Banca

Delitos de Opinião

Autor
  • António Cruz Gomes

Porque o Banqueiro é um Senhor, impoluto, que não pratica nem sofre dos mesmos vícios e riscos que arrastam comerciantes em nome individual e empresas a fecharem portas?

A um pacato cidadão afigurou-se-lhe – mal? – ver avançar uma ideia peregrina que, irritado, espera que tropece e caia, sem obter consagração legislativa!…

Todos sabemos que a quem desenvolva a sua criatividade no mundo económico-financeiro, o negócio empresarial envolve o risco do fracasso; e lá entra o Estado regulando a situação de falência, sem a pagar, claro.

Os hipotéticos desastres desabrocham pelas mais variadas razões e se umas são factuais – como por exemplo a concorrência desleal ou as variações imprevistas da conjuntura – outras dizem respeito à própria pessoa, onde há de tudo: impreparação, deficiente gestão, etc, sem esquecer a trafulhice do desvio em proveito próprio, de dinheiro da empresa.

Estará em curso a ideia de que com a “Banca” não deverá ser bem assim? Que ao entrar, “Ela”, em situação de falência, o risco inerente à sua atividade merece tratamento particular? Deverá o Estado evitá-la entrando com o montante necessário, que depois o contribuinte, direta ou indiretamente, acabará por pagar?

Será isto ainda o fruto da antiga tradição, em que ao povo – causticado e sereno – cabia servir os “Senhores”, pagando mesmo seus eventuais desmandos?

A um “Banco” que porventura entre em situação de falência, cujas causas tanto poderão vir a colher certa justificação, como serem o fruto culposo de má governação – fatos estes que, como é evidente, só se conhecerão a posteriori – Deverá o Estado salvá-lo? A que propósito?

Porque o Banqueiro é um Senhor, impoluto, que não pratica nem sofre dos mesmos vícios e riscos que arrastam comerciantes em nome individual e empresas a fecharem portas?

Como esta razão não serve, outra não descortino (na aventada hipótese) senão que o interesse nacional necessite que o Banco continue em funcionamento.

Mas a ser assim, este facto tem de ser atempadamente percetível e inequívoco, com a sua fundamentação dada ao conhecimento público. E claro, averiguarem-se em seguida da sua causalidade, com vista à punição dos culpados, se os houver.

Advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Política

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último. 

Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Manuel Villaverde Cabral
233

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Inovação

SIBS API Market: um sistema virado para o umbigo

Sebastião Lancastre

Este é mais um exemplo da pouca ambição, da mediocridade e da incompetência que se vive em Portugal, onde o governo lava as mãos e não promove a criação de um sistema bancário verdadeiramente aberto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)