Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É preciso dizer sempre aquilo que se vê; sobretudo, e isso é o mais difícil, é preciso ver sempre aquilo que se vê.
Le Corbusier, arquiteto, designer e urbanista

Todos sabemos que em anos de eleições autárquicas as cidades e vilas do país passam por sucessivas operações de cosmética. Muitos dos autarcas que querem fazer boa figura e ser reeleitos guardam-se para o fim dos mandatos e, no derradeiro tempo útil que têm antes de voltarem a ser escrutinados pelos seus munícipes, desatam a fazer obras que se vejam. Muitas obras e muito rápidas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.