Rádio Observador

Eleições

Votar ou não votar é já uma questão?

Autor
  • António Cruz Gomes

Votar acertadamente torna-se cada vez mais difícil. Os meios de comunicação social, que crescem em variedade e preponderância, nem sempre contam a verdade.

Avizinham-se eleições e um cidadão, politicamente desinteressado e inoperante, estava lendo uma biografia de Churchill quando as suas considerações sobre a democracia ser, dos sistemas políticos, o menor dos males despertaram nele ideias que lhe apetece partilhar.

Na democracia o povo confere através do seu voto um mandato representativo aos partidos políticos que, com diferentes ideários e seus militantes, a estruturam.

Considero – ao que julgo com a «História» a confirmá-lo – que o esvaziamento da força vinculante da vontade popular cria sistemas políticos em que uma minoria, um único partido ou um ditador acaba – dado o pendor do ser humano na valorização dos seus próprios interesses – por prejudicar a maioria, sem fácil viabilidade de mudança.

Defendamos, pois, a democracia votando, uma vez que votar é seu princípio atuante e fundamental. Radicando a sua supremacia na circunstância da apreciação de um povo encontrar ao que a este importa, todos temos que votar.

Se não o fizermos, tudo estará estragado: as votações dos militantes – porque enfeudados – debater-se-ão sem a correção postulada pelo bom senso do povo.

É assim imprescindível que votemos, uma vez que a esperança causal das decisões consentâneas com a superioridade da democracia (sobre os outros sistemas) depende de uma votação pesadamente maioritária.

Como bem sabemos, este indeclinável dever sofre frequentemente violação.

Percebe-se que (se os partidos não prosseguirem o interesse nacional) surja dúvida poderosa que conduz à abstenção e à votação em branco e que aparentemente as justifica?

Erro. A aparência não as legitima, tanto por esquecer, com grave prejuízo, uma função essencial à vivência em sociedade, como também por outra circunstância a que se não dá a devida atenção.

O hipotético comportamento criticado, cuja única improvável vantagem seria contribuir para a criação de um partido mais decente, acaba por traduzir-se numa espécie de voto indireto e desconhecido, na medida em que, aquando do apuramento da votação, beneficia um dos partidos concorrentes…

Votar acertadamente torna-se cada vez mais difícil. Os meios de comunicação social, que crescem em variedade e preponderância, nem sempre contam a verdade. Infestados por falsas notícias, deixam-se, por vezes contaminar pelas tentativas manipuladoras do controlo da democracia em beneficio de quem manda no mundo.

E então?

Estamos confinados a abrir os olhos, com pensamento crítico, e a votar, escolhendo – caso nenhum dos partidos nos agrade – o menor dos males.

A.Cruz Gomes é Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Política

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último. 

Eleições

Outro caminho para Setúbal

Diogo Prates
177

Acreditamos que só com um clima de negócios competitivo será possível gerar riqueza e proporcionar as condições de vida que os habitantes do distrito de Setúbal merecem e ambicionam para si.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)