Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

O que é que se passa com a nossa CGD?

Autor

Como o Estado somos todos nós, quer queiramos ou não teremos que “dar” à CGD vários mil milhões de euros! Em troca do quê? Do serviço público? Do crescimento económico? Ficamos à espera para ver...

Há três meses atrás escrevi aqui nesta coluna um texto sobre “a nossa velhinha CGD” e questionava se teríamos uma máquina secreta de fazer dinheiro, dado todo o aparente clima de otimismo em relação à restruturação que estava prestes a ser levada a cabo. O que é triste é que três meses passados ainda nos encontramos a falar da CGD. À falta de mais polémicas futebolísticas sobre o que se passa entre presidentes de clubes nos balneários (afinal cuspiu ou não cuspiu?), enfrentámos nas últimas semanas um turbilhão de polémicas sobre ordenados milionários, entrega (ou não) de declarações de rendimento e património ao tribunal constitucional, sigilo ou não sigilo dessas declarações, e aparentemente dúvidas se os seus administradores serão gestores públicos. Não consigo entender. E julgo que muitos outros milhões de Portugueses também não consigam entender. Como é que a gestão da CGD se tornou num amarfanhado enredo de diferentes problemas pessoais e individuais, digno de uma telenovela mexicana?

Em primeiro lugar, julgava até à data que num sistema democrático os cidadãos não se devem insurgir contra leis estabelecidas e aprovadas, tendo simplesmente que as respeitar. É tão simples quanto isso. E não é por se ter um ordenado mensal 60 vezes superior ao ordenado mínimo nacional que podemos criar leis próprias ou exigir que determinados documentos não sejam tornados públicos. Assim sendo, não consigo entender como é que sequer se deu azo a que houvesse uma imensidão de tinta (ou caracteres) gasta sobre este assunto.

Em segundo lugar, a gestão de um banco público, que constitui uma peça fundamental no sistema financeiro Português, não se pode cingir exclusivamente ao comportamento e salários da sua suposta dedicada (e profissional) administração. Durante estas últimas semanas muito se escreveu sobre os salários e suposto património de milhões que se desejava manter sigiloso, mas pouco se falou sobre decisões estratégicas, adequabilidade das decisões tomadas, grau de inovação das mesmas, ou definição de estratégias de crescimento e recuperação. Isso sim é relevante. A discussão sobre a CGD não se deveria nunca cingir aos caprichos pessoais da sua administração. O que é relevante neste momento é pensar como criar uma estabilidade governativa. É necessário pensar no que fazer para minimizar valor da recapitalização. E para isso temos que deixar de discutir estes disparates pessoais e temos que começar a gerir, planear e implementar. O sucesso da CGD depende da definição de estratégias sólidas de atuação.

Em terceiro lugar, apesar das declarações passadas do Sr. Primeiro Ministro de que a recapitalização da CGD não teria impacto no défice, parece que afinal esta exigirá do Estado vários mil milhões de euros. Acabámos de receber a notícia que a esquerda aprovou os 2,7 mil milhões de euros para a recapitalização da CGD. Sim, leu bem. Não são alguns milhões, são alguns MIL milhões! E como o Estado somos todos nós, significa que quer queiramos ou não, teremos que “dar” à CGD estes vários mil milhões de euros! Em troca do quê? Do serviço público dizem alguns, enquanto outros defendem que é agora que a CGD irá ajudar a estimular o crescimento económico. Ficamos todos pacientemente à espera para ver…

Professora da Católica Lisbon-School of Business and Economics

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eurogrupo

Dijsselbloem, o sr. das flores (com cardos)

Rita Coelho do Vale
100

As diferenças culturais entre países como a Holanda e Alemanha e os países do sul da Europa, como Portugal, Espanha ou Grécia, podem explicar o à vontade com que o Sr. Dijsselbloem disse o que disse.

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Televisão

Os novos gladiadores /premium

Laurinda Alves

Tal como na Roma antiga se juntavam multidões para incitar ver morrer gladiadores, também os espetadores do Jeremy Kyle Show gostavam de ter sangue todas as manhãs e de ver inocentes lançados às feras

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)