Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

Na semana passada, enquanto assistia ao debate parlamentar, o país teve uma sensação de semi-déjà vu. O déjà vu foi incompleto porque embora seja costume ver António Costa a ser grosseiro com deputados, não é habitual que a má criação seja dirigida a outra pessoa que não Assunção Cristas. A lembrança de que o CDS já não é dirigido por alguém com arcaboiço político foi um prenúncio do que se iria passar no fim-de-semana, com o Conselho Nacional do partido e com a candidatura de Nuno Melo. Percebeu-se que, neste momento, não há no CDS ninguém com capacidade para sequer irritar o Primeiro-Ministro. Por outro lado, há várias pessoas capazes de se irritarem umas às outras.

Segundo os relatos, a discussão foi muito intensa, com acusações e desmentidos de parte a parte. O que é surpreendente: como é que uma assembleia com número reduzido de participantes consegue ter tantas versões? Compreende-se que as relações entre as principais figuras do CDS estejam tão frias. Para quem já preparou carpaccio, faz todo o sentido: a melhor maneira de se fatiar a carne é congelá-lo antes. Consegue-se que as fatias fiquem translúcidas. O frio é essencial.

A luta política propriamente dita continua acirrada. No Conselho Nacional sobressaíram duas facções. A de João Almeida, que se queixa do tom taberneiro de Francisco Rodrigues dos Santos – é a facção pouco barulho – e a de Francisco Rodrigues dos Santos, que se queixa das aldrabices de João Almeida – é a facção de conta. No calor da refrega, Rodrigues dos Santos deu uma bofetada de luva branca a quem o acusa de ser muito novo e sem profundidade política: chamou Calimero a João Almeida, mostrando que pode ser jovem, mas tem referências dos anos 80. Referências no âmbito dos desenhos animados, mas já não é mau.

Parecia que o hino do CDS tinha sido actualizado e em vez de “Para a voz de Portugal ser maior/junta a tua voz à nossa voz/e vamos cantando”, agora se cantasse “junta a tua voz à nossa voz/e vamos berrando”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma das principais queixas dos opositores de Chicão tem a ver com a data do congresso. Dizem que é muito próxima, não deixa tempo para preparar nada. Julgo que têm razão. A marcação apressada do congresso vai provocar uma corrida à Zara para adquirir calças bege, que podem esgotar. Por causa desta manigância, é provável que haja militantes a ficarem de fora por não conseguirem ter a farda completa.

Por outro lado, tendo a concordar com Rodrigues dos Santos. Quanto mais tempo se esperar, maior a hipótese de, chegada a data de escolher o líder do CDS, já não haver CDS para liderar.

Num partido normal, as críticas à data do congresso fariam sentido. É preciso tempo para marcar o local e tratar da organização, tempo para os candidatos se prepararem. Só que trata-se do CDS. Para um congresso dos centristas vai-se ao Airbnb alugar uma casa onde caibam os congressistas, no Continente Online compram-se umas águas e refrigerantes, cria-se um grupo no WhatsApp para os candidatos falarem com os militantes, e está feito. Não é uma façanha logística. O vice-almirante Gouveia e Melo coordenava isso numa manhã.

Entretanto, Nuno Melo está indignado porque a data escolhida é a mesma do congresso do Chega. Em princípio, essa preocupação indica que, se Nuno Melo ganhar, o CDS vai disputar o eleitorado que André Ventura já cativou. O que não tem lógica, se pensarmos que em Portugal não há ciganos suficientes para alimentar dois partidos xenófobos. A não ser que Nuno Melo arranje ciganos de contrafacção. Uma espécie de ciganos dos ciganos. Agora, se quiser concorrer onde Ventura já está estabelecido, Nuno Melo arrisca-se a transformar o CDS, não no Chega, mas no Chega Tarde.

Apesar disso, ganhe quem ganhar, parece-me que o CDS está irremediavelmente a caminho de voltar a ser conhecido como o partido do táxi. Só que, desta vez, não será porque um táxi basta para o grupo parlamentar, será porque um táxi basta para todo o seu eleitorado.