Saúde Pública

Esplanadas livres de fumo? Sim, é possível!

Autor
  • Hugo Pinto Gonçalves
1.048

Algo deve ser feito para proteger os fumadores, os não fumadores e especialmente as crianças. É aqui que temos de insistir: na defesa do não fumador, instituindo o conceito de esplanadas “smoke free".

Imagine o seguinte cenário: está um belo dia de Verão e decide ir a uma esplanada almoçar.

Deseja partilhar esse momento com a sua família e faz-se acompanhar da sua filha de dois anos e da sua mulher que está grávida.

Senta-se tranquilamente e eis senão quando repara que à sua volta várias pessoas estão a fumar.

Tem então duas hipóteses: esquece que a sua filha e a sua mulher grávida estão a aspirar aquele fumo e fica na esplanada a usufruir do Sol e do ar que deveria ser puro e de todos, ou decide ir para dentro do restaurante, preso num espaço fechado.

Existiria uma terceira possibilidade que seria o de mudar de mesa na esplanada. No entanto, a probabilidade de encontrar uma mesa livre de fumo é praticamente nula, isto porque as estatísticas apontam para que cerca de 25% da população portuguesa acima dos 15 anos seja fumadora.

Para abordar esta problemática, existem posições morais e legais a debater.

Sendo o tabaco uma mistura de químicos socialmente aceite, bem tolerado e sem riscos de abuso agudo, como acontece com o álcool, que direito existe de se restringir cada vez mais o seu uso e coartar a liberdade individual dos fumadores!?

Que direito existe de causar ansiedade e possível dependência de ansiolíticos aos fumadores que entrem em processo de desabituação tabágica, tantas e tantas vezes mal sucedido?

Mas temos do outro lado a criança, a grávida, o cidadão que também tem o direito de estar ao ar livre e raras vezes o consegue fazer de forma saudável.

Os números são claros, mas não têm sido suficientes para diminuir o número de fumadores, nem para proteger os não fumadores.

Os tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão são considerados a nível europeu como a 3ª causa de mortalidade. Em Portugal causam 4.000 óbitos por ano, o que os tornam as neoplasias com maior número de mortes. Calcula-se que estes tipos de cancros sejam responsáveis por um total de 19.380 anos de vida potenciais perdidos. Em 78% dos casos existe um factor causal confirmado que é o tabagismo.

A doença pulmonar obstrutiva crónica, anteriormente conhecida por bronquite ou enfisema, é também um grave problema a nível nacional. Calcula-se que a prevalência desta patologia seja de cerca de 14% nos adultos com mais de 40 anos, com um aumento de 20% no número de internamentos hospitalares nos últimos anos. Também aqui a associação com o tabagismo é directa.

Portanto, algo deve ser feito para proteger os fumadores, mas também os adultos não fumadores e especialmente as crianças. É aqui que deveremos insistir: na defesa do não fumador.

Assim, poderíamos instituir o conceito de esplanadas “smoke free”.

Numa fase inicial, até porque é proibido proibir, poderiam ser os espaços pertencentes ao Estado ou as Câmaras, tais como cafés com esplanada existentes em museus ou bibliotecas, a dinamizarem esta iniciativa. Nestes estabelecimentos não existiriam cinzeiros mas sim panfletos informativos do conceito, bem como informações sobre a forma de deixar de fumar, nomeadamente através de fármacos, que são agora comparticipados, e também das consultas de cessação tabágica que existem um pouco por todo o país.

Numa fase posterior o conceito seria alargado a qualquer estabelecimento. Estou certo que existirão clientes suficientes para os cafés e restaurantes ponderarem ser “smoke free” sem prejuízos económicos. Estes estabelecimentos poderiam ser isentados da taxa de ocupação das esplanadas. Esta taxa que é paga à Juntas de Freguesia teria de ser suportada pelo Estado central.

Tendo em conta a liberdade dos cidadãos, mas também tendo em conta a função do Estado como protector dos mesmos cidadãos, nomeadamente das crianças, gostaria de ver discutida esta proposta.

Médico

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)