Rádio Observador

Lisboa

Direito à propriedade dos outros

Autor
621

É delicioso ver como para certa esquerda viver nos subúrbios (esses bairros de lata ou sucedâneos) é bom para a arraia miúda, a intelectualidade tem de viver nas zonas históricas (com rendas baratas).

A semana passada foi revelado um supremo horror, através de uma reportagem destacada do Boletim dos Amigos do LSD, ui, perdão, do Diário de Notícias. O país, em estado de choque por ter convivido impavidamente com realidade tão ofensiva da dignidade humana, tomou conhecimento de situações mais horríficas que o genocídio médio. Uma carnificina – declarou-se apropriadamente.

Houve manifestação contra a carnificina e tudo, com grande apoio do BE. O vereador Ricardo Robles participou. Tinha ‘riot’ no nome – na verdade é assunto para levar qualquer um a pegar em armas. Inteligentemente (aspas) escolheram protestar na Almirante Reis, avenida que tudo aquilo que repugna a esta boa malta reanimou de coma profundo.

 (De seguida vou aludir a alguns casos descritos na reportagem, pelo que, caso o leitor esteja desconhecedor do seu conteúdo, sugiro que vá buscar meia tablete de ansiolíticos para acompanhar a leitura da galeria de horrores. É bem provável que necessite de lhe dar uso.)

Veja bem o leitor. Um homem, por causa do fim do seu arrendamento anterior, teve de mudar de casa do Saldanha para os Olivais. Do Saldanha para os Olivais. Quem sobrevive a semelhante provação? Imaginam o balúrdio em psicoterapia que esta pessoa, compreensivelmente traumatizada, irá gastar para o resto da sua vida?

Ana Benavente, senhora importante que até fez parte de um governo socialista, também viu o arrendamento da sua casa terminado. E não é que teve de mudar para uma casa, ok, ok, bem arranjada, mas que não é casa de ricos? Só um sub-humano tolera viver bem no centro de Lisboa por mil euros numa casa de classe média. E os mafarricos dos senhorios que pedem informações para garantir que os inquilinos têm capacidade de pagar as rendas? Que ganância. Como se não tivessem obrigação de disponibilizar a sua propriedade gratuitamente.

Mais um caso. Uma família que morou no Chiado a pagar 600€ até há pouco foi morar para Campo de Ourique (zona nobre e central) a pagar 800€. (Já desmaiou?)

Bom, fico por aqui. Temo pela saúde dos meus leitores. Em todo o caso, penso que todos concordamos que estas situações são gravíssimas. Muito mais graves, por exemplo, que a incúria e incompetência grosseira da resposta do governo aos fogos florestais do ano passado, com o bonito número de 112 mortos, cujo último relatório o DN tão suavemente noticiou.

Percebe-se. Qualquer jornal tem direito a escolher entre reportar e destacar as carnificinas verdadeiras ou as carnificinas inventadas.

É tudo tão ridículo que nem se sabe se os ativistas de esquerda têm vontade deliberada de fazer figuras apalhaçadas. Talvez para desviar a atenção (à conta de tanta gargalhada) do (des)governo, com o justificado sururu do relatório dos fogos de outubro ou o alinhamento tácito com Putin contra as decisões da UE e do nosso mais antigo aliado. Ou se é a tradicional aldrabice bloquista e para-bloquista de empolar um meio problema, apresentando-o como quase crise de regime, para assim esmagar mais a livre iniciativa e os rendimentos de muitas famílias que contam com as rendas para o orçamento mensal – e, sempre, estatizar a sociedade.

Percebo que as pessoas se afeiçoem às casas e lhes custe sair. Também ninguém gosta de pagar mais pelo que dantes pagava muito pouco. Mas não espanta que os inimigos da propriedade privada e da livre iniciativa provoquem chavascal e manifestações por rendas de menos de mil euros em casas boas em zonas recomendáveis.

Faço só alguns apontamentos.

Primeiro. Que esquerda parvenue e de horizontes pequenos. Passei boa parte da minha vida a atravessar Lisboa (no extremo norte da cidade) para ir diariamente para o Lumiar, primeiro para o colégio, depois para o CUPAV, muitas vezes para ir para casa de amigos ou namorar. Para que percam todo o respeito por mim, declaro ainda que sempre tive amigos vivendo em Benfica e Telheiras. Ou (é o descalabro) residentes na Portela de Sacavém, bairro moda nos anos oitenta malgrado estar situado já no concelho de Loures. Lisboa não é sequer uma cidade grande.

Segundo. Aparentemente há quem de esquerda não saiba, mas nos subúrbios já vive muita gente licenciada, de classe média, que trabalha em Lisboa, com filhos e horários para cumprir. Alguns preferem. Gostam de ter mais espaço, casas mais baratas (logo mais dinheiro para férias, por exemplo), menor rebuliço, proximidade de praia, o que seja.

É delicioso perceber que para alguma esquerda viver nos subúrbios (todos eles provavelmente bairros de lata ou sucedâneos) é bom só para a arraia miúda, que a casta superior dos funcionários público e da alegada intelectualidade tem de viver nas zonas históricas lisboetas (com obras a cargo do proprietário e rendas baratas, claro).

Por outro lado, há também muito quem viva em Lisboa e trabalhe nos concelhos circundantes (eu, por exemplo, tenho o escritório a vinte e tal quilómetros). Não é nenhum drama.

Terceiro. Foi divertido ver a direita regionalista do twitter alinhar com este drama indizível alinhavado pela esquerda.

Quarto. As cidades são realidades dinâmicas. É comum as zonas periféricas tornarem-se interessantes e culturalmente vivas precisamente por, não estando em voga e sendo mais baratas, viverem um influxo de sangue novo das pessoas à procura de rendas mais baixas. De seguida valorizam.

Quinto. E termino. Este clamor com as rendas caras em Lisboa é um retrato da nossa esquerda. Paroquial – uma cidade pequena como Lisboa é demasiado grande para eles. Sem recursos psicológicos para responder às realidades mais simples da vida – ter de se deslocar uns tantos quilómetros é uma provação debilitante. Alienada da realidade – não sabe que há vida além do centro mais curto de Lisboa. Imobilista e reacionária – as dinâmicas de mudança deixam-nos apavorados e congeminam sobretudo para suprimi-las. Explica muita coisa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques
171

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)