusação de não se estar a querer discutir a sustentabilidade da Segurança Social mas sim a querer fazer negociatas com as seguradoras.

Poderia juntar centenas de exemplos. E todos eles levam à mesma conclusão: chamem-se como quiserem mas façam alguma coisa!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polémica

A ostraca /premium

Helena Matos
1.072

Todos, a começar pelo director do Público, teremos a qualquer momento o nosso nome inscrito na lista dos que devem ser banidos. A ditadura das causas exige-o. 

Justiça

O azar dos habitantes do prédio Coutinho /premium

Helena Matos
3.757

Todos sabem que não existe interesse público que justifique a demolição. Mas dá-se como adquirido que o Estado vai ganhar. Depois dirão: as vítimas tinham razão. É o síndroma azar dos Távoras. 

Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)