Banca

Delitos de Opinião

Autor
  • António Cruz Gomes

Porque o Banqueiro é um Senhor, impoluto, que não pratica nem sofre dos mesmos vícios e riscos que arrastam comerciantes em nome individual e empresas a fecharem portas?

A um pacato cidadão afigurou-se-lhe – mal? – ver avançar uma ideia peregrina que, irritado, espera que tropece e caia, sem obter consagração legislativa!…

Todos sabemos que a quem desenvolva a sua criatividade no mundo económico-financeiro, o negócio empresarial envolve o risco do fracasso; e lá entra o Estado regulando a situação de falência, sem a pagar, claro.

Os hipotéticos desastres desabrocham pelas mais variadas razões e se umas são factuais – como por exemplo a concorrência desleal ou as variações imprevistas da conjuntura – outras dizem respeito à própria pessoa, onde há de tudo: impreparação, deficiente gestão, etc, sem esquecer a trafulhice do desvio em proveito próprio, de dinheiro da empresa.

Estará em curso a ideia de que com a “Banca” não deverá ser bem assim? Que ao entrar, “Ela”, em situação de falência, o risco inerente à sua atividade merece tratamento particular? Deverá o Estado evitá-la entrando com o montante necessário, que depois o contribuinte, direta ou indiretamente, acabará por pagar?

Será isto ainda o fruto da antiga tradição, em que ao povo – causticado e sereno – cabia servir os “Senhores”, pagando mesmo seus eventuais desmandos?

A um “Banco” que porventura entre em situação de falência, cujas causas tanto poderão vir a colher certa justificação, como serem o fruto culposo de má governação – fatos estes que, como é evidente, só se conhecerão a posteriori – Deverá o Estado salvá-lo? A que propósito?

Porque o Banqueiro é um Senhor, impoluto, que não pratica nem sofre dos mesmos vícios e riscos que arrastam comerciantes em nome individual e empresas a fecharem portas?

Como esta razão não serve, outra não descortino (na aventada hipótese) senão que o interesse nacional necessite que o Banco continue em funcionamento.

Mas a ser assim, este facto tem de ser atempadamente percetível e inequívoco, com a sua fundamentação dada ao conhecimento público. E claro, averiguarem-se em seguida da sua causalidade, com vista à punição dos culpados, se os houver.

Advogado

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)