As cores esmaecidas do Natal prolongam-se num fim-de-semana ameno que, simulando a sossega, ameaça ainda a latente agitação da Passagem do Ano.

Folheio o Expresso com a sonolência que resta à leitura morna de um jornal que o tempo tem feito arrefecer. Que expressa saudade por aquele jornal que nos conseguia tirar da cama…

Paro, curioso, em Diogo Ramada Curto. O título reluzente fala de Modernismo e Integralismo. Finalmente!, penso, na súbita brusquidão que aquele interesse inesperado me suscita. No primeiro parágrafo a revista parece querer falar comigo. Fala de coisas que eu acho que ficaram só no cadinho da minha Família. Amadeo, o expoente maior do nosso Modernismo, era Monárquico e Integralista!

Sempre me espantou este espanto – mas sempre sorri por pensar que poucos, como eu, sabiam da similitude cultural, conceptual e filosófica entre os dois Movimentos. O Orfeu como vanguarda de um Movimento cultural e artístico onde pontificavam Pessoa, Almada, Amadeo ou Santa Rita e a primeira geração de Integralistas, um movimento político de oposição à Primeira República onde se destacaram nomes como António Sardinha, Luís Almeida Braga, Alberto Monsaraz e José Pequito Rebelo.

Os dois Movimentos cresceram juntos, na mesma inquietude, irmanados na luta contra uma República obscena e castradora que criou, para o futuro, uma ética hipócrita e falsa, erguida no caos e na desgraça social.

Contra isto era preciso construir e Amadeo transcreve isso mesmo, cansado que está da decadência de soluções do “status quo” monárquico e, diz ele, da “república demolidora e infecta”.

Ramada Curto prossegue acutilante com Fernando Pessoa e deixa cair a tendência do poeta para o movimento fascista que ele, provavelmente, confunde com a ruralidade do nosso salazarismo. Talvez Ramada Curto quisesse falar de uma aspiração que parece transparecer da Mensagem, para um nacionalismo ávido de ordem, ou progresso, de civilização ou de Império. Pessoa é, isso sim, impelido a sair dele próprio para se desligar da anarquia voraz e fétida que fervia nas ruas. Fá-lo conscientemente, não fosse a Mensagem o único livro que quis publicar.

E é também conscientemente que Fernando Pessoa acompanha o Movimento Integralista tão desejoso de construção e de ruptura como o Movimento Modernista que o próprio ajudava a impulsionar.

Amadeo é, a partir de Manhufe, um pouco de tudo – como foi na sua vida fugaz. E, curiosamente, é também ele quem se empertiga para garantir a ligação mais evidente entre dois movimentos que só não eram do mesmo “bloco”, como diz Ramada Curto, porque acudiam a problemas diferentes, diversas que eram as motivações de cada um.

Interessante perceber neste fim de Ano propenso a balanços e confissões que a cultura, aquela que verdadeiramente se construiu no princípio do século com o nome seguro e universal de Modernismo, tinha na esfera política e social, um espelho progressista e construtivista concretizado no Movimento do Integralismo Lusitano. E que o Integralismo Lusitano foi a reacção possível de uma elite política de referência às misérias de uma república trauliteira exaurida de ideias, de sentido cívico ou de responsabilidade ética e social.

Tal como o Movimento Modernista Português começa a ser conhecido e enaltecido Mundo fora, fazendo emergir com desassombro figuras maiores da nossa história que não tiveram mais fulgor porque permaneceram amarradas ao atavismo cultural, político e social em que vivíamos, também o Integralismo há-de ter o tempo de redenção que merece.

Como um movimento político invulgar que, sem se contentar com a ordem estabelecida pelo Estado Novo, quis ser a corajosa alternativa de construção e de progresso ao desleixo e à desqualificação social prevalecentes – únicos resíduos de uma Primeira República que envergonha a História que temos e somos.

O que merece meditação neste texto ambíguo mas corajoso de João Ramada Curto é o cair de máscaras sobre a qualidade da nossa Primeira República. De facto, não foi Amadeo que abraçou um Movimento retrógrado, nem Pessoa que se colou a uma espécie de Fascismo à Portuguesa, foram os dois que, com o mesmo génio construtivo e criador, se quiseram resgatar do tempo pardacento em que viveram e não se dispensaram de voltar a sonhar num Portugal Maior.

Presidente da Causa Monárquica