Eleições Europeias

Querida Europa…

Autor
  • Inês Pina
120

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Quem te escreve é uma jovem portuguesa, daquele país que se dizia que não se governa nem se deixa governar. Hoje percebe-se porquê. Somos preguiçosos e temos vidas para além desta coisa a que chamam política. Somos a “ocidental praia Lusitana” e para manter a nossa fama temos de encher os areais, não vá alguém roubar-nos o título, por termos ido, imagine-se, votar!

Contudo, eu escrevo-te, porque te quero pedir desculpa. Somos 10 milhões e 700 mil a votar, mas olha 68,6% destes tinham afazeres importantes, não podíamos tirar cinco minutos para votar! Sim, eu demorei apenas 5 minutos a cumprir a minha obrigação. Vá, com as deslocações talvez seja justo falar em 15 minutos do meu dia. Não fui para a praia, porque sou do interior do país, mas fui dar um passeio que aqui também há coisas bonitas para ver e fazer.

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Ouve-se dizer que nós não votamos porque somos desligados. Porém nós gostamos da Europa. A sério. Se houver fundos para a nossa ferrovia, (que é coisa que precisamos melhorar) nós somos todos ouvidos! Até achamos mal que os londrinos queiram sair desta comunidade fantástica que nos dá uns valentes milhões.

Sabes, se tivessem juntado as outras eleições a estas, como fez a Espanha, talvez tivesse corrido melhor. Que nós somos gente despachadinha e, que quem põe uma cruz põe duas, mesmo que em papéis diferentes. Aliás ainda bem que é só colocar uma cruz, porque assim como assim, nem sabemos os nomes dos eurodeputados, nem o que fazem. Aparentemente, ouvimos falar que o parlamento europeu tem apenas, funções legislativas para TODOS, decide sobre acordos internacionais, decide se alargamos ou não…. Se acharmos mal a Turquia ser abrangida pelos fundos chorudos, nem se manifestem, pois não votaram! Ah e depois tem poder de supervisão até sobre o Banco Central Europeu…o que lhe dá também poder orçamental. Portanto aspetos que mexem pouco com o nosso quotidiano, isso é para burocratas!

Por falar em juntar eleições, acho que foi isso que nos nossos candidatos fizeram. Colaram a campanha das eleições europeias às próximas. Uma espécie de antecâmara para as legislativas. Um aquecimento. Conclusão o que se reteve foi: uns a pedirem cartões vermelhos, outros a pedirem moções de confianças. Pelo meio, fizerem uma novela com os professores e olha lá ganhou o PS. Assim como assim, se calhar nem nos chateavam em outubro!

Cara Europa, não foi má vontade política, claro está, que os senhores fizeram o que podiam. Almoços, bonés, arruadas. Até facilitaram o antecipar do voto, eliminaram o velhinho cartão de eleitor, agora até com a carta de condução se pode votar. Ah e em Évora (se menos apressados, devia correr melhor) colocaram o projeto piloto do voto eletrónico. Foi só mesmo, um lazy Sunday!

Porém repara, minha grande amiga, nós não elegemos extrema-direita ao contrário da França, nem deixamos que a mesma ficasse em quatro lugar como a Alemanha. Por isso, olha, cumprimos o mínimo. Até porque sabes que temos sido os bons alunos nos últimos tempos. Sempre fizemos os trabalhos de casa sem questionar muito.

Por falar em trabalhos de casa, tu agora tens alguns para fazer. O teu Centro Direita perdeu quase 40 lugares, tal como os Socialistas Democratas, que perdem 34 deputados. Por isso, agora tens de pôr nova malta a fazer novos acordos. É que a extrema direita cresceu e é malta que não acredita no teu potencial, mas querem o teu ordenado, ou então querem minar-te por dentro… ainda estamos para perceber! Nem tudo é mau. Tens novos alunos que são mais verdes, estão aí por uma causa maior…pela nossa casa. Sabes, são novas forças políticas que cada vez mais conquistam novos participantes. Em calhando estamos mesmo todos fartos dos burocratas e queremos mesmo defesa de causas, como o ambiente, a qualidade de vida, a imigração, pronto, temas que sejam maiores que as fronteiras e as tricas partidárias. Afinal somos uma comunidade!

Eu, acredito em ti. Não pertenço aos velhos adamastores que dizem que estás moribunda. Nós estamos a matar-te com esta pouca participação. E a culpa é toda nossa. Por isso desculpa! Mas tu sabes o que ainda tens para nos dar e soubéssemos nós explorar o teu real potencial e hoje estávamos a viver no nosso auge, mas muitos dos que te conduzem querem apenas que estejas a meio gás. Já te deveriam ter colocado na vanguarda da revolução ecológica, aquela que todos têm empurrado com a barriga, já te deviam ter elevado a uma forma de vida, mas de quando em quando vêm falar em fronteiras e tu tens de te retrair.

Desculpa, lá. Tem paciência connosco, daqui a cinco anos vamos tentar mudar, pode ser?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)