Crónica

É difícil ser adulto em Portugal

Autor
1.470

A vida é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Por isso, em Portugal, quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela.

Devo dizer que nunca tive muita facilidade com essa coisa de ter que ser adulta. Acho que simplesmente não tenho vocação, assim como não o tenho para o basquete e para a culinária. Mas devo dizer que era mais fácil ser adulta enquanto eu vivia no Brasil.

Não, não estou falando mal de Portugal- prefiro deixar claro- afinal, não me canso de dizer que amo essa terra. Até porque eu sigo sendo a mesma adulta falha que eu já era no Brasil. Não consegui melhorar muito. Mas aqui sinto, de fato, que estou destoando ainda mais do padrão.

Começo pela descoberta que fiz recentemente e que quase me provocou um desmaio: adultos portugueses não colecionam os cromos da caderneta do Mundial de Futebol (traduzindo para o português do Brasil: adultos portugueses não colecionam as figurinhas do álbum da Copa do Mundo).

Todos os amigos portugueses com quem comento isso ficam incrédulos quando eu digo que milhares de adultos brasileiros colecionam os cromos, felizes da vida, em todo ano de Mundial. Advogados, jornalistas, médicos, professores universitários, homens e mulheres. Há duas semanas a febre dos cromos recomeçou no Brasil e os ambientes de trabalho são tomados pelas cadernetas. Trata-se de uma infantilidade? Talvez. Mas será que não merecemos uma trégua dessa de vez em quando?

A vida, de um modo geral, é levada muito mais a sério pelos portugueses do que pelos brasileiros. Tudo é mais grave, tudo é mais severo. E, por aqui, parece que quando abandonamos a infância temos que abandonar tudo o que se relacionava com ela. E essa não é uma despedida fácil. Talvez nem seja uma despedida justa.

Os assuntos que dominam uma mesa de jantar de adultos portugueses são: política, economia, vinho, filhos e trabalho. No último jantar que tive com amigos brasileiros em São Paulo (amigos esses que são advogados, promotores, empresários e gestores), debatíamos com gosto qual era o melhor filme da Disney e qual era o melhor filme da Pixar. Foi um grande embate de adultos embriagados. A maioria voltou pelo Rei Leão e por Toy Story, embora eu discorde.

Por lá, jogamos mais bola quando adultos. Dançamos mais em casa. Bebemos suco de fruta tanto quanto as crianças- intercalando com o vinho e a cerveja, graças a Deus. Fazemos piadas com a política, por mais séria que esteja a situação. Não abandonamos a infância de uma forma tão drástica. Talvez por isso consigamos nos manter mais alegres.

Mobilizei boa parte dos adultos do prédio onde tenho escritório no centro de Lisboa para que colecionassem os cromos da caderneta do mundial. Preciso ter com quem trocar as repetidas- e creio que não fica muito bem eu ir fazer isso na escola da minha enteada. Acho que vai ser bom para todo mundo. Merecemos que essa vida adulta não pese tanto sobre os nossos ombros.

Se algum outro adulto imaturo quiser me acompanhar nessa atitude leviana, adorarei trocar os cromos. Já tenho o Messi repetido. E o André Silva também. E confesso que também tenho uma vontade imensa de me permitir continuar sendo ser uma adulta não tão adulta quanto o mundo gostaria que eu fosse.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Se eu pudesse ver a minha avó /premium

Ruth Manus
188

Atrás da tela do computador, os olhos avermelhados seguem clamando por uma trégua. O céu escureceu ainda mais. Hoje não vou vê-la. Mas fecharei os olhos por alguns minutos, sem contagem regressiva. 

Família

Em 2019 gaste mais tempo com seus pais /premium

Ruth Manus
6.349

As pessoas, cada vez mais focadas nos seus projetos - de beleza, de imagem, de status - ficam, a cada dia, mais egoístas. São elas e suas prioridade. O resto vem depois. Sucede que o resto são pessoas

Natal

Celebremos a data mais hipócrita do ano /premium

Ruth Manus
34.025

Vamos comer mais do que o necessário, beber até vomitar verdades que a nossa covardia esconde o ano inteiro. Vamos empurrar restos de comida para o lixo, enquanto rezamos pelos pobres. Vamos celebrar.

Crónica

Se eu pudesse ver a minha avó /premium

Ruth Manus
188

Atrás da tela do computador, os olhos avermelhados seguem clamando por uma trégua. O céu escureceu ainda mais. Hoje não vou vê-la. Mas fecharei os olhos por alguns minutos, sem contagem regressiva. 

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
2.011

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

Crónica

Os "influencers" ou o Portugal dos Pequeninos

António de Souza-Cardoso
414

Cristina Ferreira a Mulher mais influente do nação? Pedi, com incontida revolta, explicações. Que me foram dadas, julgo que com a paciente condescendência que se devota às pessoas achacadas pela idade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)