PSD

Porque é que Rui Rio ganhou e vai perder /premium

Autor
332

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008).

A arte da política portuguesa, que é também a da “politologia” nacional, consiste invariavelmente em reduzir todos os movimentos e confrontos a questões de secretaria e de protocolo (a “guerra jurídica”). Não podia, por isso, ter sido de outra maneira com o conselho nacional extraordinário do PSD. Mas talvez valha a pena ir além da análise dos estatutos ou do reality show das reconciliações e das zangas.

Porque é que Rui Rio ganhou? Em 2015, muitos julgaram que a política portuguesa mudara. Finalmente, o “arco da governação” teria sido substituído por uma bipolarização entre direitas e esquerdas. Acontece que António Costa, nos anos seguintes, não satisfez a agenda das oposições ao ajustamento. Ninguém esperava que saísse do euro. Mas também não renegociou a dívida, respeitou o pacto orçamental, e fez cativações. Isso acabou por convencer muita gente de que a geringonça, afinal, não seria mais do que um arranjo parlamentar de circunstância. É essa a justificação de Rui Rio para dar ao PS as razões necessárias para trocar o PCP pelo PSD, com a esperança de que a companhia socialista ajude a dissipar o enxofre que se colou ao PSD sob a troika. A ideia ainda parece vencer no conselho nacional.

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa, em 2015, pode não ter resultado num governo de esquerda, mas resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008). Já não estamos em 1980, quando PS e PSD tinham um inimigo comum, o PCP, nem em 1995, no tempo da “Terceira Via”. O ódio à “direita”, de um lado, e o nojo à “esquerda”, do outro, são agora o ânimo principal de cada uma das tribos. É por essa razão, aliás, que o PS receou durante muito tempo ser ultrapassado por um Syriza ou um Podemos. Rui Rio não deu por isso, ou, se deu, não imaginou que pudesse estar ele próprio ameaçado à direita, se por acaso decidisse repetir a velha rábula do “PSD é um partido de centro-esquerda”. Não, Portugal não tem “populistas”, mas tem muita gente que espera do PSD combatividade contra o PS. Não é todo o eleitorado, mas é capaz de criar um ambiente. Nenhuma votação do conselho nacional, nem mesmo um abraço de Luís Filipe Meneses resolverão esse problema.

Rui Rio não está à vontade. António Costa também não: como fazer corresponder uma verdadeira alternância governativa à tribalização política? Não é uma dificuldade exclusiva da geringonça. Se Costa teve de fazer cativações para equilibrar o défice, o anterior governo PSD-CDS, apertado pelo ajustamento, teve de aumentar impostos. Os constrangimentos financeiros de um país endividado, mais do que as regras europeias, impedem tanto a política de Hayek como a de Keynes. Ou seja, em Portugal, a política é hoje essencialmente dinamizada pela “diferença” e pela “indignação”, mas ninguém sabe muito bem como traduzir isso em termos de governo. Costa está a tentar ultrapassar a dificuldade através da clientelização do Estado. Rio aplica a mesma receita à pequena escala do partido, usando as “listas” eleitorais. Chegará? Ontem, já só chegou para 59% do conselho nacional.

Que poderá sair de tudo isto? Talvez um maior distanciamento entre os dirigentes e os activistas. Irá esse distanciamento, à direita, alimentar a proliferação de partidos ou simplesmente a abstenção? É verdade: o protagonista certo pode compensar muitas insuficiências. Para animar os que desesperam das sondagens, Rui Rio invocou Mário Soares em 1985. Não sei se alguém já lhe disse, mas aqui fica: Dr. Rio, o senhor não é Mário Soares

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
344

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Eleições

O que há para ver já vimos /premium

Rui Ramos
280

Rui Rio vai voltar a querer acordos com o PS depois das eleições, e António Costa vai querer voltar à geringonça. Com tais líderes políticos, não veremos nada de novo nos próximos anos. 

Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)