Rádio Observador

Mundo

Delitos de Opinião

Autor
  • António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Um cidadão vulgar, persistentemente assediado por informação invasiva – por vezes algo insidiosa – acaba incomodado, pensando com seu pensar corriqueiro no Brexit, no Mundo, na Europa e suas interligações organizacionais que, “à la Palice”, lhe parecem carecer de reajustamento postulado pela mudança do condicionalismo hodierno.

Debruçam-se e cuidam os Políticos do remédio?

Afigura-se-me que tanto os bons como os maus – que os há!… – Têm de trabalhar mais e melhor, subordinando o pendor partidário e pessoal à prossecução do bem comum, que está a exigir a sua intervenção quer na ONU, quer na Comunidade Europeia, com vista ao ajustamento de alguns dos seus princípios e meios à mudança radical da realidade que se impôs.

A globalização, que se instalou, sem princípios regimentais, veio para ficar; e, ao estreitar o relacionamento mundial, despoletou as tentativas dos pesos pesados – Blocos ou Países como os EUA, a China ou a Rússia – de afirmarem seus interesses interesseiros, à margem do bom relacionamento global, e de afirmarem o seu poder assumindo posições dominantes.

A afirmação gradual do interesse económico-financeiro prepondera, com indiferença total pelas exigências da natureza e do bem estar social.

O desmedido crescimento da natalidade associou-se, no plano individual, ao referido interesse económico-financeiro e transformou-o em valor contraditando o sentido da justa valoração.

E o mau caminho trilhado foi paulatinamente estragando o mundo, conspurcando-o com detritos perduráveis, afetando os oceanos e o ar que respiramos, matando o verde e (quanto aos animais que vieram ao mundo para nele viverem connosco) encolhendo-lhes drasticamente o habitat e, com interesse soez, reduzindo-os à expressão mais simples. Talvez que qualquer dia o próprio burro seja um exemplar do passado!…

Quer dizer, crescemos arruinando o mundo, a pensar em nós, sem consideração pelo futuro.

Dizem os cientistas – claro que sob controlo apertado da sua divulgação – que, a menos que haja uma inversão dos erros que se vêm cometendo, o Mundo sofrerá – a prazo já não muito distante – modificações que comprometerão a vida da humanidade.

Parece, pois, chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência; consagrando os pertinentes meios e compromissos assumidos na ONU.

E, se de novo nos centrarmos na globalização, reconheceremos que a Europa necessita da Comunidade Europeia coesa e solidária, fortemente irmanada nas suas decisões; o que talvez requeira o tratamento de alguns excessos, praticados com a finalidade de acelerar a sua evolução.

Quem a deseje tem de aceitar a realidade atual: um conjunto de Nações que delimitam a sua independência na celebração de acordos, com vista à constituição de um bloco comunitário.

Ora este bloco necessita manifestamente da Inglaterra e, de igual sorte, esta necessita da Comunidade Europeia.

Na globalização, a Inglaterra que sozinha pesará com insuficiência, não negociará com “Outrem” com mais desenvoltura, força e bons resultados, do que com a Comunidade Europeia.

Por outro lado, parece, hoje em dia, insofismável, que o referendo realizado enfermou de erros gravíssimos que não evidenciaram, aos votantes aspetos essenciais da realidade. Nestas condições, a subordinação indeclinável dos interesses dos “Políticos” ao bem superior da Nação e do bem comum, deve conduzi-los à realização de uma nova consulta, imbuída de informação correta. E a Comunidade Europeia deve aceitá-la, mesmo que tenha de regimentalmente introduzir alterações que a permitam.

As situações descritas defrontam os “Políticos” com uma tarefa de gravidade impar e incomensurável urgência.

Ora, mesmo quando pensamos no mais simples – o relacionamento entre a Comunidade Europeia e a Inglaterra – continuamos a assistir à passividade desgastando a esperança do mais elementar bom senso. A ameaça da asneira deixa-nos siderados e parece justificar interrogação.

Afinal o que é feito da “Política” e dos Políticos”? Perderam-se, perdendo a garra?

A. Cruz Gomes é advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Política

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último. 

Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)