Num momento de isolamento social forçado, que nos surge como uma realidade nova e estranha, a exclusão digital assume uma dimensão superior que só pode ser combatida com uma abordagem colaborativa, voluntária e abrangente.

O acesso a informação, conselhos e medidas; as compras online; a encomenda de refeições e medicamentos; o acesso à banca e aos serviços públicos digitais assumem uma importância sem precedentes.

Estudar em casa e ajudar os nossos filhos a estudar com acesso a plataformas digitais é hoje a regra em todos os níveis de ensino.

O teletrabalho impôs-se e as reuniões com presença física foram – sem exceção – substituídas por videoconferências.

Também os profissionais de saúde e forças de segurança, que hoje cuidam de nós, contactam e conectam-se com as suas famílias com recurso à internet.

Falar com os familiares e amigos, poder partilhar imagens, fotografias, momentos de diversão virtual tão essenciais neste momento de provação coletiva leva-nos a melhor entender que ninguém devia ou deve estar excluído do mundo digital. Em particular quando sabemos que Portugal tem cerca de 20% da população excluída do acesso aos meios digitais. E que são os mais velhos, os socialmente mais frágeis, os mais isolados e as mulheres os grandes afetados.

Ninguém pode ficar para trás nunca e em especial neste momento.

A exclusão digital tem sido uma preocupação para o .PT, a associação que gere o domínio de topo nacional, o .pt, e agora cabe-nos, mais do que nunca um papel de alerta e de apoio.

Temos vindo a promover a inclusão digital sob o lema que esta é uma forma de inclusão social; nunca imaginámos que este facto seria tão óbvio num momento destes.

Temos e pretendemos aprofundar iniciativas a que hoje todos os leitores devem e podem aceder para ajudar quem está isolado ou para ajudar as empresas que, não tendo uma presença online, não podem ter um plano B.

O MUDA na Escola promove a inclusão digital de adultos mais velhos, através de formações em sala de aula, dadas por jovens alunos voluntários. As formações estão também disponíveis em www.mudanaescola.pt. É época de lançar mão destes materiais e contribuir para que também as nossas famílias se tornam mais digitais.

Academia do ComercioDigital.pt: disponibiliza conteúdos formativos e ferramentas de capacitação para a economia digital. O objetivo é apoiar os empresários do comércio e serviços na digitalização do seu negócio em .pt, de forma a obter novos clientes e expandir-se para novos mercados.

O Governo Português, preocupado com a situação que atravessamos, também contribuiu e lançou a plataforma ESTAMOSON.

É urgente desenvolver a capacitação digital. Por nós e pelos outros, fiquemos em casa, mas ajudemos quem precisa a estar incluído no mundo digital. Ajudemos a quebrar este isolamento, que é também social, e cooperemos para que empresas e empresários continuem a trabalhar fazendo chegar à casa de cada um de nós o que nos habituámos a ter no dia a dia.

Não há tempo a perder. E acreditamos que os portugueses já interiorizaram isso.

Há um aumento de registos de domínios .pt nos últimos dias, com dados que nos permitem aferir que, ao ser decretado o Estado de Emergência, houve um acréscimo de entradas de empresas em .pt, que vão desde a restauração, a serviços domésticos, ginásios e outras atividades que nos pretendem manter unidos através do digital. Também muitos que promovem a solidariedade neste momento difícil estão a assumir uma presença na internet.

Importa fazer crescer esta onda!

Com o nosso trabalho, temos defendido que o .pt é o espaço onde cabe um Portugal Maior. E só com todos presentes neste espaço o podemos transformar e contribuir para superar este momento de emergência.

O digital, que por vezes parece que nos separa, é aquele que agora nos une.

(este artigo foi escrito em casa, em regime de teletrabalho. A minha sugestão é #fiqueemcasa)