A primeira escolha consciente da minha vida foi ser portista. Fiz e desfiz muitas outras desde então, mas essa ficará comigo para sempre. Continuo a gostar e a sofrer pelo Porto passados muitos anos, e talvez esteja pior com a idade. O Porto já me deu algumas desilusões, mas as alegrias superam, e muito, as tristezas. Como qualquer portista que se preze, detesto o Benfica. Detesto tudo o que o Benfica representa: a mania que se confundem com Portugal, as desculpas que dão quando perdem. Nunca ouvi um adepto do Benfica dar os parabéns a uma vitória do Porto, reconhecer que o Porto é superior. Quando perdem e o Porto ganha, é por causa dos árbitros, da fruta, e mais mil e uma coisas. Quando ganham os benfiquistas são os reis da arrogância. Quando perdem, queixam-se mais do que os sportinguistas. Não imaginam a quantidade de benfiquistas que conheço que “já não ligavam ao futebol” durante os anos do penta (e penta só há um, o do Porto e mais nenhum). Agora, são os maiores fanáticos do Benfica. Até a cor, aquele encarnado, é detestável. Não tenho carro há uns anos e alugo sempre que vou a Portugal. Na agência de aluguer, já sabem que só tenho uma condição: carros encarnados, nunca.

Este campeonato foi o que mais me custou perder. Tivemos sete pontos de avanço e quase 20 jornadas na frente do campeonato. Quem desperdiça isto tudo, não merece ser campeão. Pior, estando em primeiro lugar, perdemos com o Benfica no Dragão. Foi esse jogo que decidiu o campeonato. E já tínhamos perdido na Luz. Quem perde duas vezes com o Benfica, não merece ser campeão. Custa-me ver os responsáveis portistas, incluindo Pinto da Costa, desculparem-se com os árbitros. Não foram os erros dos árbitros a favor do Benfica que lhes deram o campeonato. Os árbitros também erraram a nosso favor. Em casa com o Guimarães, o primeiro golo do Porto foi em fora de jogo. Estivemos a ganhar dois a zero, e perdemos três a dois. Foi por causa de jogos desses que perdemos o campeonato. Podemos perder, mas não arranjemos desculpas. Isso é com o Sporting.

Custa muito, mas é a verdade: o Benfica mereceu ser campeão. Por isso dou os parabéns aos benfiquistas, e sobretudo aos meus amigos benfiquistas. Sendo um portista de Lisboa, tenho muitos. Mas além do reconhecimento de que o Benfica mereceu ser campeão, o pior de tudo é a confissão que se segue: admiro o trabalho que o Benfica está a fazer com a formação do futebol e a coragem que o clube mostra em apostar em jogadores com menos de 20 anos. Daí, o título desta crónica.

João Félix foi a grande figura deste campeonato (o Bruno Fernandes seria a outra escolha, mas o Benfica foi campeão e o Félix marcou em Alvalade e no Dragão). É daqueles jogadores que não engana. Será o melhor jogador português depois do Ronaldo. E onde jogou o João Félix entre os 11 e os 16 anos? No Porto. Como é possível perder um jogador como o Félix? Era pequeno? Era magro e fraco? Não gostava de ficar no banco? Por amor de Deus. Um clube com uma política desportiva a sério, não perde um jogador como o João Félix.

Mas o Porto, nos últimos anos, anda entretido a comprar dezenas de jogadores estrangeiros sem o mínimo de qualidade para jogar no Porto. Deve andar muita gente a ganhar dinheiro com esses negócios, mas a equipa do Porto não tem beneficiado nada com isso. Só com o Lopetegui, vieram uma série de jogadores espanhóis que nada deram à equipa. O Benfica foi campeão jogando todos os fins de semana com três jogadores com menos de 20 anos, o Félix, o Gérson e o Florentino. Além disso, tem uma dupla de defesas centrais com menos de 23 anos. Os teóricos do nosso futebol costumam dizer que os centrais têm que ser experientes e maduros. O Bruno Lage não acha e, pelos vistos, tem razão.

Mas o mais extraordinário é que o Porto tem uma grande formação no futebol. Tem jogadores jovens cheios de talento e este ano uma grande equipa de sub-19 que foi campeã europeia (daí a segunda parte do título da crónica). Irá o Porto apostar nesses jovens jogadores talentosos? Eis a questão fundamental para o futuro do Porto. Deixo um desejo: apostem nos jogadores que aprenderam a jogar futebol no Porto, que são portistas, que sofrem pelo Porto, que aprenderam a ganhar, em Portugal e na Europa, no Porto. Eles são o futuro do Porto.

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. E um último desejo: espero que o Sérgio Conceição continue no Porto. Um grande treinador e um grande portista.