Civilização

A evidência é desprezada?

Autor
  • António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

A aproximação da hora terminal – bem como a sua ponderação – impelem, por vezes, a cogitar que o homem hodierno mergulha decisivamente no turbilhão das preocupações materiais, exibindo o esquecimento ou a desvalorização do que a sua natureza implica.

Nela, pulsa o mistério insolúvel da presença contraditória entre sofrimento e felicidade, dor e alegria, ódio e perdão, guerra e paz.

Sendo a vida do mundo meramente transitória, o choro e a revolta não fazem grande sentido quando motivados apenas pela concretização do estigma da morte. Todavia esta inevitável condição faz mossa, levando-nos intelectual e sentimentalmente, a ponderar sobre o mistério de um futuro desconhecido.

E aqui sim. Da persuasão que retirarmos das nossas congeminações, já poderão nascer (com ou sem justeza) choro e ranger de dentes, aceitação ou revolta, esperança feliz ou tristeza; e também a saudade por vezes em mistura contraditória de lágrimas e alegria.

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental; onde se conjugam a interrogação sobre o significado da existência e a sua hipotética subordinação ao desejo arreigado de um futuro que se desconhece.

E é também, com maior ou menor pressão, que não escapamos – ao conhecimento interiorizado do “Mal e do Bem”.

Bem este, que se não fica pelo pensamento espontâneo e se apresenta em conteúdo concreto – de formato não biunívoco – que evidencia uma tendência consensual de exigências de ordem prática: um conjunto de obrigações em que se não esqueça a justiça, a verdade e o serviço aos outros.

Aos outros, a quem devemos, primeiro, tratar como iguais – não lhes fazendo o mal que desejamos nos não façam – e depois, quando prevariquem, oferecendo-lhes o perdão e o castigo; sob o manto da fraternidade e na medida do impossível?!…

Quer dizer, ainda que nascidos transitórios e mundanos, a imensidão do universo e a incógnita da vida acordaram a apetência transcendental da nossa natureza para a especulação.

Assim apareceram e se estruturaram, historicamente a “Filosofia” (onde o pensador metafísico e a ética revindicam posicionamento) a “Ciência”, a “Estética” (com as suas figurações artísticas) e as “Religiões”; ou seja, as manifestações concretas, cujas especificidades inspiram e marcam as diferentes “Culturas” e “Civilizações”, onde nos acolhemos.

Estas realidades históricas convergem na particularidade, constitutiva e essencial da nossa natureza. Porque somos individualmente e coletivamente diferentes (o que aliás não é de estranhar e está em consonância com a diversificação do mundo) a referida diferenciação entre “Culturas” e “Civilizações” é o efeito natural, o fruto consequente da nossa realidade existencial.

Parece, pois, acertado considerar e defender que a condição humana – porque motor da aludida diversidade civilizacional – pressupõe comportamento consentâneo, que deve ditar as finalidades mais relevantes da atuação política.

Ora, enquanto fundamentação relevante, ela requer que – uma vez respeitados os ditames da boa fé – se aceite como verdade insofismável todas e cada uma das várias “Culturas” e “Civilizações”; e se procure o estabelecimento de pontes, entre elas, com vista a definir e estruturar o que as liga e une no desiderato do bem comum.

Há que tentar encaixá-las, fazendo-as viver lado a lado, num conjunto que é parte do mundo diversificado.

Neste enquadramento, a verdade é por natureza meramente relativa e nada será mais permissivo, para comprometer a almejada finalidade, do que considerá-la absoluta, defendendo-a ou impondo-a pela mão de fundamentalistas.

A realização do preconizado objetivo não só reclama a sintonia das “Vontades Políticas”, como comporta mil dificuldades de ordem prática e metodológica.

Todavia, se continuarmos sem desvendar o processo de superar a nossa presente e triste realidade, persistindo em descurar a paz e a interligação comunitária, continuaremos a comprometer a nossa descendência, estragando paulatinamente o mundo.

António Cruz Gomes é Advogado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Política

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último. 

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

BBC

Civilização: uma herança frágil

João Carlos Espada

Faço votos de que a nova série sobre ‘Civilizações’ (no plural) exprima a mesma confiança nas virtudes da velha série sobre a ‘Civilização’: ordem, tranquilidade, decoro, modéstia, bom senso e beleza.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)