Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A compaixão salva vidas e alguns dos grandes mestres da compaixão passam quase todo o seu tempo à cabeceira de doentes e pessoas muito frágeis, em hospitais e clínicas, lares e casas de família. Enfermeiras e enfermeiros de todas as idades e origens são capazes de resgatar muita gente do seu sofrimento quando se entregam de alma e coração à missão.

Impressiona ver o poder de um gesto, o efeito pacificador de um olhar ou do toque, o impacto de algumas palavras em doentes crónicos e agudos, em pessoas no auge da sua fragilidade, em vítimas de acidentes ou de doença súbita. Muitos filmes e séries de televisão se têm feito a partir de testemunhos reais, de factos históricos, de tempos de guerra em que os soldados que combatem na frente de batalha contam com outro exército na retaguarda: o dos médicos, enfermeiros, terapeutas e cuidadores.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.