Rádio Observador

Demografia

Suicídio Demográfico: É preciso reverter a obsessão antinatalista

Autor
  • Fernando Maymone Martins
1.351

São indispensáveis apoios à mulher grávida, bem como às famílias numerosas e é necessário remover a facilitação do aborto. É preciso reverter a obsessão antinatalista. Não é uma questão menor.

Portugal anda de novo preocupado com a insustentabilidade das pensões. O quadro que se perfila no horizonte é negro. Para além disso, todos reconhecem sem dificuldade que o problema é indissociável da enorme queda da natalidade registada nas últimas décadas. Todavia, a inteligência nacional não é capaz de notar que, desde 2007, o aborto riscou do mapa cidades inteiras.

O tema deve ser encarado de frente e a legislação deve ser alterada. É asfixiante o silêncio que se abateu – contra toda a evidência – sobre a questão do aborto e a sua relação inequívoca com a questão populacional.

Recentemente o Público juntava em páginas contíguas as maravilhas da medicina nacional, que conseguia trazer à luz do dia um bebé nascido de uma mãe em morte cerebral com aprovação ética geral, e a notícia de que em 2018 se verificara uma redução no número de abortos voluntários para algo mais do que 15.000 (uma cifra já andou perto de 20.000 em anos anteriores), Não é difícil calcular que foram eliminadas desde então mais de 170.000 crianças. Qualquer coisa como a população de uma cidade como Almada, ou Setúbal. Crianças que teriam hoje entre zero e 12 anos. Tendo em conta que o número anual de nados vivos em Portugal tem sido de cerca de 85.000, o desastre é de vinte por cento das gravidezes. Uma hecatombe!

A alteração da lei do aborto poderá não chegar para resolver o problema deste suicídio demográfico. Mas não será a imigração que o vai resolver.

O Rei antinatalista vai, obviamente, nu! A lei da interrupção voluntária da gravidez precisa de ser alterada e removida a facilitação que foi atribuída a esta prática, apoiada com os recursos dos contribuintes.

As famílias numerosas devem ser apoiadas. Têm que ser ampliados os magros incentivos actuais, designadamente com benefícios fiscais e um estatuto favorável em áreas fundamentais como o acesso à habitação, os consumos de água, electricidade, gás, etc.

No rescaldo do referendo de 2007 ganho pelo sim (mas não vinculativo, tal como o de 1998 – ganho pelo não) a regulamentação do governo do primeiro ministro José Sócrates excedeu-se em promover, mais do que em despenalizar, a prática do aborto. À mulher grávida não é sequer mostrada a ecografia do bebé, não vá ela reconsiderar e arrepender-se de levar a decisão por diante.

O que todos entendiam ser um mal que seria “apenas” despenalizado, ganhou foros de direito inalienável. Só a menção de que a legislação em vigor deve ser aletrada leva os apoiantes do aborto a rasgar as vestes. Mas não se verte uma lágrima pelas crianças eliminadas, nem pelo país que fica sem elas. Muito menos pelas chagas que ficam abertas no coração das mães que, no silêncio, sabem que eram seus filhos.

Causas como esta mostram bem que as fracturas civilizacionais radicais, frequentemente tratadas como apêndices laterais relativamente aos “grandes” temas económico-financeiros, são na realidade questões estruturantes da nossa vida social. São parte essencial das políticas públicas, como fica claro com o problema das pensões, do envelhecimento populacional e da regressão demográfica.

São indispensáveis apoios à mulher grávida, bem como às famílias numerosas e é necessário remover a facilitação do aborto. É preciso reverter a obsessão antinatalista. Não é uma questão menor, nem partidária. É uma questão nacional.

Médico

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)