Conflito na Ucrânia

Quem combate ao lado dos separatistas russos na Ucrânia?

Autor
187

Rafael Lusvarghi, auto-intitula-se de “cossaco brasileiro” e é apresentado como um homem de convicções de esquerda que decidiu ir para o Leste da Ucrânia combater o “nazi-fascismo”

A chegada ao poder dos “nazis” e “fascistas” em Kiev foi e continua a ser um dos argumentos principais do Kremlin para justificar a anexação da Crimeia e o apoio militar aos separatistas do Leste da Ucrânia, tentando passar a ideia de que repete aquilo que fizeram as tropas soviéticas quando combateram contra Hitler entre 1941 e 1945.

É verdade que entre as forças que derrubaram Victor Ianukovitch do poder havia formas da extrema-direita ucraniana e que muitos dos seus militantes combate contra os separatistas pró-russos e militares russos em Donetsk e Lugansk, mas isso é apenas uma pequena parte da verdade.

A propaganda nacionalista do actual regime russo esconde, por exemplo, que, nas urnas, os partidos de extrema-direita ucranianos tiveram votações muito baixas e poucos deputados elegeram para o Parlamento.

O Kremlin também não gosta de apregoar que entre os separatistas pró-russos estão nacionalistas russos e neo-nazis de vários países, incluindo do Brasil, França, Sérvia, etc.

Um destes é o brasileiro: Rafael Lusvarghi, auto-intitula-se de “cossaco brasileiro” e já foi herói de um dos principais canais de televisão russa “Rossia 1”, onde é apresentado como um homem de convicções de esquerda que decidiu ir para o Leste da Ucrânia combater o “nazi-fascismo”. Rafael combate sob o comando de Babai (Papão), que diz ser “procurado” na Rússia por “tentativa de homicídio”.

Segundo a reportagem, Rafael era polícia e “andava à caça de traficantes de droga”, depois prestou dois anos de serviço militar na Legião de Honra de França, “por isso para ele não é difícil manejar uma Kalashnikov”.

“Kalashnikov é a arma da revolução!”, afirma Rafael, sorrindo para a câmara.

“Adepto de ideias de esquerda, continua o repórter, Rafael envolvia-se em confrontos com a polícia… Esteve mesmo preso durante mês e meio porque alegadamente foi para uma manifestação não com garrafas de chocolate na mão, mas com cocktails Molotov”.

Mas se consultarmos a página do Facebook deste “revolucionário brasileiro”, que diz ter recebido a cidadania russa e lutar pela “Fé, Czar e Pátria”, deparamos com as suas verdadeiras ideias.

“Em conformidade com as leis da natureza, não há nada de mais correcto do que a conservação da raça”, escreve ele em inglês por cima de uma foto decorada com símbolos dos nacionalistas russos que fazem lembrar as cruzes gamadas nazis.

Mas, para que não restem dúvidas, Rafael escreve noutro post em português: “Apesar das minhas posições políticas socialistas pouco ortodoxas ou populares, luto aqui exclusivamente pela Grande e Sagrada Mãe Rússia, sua glória e pela minha raça eslava. Não há limites para o que estou pronto a fazer para destruir a decadência ocidental e todos que se opuserem a glória russa. O ocidente quando atingiu o fundo do poço dos desvalores humanos pegou uma pá e começou a cavar, esse inimigo espalha sua doença de pederastas, fracos e coitados por tudo onde toca. Mas nas nossas terras não! Nós somos os fortes, e o mundo pertence aos fortes! Combateremos até a morte, mesmo se toda esperança já tiver acabado, até o fim a qualquer preço. Sangue e Honra!”.

Segundo conseguimos apurar, este “revolucionário” não é o único brasileiro que combate do lado dos separatistas pró-russos. “Há cerca de duas semanas, chegaram ao Leste da Ucrânia mais três voluntários brasileiros”.

P.S. Alexandre Zakhartchenko, líder dos separatistas russos em Donetsk, anunciou um ataque contra a cidade ucraniana de Mariupol, tendo o anúncio sido precedido de um ataque de artilharia que matou pelo menos 21 e feriu 68 pessoas. A invasão da Ucrânia vai continuar.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)