Crónica

É difícil ser adulto em Portugal

Autor
1.470

A vida é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Por isso, em Portugal, quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela.

Devo dizer que nunca tive muita facilidade com essa coisa de ter que ser adulta. Acho que simplesmente não tenho vocação, assim como não o tenho para o basquete e para a culinária. Mas devo dizer que era mais fácil ser adulta enquanto eu vivia no Brasil.

Não, não estou falando mal de Portugal- prefiro deixar claro- afinal, não me canso de dizer que amo essa terra. Até porque eu sigo sendo a mesma adulta falha que eu já era no Brasil. Não consegui melhorar muito. Mas aqui sinto, de fato, que estou destoando ainda mais do padrão.

Começo pela descoberta que fiz recentemente e que quase me provocou um desmaio: adultos portugueses não colecionam os cromos da caderneta do Mundial de Futebol (traduzindo para o português do Brasil: adultos portugueses não colecionam as figurinhas do álbum da Copa do Mundo).

Todos os amigos portugueses com quem comento isso ficam incrédulos quando eu digo que milhares de adultos brasileiros colecionam os cromos, felizes da vida, em todo ano de Mundial. Advogados, jornalistas, médicos, professores universitários, homens e mulheres. Há duas semanas a febre dos cromos recomeçou no Brasil e os ambientes de trabalho são tomados pelas cadernetas. Trata-se de uma infantilidade? Talvez. Mas será que não merecemos uma trégua dessa de vez em quando?

A vida, de um modo geral, é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Tudo é mais grave, tudo é mais severo. E, por aqui, parece que quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela. E essa não é uma despedida fácil. Talvez nem seja uma despedida justa.

Os assuntos que dominam uma mesa de jantar de adultos portugueses são: política, economia, vinho, filhos e trabalho. No último jantar que tive com amigos brasileiros em São Paulo (amigos esses que são advogados, promotores, empresários e gestores), debatíamos com gosto qual era o melhor filme da Disney e qual era o melhor filme da Pixar. Foi um grande embate de adultos embriagados. A maioria voltou pelo Rei Leão e por Toy Story, embora eu discorde.

Por lá, jogamos mais bola quando adultos. Dançamos mais em casa. Bebemos suco de fruta tanto quanto as crianças- intercalando com o vinho e a cerveja, graças a Deus. Fazemos piadas com a política, por mais séria que esteja a situação. Não abandonamos a infância de uma forma tão drástica. Talvez por isso consigamos nos manter mais alegres.

Mobilizei boa parte dos adultos do prédio onde tenho escritório no centro de Lisboa para que colecionassem os cromos da caderneta do mundial. Preciso ter com quem trocar as repetidas- e creio que não fica muito bem eu ir fazer isso na escola da minha enteada. Acho que vai ser bom para todo mundo. Merecemos que essa vida adulta não pese tanto sobre os nossos ombros.

Se algum outro adulto imaturo quiser me acompanhar nessa atitude leviana, adorarei trocar os cromos. Já tenho o Messi repetido. E o André Silva também. E confesso que também tenho uma vontade imensa de me permitir continuar sendo ser uma adulta não tão adulta quanto o mundo gostaria que eu fosse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Morte

Em que momento a dor de uma morte passa? /premium

Ruth Manus
16.005

Aprendi a nunca dizer “seja forte” para alguém que perdeu alguém que ama imensamente. A nunca dizer “siga em frente” para quem viu boa parte da vida perder o sentido. Aprendi a simplesmente abraçá-los

Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Crónica

Subsídio is coming /premium

José Diogo Quintela
392

Um gigante de olhos azuis montado num dragão zombie ainda tem laivos de verosimilhança. Agora o nível de pilhagem do erário público praticado por esta gente exige uma suspensão de descrença bem maior

Crónica

Quatro notícias obscuras /premium

Alberto Gonçalves
1.083

Aliás, podem fazer o que quiserem: esta não é apenas a geração mais informada de sempre, mas a mais ridícula. Se este é que é o tal “mundo melhor” das lengalengas, fiquem com ele.

Crónica

Agostinho da Silva /premium

André Abrantes Amaral

O homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. Ou como um miúdo de 15 anos conversou com alguém com mais de 80 sobre temas como o não termos nascido para trabalhar ou que a vida devia ser gratuita

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)