Rádio Observador

Civilização

A evidência é desprezada?

Autor
  • António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

A aproximação da hora terminal – bem como a sua ponderação – impelem, por vezes, a cogitar que o homem hodierno mergulha decisivamente no turbilhão das preocupações materiais, exibindo o esquecimento ou a desvalorização do que a sua natureza implica.

Nela, pulsa o mistério insolúvel da presença contraditória entre sofrimento e felicidade, dor e alegria, ódio e perdão, guerra e paz.

Sendo a vida do mundo meramente transitória, o choro e a revolta não fazem grande sentido quando motivados apenas pela concretização do estigma da morte. Todavia esta inevitável condição faz mossa, levando-nos intelectual e sentimentalmente, a ponderar sobre o mistério de um futuro desconhecido.

E aqui sim. Da persuasão que retirarmos das nossas congeminações, já poderão nascer (com ou sem justeza) choro e ranger de dentes, aceitação ou revolta, esperança feliz ou tristeza; e também a saudade por vezes em mistura contraditória de lágrimas e alegria.

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental; onde se conjugam a interrogação sobre o significado da existência e a sua hipotética subordinação ao desejo arreigado de um futuro que se desconhece.

E é também, com maior ou menor pressão, que não escapamos – ao conhecimento interiorizado do “Mal e do Bem”.

Bem este, que se não fica pelo pensamento espontâneo e se apresenta em conteúdo concreto – de formato não biunívoco – que evidencia uma tendência consensual de exigências de ordem prática: um conjunto de obrigações em que se não esqueça a justiça, a verdade e o serviço aos outros.

Aos outros, a quem devemos, primeiro, tratar como iguais – não lhes fazendo o mal que desejamos nos não façam – e depois, quando prevariquem, oferecendo-lhes o perdão e o castigo; sob o manto da fraternidade e na medida do impossível?!…

Quer dizer, ainda que nascidos transitórios e mundanos, a imensidão do universo e a incógnita da vida acordaram a apetência transcendental da nossa natureza para a especulação.

Assim apareceram e se estruturaram, historicamente a “Filosofia” (onde o pensador metafísico e a ética revindicam posicionamento) a “Ciência”, a “Estética” (com as suas figurações artísticas) e as “Religiões”; ou seja, as manifestações concretas, cujas especificidades inspiram e marcam as diferentes “Culturas” e “Civilizações”, onde nos acolhemos.

Estas realidades históricas convergem na particularidade, constitutiva e essencial da nossa natureza. Porque somos individualmente e coletivamente diferentes (o que aliás não é de estranhar e está em consonância com a diversificação do mundo) a referida diferenciação entre “Culturas” e “Civilizações” é o efeito natural, o fruto consequente da nossa realidade existencial.

Parece, pois, acertado considerar e defender que a condição humana – porque motor da aludida diversidade civilizacional – pressupõe comportamento consentâneo, que deve ditar as finalidades mais relevantes da atuação política.

Ora, enquanto fundamentação relevante, ela requer que – uma vez respeitados os ditames da boa fé – se aceite como verdade insofismável todas e cada uma das várias “Culturas” e “Civilizações”; e se procure o estabelecimento de pontes, entre elas, com vista a definir e estruturar o que as liga e une no desiderato do bem comum.

Há que tentar encaixá-las, fazendo-as viver lado a lado, num conjunto que é parte do mundo diversificado.

Neste enquadramento, a verdade é por natureza meramente relativa e nada será mais permissivo, para comprometer a almejada finalidade, do que considerá-la absoluta, defendendo-a ou impondo-a pela mão de fundamentalistas.

A realização do preconizado objetivo não só reclama a sintonia das “Vontades Políticas”, como comporta mil dificuldades de ordem prática e metodológica.

Todavia, se continuarmos sem desvendar o processo de superar a nossa presente e triste realidade, persistindo em descurar a paz e a interligação comunitária, continuaremos a comprometer a nossa descendência, estragando paulatinamente o mundo.

António Cruz Gomes é Advogado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Política

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último. 

Civilização

Mal educados são os outros /premium

Eduardo Sá
524

A mim inquieta-me que se cultive, em “português suave”, a ideia de que a boa educação representará um tique “de direita”. Ou que é, manifestamente, uma coisa característica das pessoas da província.

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)