Filhos

O valor acrescentado do Bernardo

Autor
199

Para o comum dos mortais adoptar uma criança com apenas meio por cento de capacidades seria impensável, sobretudo tendo já 4 filhos menores em casa. Mas nem a Carmo nem o Rui tiveram medo de arriscar.

Ouvir um pai falar publicamente de um dos seus filhos e ficar com a voz embargada, sem palavras, por não saber como exprimir toda a sua gratidão pelo valor que este filho lhe acrescenta, é muito comovente e profundamente interpelador. Aconteceu na semana passada, perante uma plateia repleta de académicos e pensadores, alunos e professores, homens de negócios, sócios de grandes sociedades, directores, gestores e economistas estratégicos no mundo corporativo, mas também no universo das start-ups e organizações não governamentais.

Toda esta gente se reuniu ao fim da tarde no grande auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, no campus de Campolide, para o lançamento do Inclusive Community Forum – Center of Leadership for Impact, o novíssimo projecto que a Nova School of Business and Economics (Nova SBE)

abraçou com diversos parceiros. O auditório transbordou de tal maneira que havia pessoas sentadas em todos os degraus da longa e larga escadaria. A multidão impressionou pelo interesse na causa, traduzido ali no facto de cada um dos presentes ter atravessado a cidade debaixo de chuva torrencial, de forma a não falhar esse momento inaugural.

Rui Diniz, economista, consultor, ex director da McKinsey, actual Administrador da José de Mello Saúde e pai de 5 filhos, foi também o pai deste Inclusive Community Forum. Contou como tudo começou, e como o nascimento deste projecto cruza a sua história pessoal. Por duas vezes ficou sem palavras e sem conseguir sequer nomear o filho que adoptou e mudou toda a sua vida familiar e profissional.

Bernardo, o bebé que o casal Carmo e Rui adoptaram há 5 anos, tinha 3 anos quando lhes foi entregue e, nesse mesmo dia, tornaram-se pais de 5 filhos, dois deles exactamente da mesma idade. Acontece que entre estas duas crianças não existiam quaisquer semelhanças em matéria de desenvolvimento, uma vez que o Bernardo não via, não falava, não andava, tinha um grave atraso no desenvolvimento e tinha-lhe sido atribuída uma incapacidade de 99,5%.

Para o comum dos mortais, a possibilidade de adoptar uma criança com apenas meio por cento de capacidades seria impensável, sobretudo quando já existem 4 filhos menores em casa. Nem a Carmo nem o Rui tiveram medo de arriscar e deram o passo depois de um discernimento feito, primeiro em casal, e depois alargado à família. O Bernardo chegou a casa e nunca mais nada nem ninguém foi como era até ali. Um bebé que depende de todos, para tudo, altera imperativamente as rotinas, mas também muda para sempre a perspectiva com que se vive a vida.

Passados 5 anos, o Bernardo continua sem ver e pouco fala, mas já consegue andar com ajudas e apoios, e aos 8 anos é uma criança feliz e fácil que não deixa ninguém indiferente. A sua evolução e o quotidiano destes pais e destes filhos são uma história que fica a fazer eco nas nossas histórias.

–       Dizem que o valor acrescentado de crianças como o Bernardo é muito reduzido, mas eu pergunto: quem é que mais contribui para a sociedade? Os mais inteligentes? Os mais competentes? Os mais artistas? Os mais desportistas? Pois eu digo que o Bernardo muda o mundo e a sua força mobilizadora é de tal ordem, e tão extraordinária, que foi graças a ele que nasceu o Inclusive Community Forum – Center of Leadership for Impact.

Se isto não é contribuir para a sociedade e ter impacto real na comunidade, então ninguém sabe avaliar quem realmente importa e quem mais dá. Rui Diniz nunca diria isto que acabo de escrever, naturalmente, mas bastou ouvi-lo e ficar a conhecer melhor as circunstâncias que deram origem ao projecto inclusivo para perceber a medida do contributo de seres humanos como o Bernardo. Com toda a sua imperfeição, todas as suas incapacidades e limitações, é a ele que se deve uma iniciativa que ainda agora foi projectada, mas já deixa antever todo o alcance e potencial que encerra.

Daniel Traça, Director da Nova School of Business and Economics (Nova SBE), acredita que é na sala de aula das universidades e escolas que se aprende e treina a capacidade de criar projectos com impacto real na sociedade.

–       Todos os problemas são resolúveis se nós trouxermos ideias para os resolver!

Daniel Traça, juntamente com Pedro Santa-Clara e a imensa equipa que constitui a Nova SBE e a vai levar ao fabuloso novo campus de Carcavelos já a partir de Setembro, apostam em envolver a academia em projectos inclusivos porque sabem que não podemos ficar à espera que os universitários saiam das universidades para começarem a fazer a diferença no mundo real. É preciso formar alunos e activar neles, ainda enquanto estudantes, a mola interior que lhes permite darem saltos em altura e em comprimento através de iniciativas que promovem o desenvolvimento das comunidades.

Nesta lógica e com este sentido, o Inclusive Community Forum é uma forma de passar das teorias à prática, pois cada ano de existência deste Forum será dedicado a um tema específico que será investigado, analisado, estudado, estruturado e documentado de forma a chegar a resultados concretos e projectos inclusivos que podem ser replicados e escalados.

Neste primeiro ano o tema é a empregabilidade das pessoas com deficiência e o desafio é identificar barreiras a esta mesma empregabilidade, tentando perceber porque é que, por um lado, não existem mais empresas abertas à contratação de pessoas com deficiência e, por outro, porque é que estas mesmas pessoas e as suas famílias também não procuram activamente entrar no mercado de trabalho.

Claro que uma coisa vai com a outra, mas é importante identificar obstáculos e desafiar as organizações e instituições a porem todo o seu potencial ao serviço da comunidade, nomeadamente valorizando os talentos e competências das pessoas que por serem portadoras de deficiência vivem numa lógica de superação diária. As provações por que passam dia após dia dão-lhes um endurance e uma capacidade de se transcenderem que muitos outros, sem qualquer handicap, não têm. E esta atitude de superação merece ser validada e posta ao serviço, seja em empresas grandes ou pequenas.

Finalmente, o Inclusive Community Forum – Center of Leadership for Impact também foi criado para fazer uma cartografia afinada de boas soluções. Existe para isto mesmo: para identificar barreiras e coleccionar boas práticas de forma a poder analisar umas e outras, trabalhar sobre elas e resolver questões concretas que se põem às pessoas com deficiência, às suas famílias e cuidadores.

Nada é mais angustiante para um pai ou uma mãe de um filho com deficiência do que a certeza da sua própria morte, pois a sobrevida dos filhos e os anos que hão-de viver sem o seu apoio e a sua protecção levanta terríveis interrogações. Saber quem vai cuidar deles, quem os vai acompanhar, de que poderão viver e qual o grau de autonomia a que poderão chegar são interrogações radicalmente importantes para estes pais, mas também para todos nós.

Quanto maior e melhor for a empregabilidade destas pessoas, mais autónomos e mais realizados serão. Sobre isto não restam dúvidas. E termino com outro testemunho que também nos embargou a voz e deixou comovidos. Foi dado por Inês Oom de Sousa, Adminstradora do Santander que conta com vários profissionais com deficiência nas suas equipas.

–       Conheço a alegria com que entram no trabalho pela manhã e sei a importância que a sua realização profissional tem para cada um deles.

São extraordinariamente competentes e vejo-os chegar muito cedo, acompanhados das mães, dos pais ou de outros cuidadores, e lembro-me de uma desta pessoas me ter contado no primeiro dia na empresa que acordou de madrugada, em sobressalto, por não querer chegar depois da hora. O entusiasmo era tal que acordou o irmão e a casa toda com esse mesmo argumento: eu sei que é muito cedo, mas é melhor irmos andando porque não quero chegar atrasada ao trabalho!

Até hoje esta pessoa nunca chegou atrasada ao trabalho, mas nós ainda corremos muitas vezes o risco de acordar demasiado tarde para uma realidade que é nossa, de todos. Graças ao Bernardo, aos seus pais, a quem os conhece e apoia o Inclusive Community Forum, temos agora este comboio rápido para apanhar e chegar a horas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Internet

Bye bye, Dr. Google! /premium

Laurinda Alves
431

Todos nós procuramos cada vez mais respostas na net, seja para dúvidas médicas ou outras, daí a ideia de criar uma Pedipedia online que abordasse correctamente um largo espetro de doenças pediátricas.

Filhos

O dia dos anos de um filho /premium

Laurinda Alves
3.127

Cada família é uma nação, e uma nação com território próprio, numa geografia que encerra relações de vizinhança, fronteiras e regras, códigos de conduta e valores que são absolutamente singulares.

Filhos

She for he? /premium

Luís Aguiar-Conraria
3.479

Atacar os homens que defendem a guarda alternada dizendo que o que pretendem é "não pagar pensão de alimentos e infernizar a vida das crianças e das mães” é alimentar o ódio e o preconceito de género.

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)