Rádio Observador

Política

Delitos de Opinião

Autor
  • António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último.

Um cidadão preguiçoso, cujo interesse sempre descurou a mínima intervenção cívica no “relvado dos políticos”, sente-se irritado e desejoso de replicar.

É que se lhe antolha – mal? – a tentativa governamental de desvalorizar a sua indeclinável responsabilidade pelo braço executivo da “Segurança” – a Administração Pública – cujo controle (umas vezes direta, outras indiretamente) lhe compete.

Nada mais deletério e perigoso do que descurá-la, mediante uma aparência que prejudica a atuação imprescindível à reparação de erros cometidos.

Embora a política seja uma teia intricada de interesses e influências de natureza diversa e mesmo contraditória, os políticos bem conhecem a subordinação a que está sujeita a interligação das suas três principais motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional.

Sempre que um dos primeiros porventura tente afirmar-se, desrespeitando o último, o erro é pernicioso e indesculpável.

Mas, que diabo. Afinal o que aconteceu?

Vivemos pacificamente em democracia, com suas inerentes instituições em – bom ?!… – funcionamento. Temos um Presidente da República – Chefe último do Exército e regulador de eventuais impasses entre Assembleia da República e Governo – a cuja função opinativa e moderadora tem arreigadamente devotado a sua superior inteligência e feitio?!…

Temos governo e partidos políticos que o apreciam e legislam.

O que aconteceu?

Este atual mandato foi inundado por um acumular de vários acontecimentos inadmissíveis, cujas causas se arrastam ao longo de anos anteriores, revelando incúria governativa e incompetência descuidada de alguns sectores da Administração Pública.

O fogo, que sempre nos fustigou, arde como nunca ardeu. O material militar deixa-se roubar. Numa estrada abre-se uma fenda e por lá caem mais do que um carro. Um helicóptero do INEM embate numa antena (cuja luz de sinalização se desconhece se estaria acesa) sem que possua sinal indicativo do seu sinistro.

E, nestas condições, que fazer?

Começar por indemnizar as vítimas. Por quem? Como a evidência inequivocamente mostra, pelo Estado, que deve responder pela “Segurança” e pela fiscalização do seu exercício quando efetuado pela Administração Pública.

Depois, trabalhar, trabalhar, para repor ordem onde grassou a desordem, sem, como é de justiça, deixar de apurar a culpabilidade, civil e criminal, dos respetivos agentes.

Ora, não vejo que “as coisas” se estejam a passar bem, bem assim. Que os partidos e a Assembleia não barafustem o suficiente, talvez se deva a evitarem pôr em causa a sua responsabilidade anterior. Que o Governo procure desculpabilizar-se – diluindo a sua responsabilidade – não é tolerável.

E não se ouviram gritos bastantes de protesto veemente. Continuámos vivendo a acalmia conformada dos nossos pacatos – e doces?! Costumes.

António Cruz Gomes é advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
232

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
192

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)