Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

À medida que os déspotas prolongam os seus mandatos até que “Deus os chame”, os seus discursos tornam-se cada vez mais delirantes, distantes da realidade, mas incentivados por uma corte deles dependente. Foi assim com Lenine, com Salazar e é cada vez mais assim com o presidente russo, Vladimir Putin.

No dia 20 de Maio, numa reunião do comité organizativo “Vitória”, uma das muitas instituições criadas para despertar o “patrioteirismo” no país, Putin prometeu “partir os dentes a quem quiser tirar à dentada a Sibéria da Rússia”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.