Rádio Observador

Marketing

Marketing é filosofia. E da boa

Autor
  • Fernando Pinto Santos

O marketing é uma filosofia de gestão baseada num foco nos mercados e na criação de valor, surgiu como alternativa a uma filosofia centrada na produção e não orientada para os consumidores.

É comum encontrarmos o conceito de marketing espalhado pelos media e usado como sinónimo de muitas e diferentes coisas. Perspectivas que se encontram frequentemente igualam o marketing a publicidade ou a vendas, entre outros. Mas o marketing é muito mais do que isso. O marketing é uma filosofia de gestão: baseada num foco nos mercados e na criação de valor.

Uma filosofia de gestão tem que ser abrangente pois se só estiver focada em criar valor para a própria organização é uma gestão fechada em si mesma. Não tem uma visão do mundo, não tem uma visão de sociedade…  não tem uma perspectiva ampla de criação de valor. Não é uma gestão de marketing.

De uma forma simples, o marketing surgiu como uma alternativa a uma filosofia de gestão centrada na produção e não orientada para os consumidores e os mercados. Este tipo de gestão foi particularmente proeminente na revolução industrial. Em épocas em que havia escassez de oferta no mercado, a gestão focada na produção fazia sentido. Era preciso produzir mais e mais, e disponibilizar a oferta a um cada vez maior número de geografias e públicos.

A mudança impôs-se e com os mercados cada vez mais saturados de produtos e serviços, o marketing nasceu como uma forma pensada, planeada… estratégica de fazer a ligação entre a organização e os seus públicos. De trazer as perspectivas dos mercados para dentro das organizações, e assim melhorar continuamente a sua oferta. Este tipo de sensibilidade para com os mercados tem como objetivo criar diferentes tipos de valor, para além do valor estritamente funcional de um produto ou serviço. Assim, o marketing evoluiu como uma gestão baseada em ter os outros em consideração, de forma a proporcionar-lhes valor.

Deixo aqui apenas um exemplo do que pode ser a criação de valor nos mercados hiper-saturados, competitivos e globalizados dos dias de hoje. A Ideal & Co é uma pequena empresa portuguesa que vende mochilas e bolsas, um pouco por todo o mundo. Sedeada no Porto e fruto da visão de dois designers nacionais, a empresa oferece apenas produtos em pele de curtimenta 100% vegetal, manufacturados por artesãos na zona da Serras de Aires e Candeeiros. Assim, a Ideal & Co cria valor às pequenas oficinas e artesãos que produzem os seus produtos, ao pagar-lhes de forma justa. Contribui também para criar valor para a comunidade, ao preservar as tradições e conhecimento do que é genuinamente feito no nosso país.

Ao mesmo tempo, a empresa cria valor para os consumidores, que quando estão a comprar um dos seus produtos, estão a valorizar muito mais do que a simples funcionalidade de uma mochila ou bolsa. O design dos produtos que resulta da mistura entre passado e contemporaneidade, a qualidade das matérias-primas que são transformadas de forma ecológica e sustentável (e que proporcionam uma elevada durabilidade dos produtos), e a contribuição para o trabalho dos artesãos e para a continuidade da produção local e tradições, são exemplos de diferentes tipos de valor que a empresa oferece aos consumidores.

O papel do marketing nos dias de hoje continua a ser exatamente o que tem sido. Desperdício, poluição, insustentabilidade e injustiças estão, infelizmente, muito presentes nos nossos mercados atuais. Gerir com uma filosofia de marketing pode e deve ter em conta uma contribuição para a resolução dos problemas. Mas, claro: isso está sempre dependente dos gestores (de marketing) que temos. Se eles forem competentes, estarão atentos ao mercado. E, no mercado, muitos de nós queremos menos destes problemas, e não mais. É deste ciclo virtuoso que precisamos cada vez mais.

O marketing é uma filosofia – uma forma de ver o mundo – que considero boa. Claro que a filosofia e as ferramentas de marketing podem ser usadas com maus propósitos. Mas essa não é a natureza original do marketing enquanto filosofia de gestão. Ter os outros em consideração e ambicionar criar valor não só para nós mas também para os demais na sociedade – consumidores, parceiros, comunidades… – é uma postura intrinsecamente boa. E é nessa filosofia e nessa postura em que acredito enquanto professor e gestor de marketing.

Docente do IPAM e membro da letsthink.global

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Inovação

A energia dos millennials

Rui Assis

A geração millennial é exigente e quer conveniência, simplicidade e rapidez. Mas estarão as empresas preparadas para responder e conquistar esta geração de consumidores? Talvez ainda falte algo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)