Logo Observador
Nostalgia

12 grandes momentos do Crime na Pensão Estrelinha

324

Há 25 anos, os portugueses ficaram colados ao especial de fim de ano da RTP, que Herman José considera ser o programa da sua vida. Recorde connosco os melhores momentos de Crime na Pensão Estrelinha.

O detetive Hércules Pirô é um dos melhores sketches do programa que marcou a passagem de ano de 1990 para 1991.

DR

Comecemos por um pouco de contexto. Após a interrupção de Humor de Perdição, em 1988, o verdadeiro artista volta-se para a rádio, com uma rubrica diária na TSF, onde faz nascer personagens como a conselheira sentimental Ivete Marise ou o repórter queque Bernardo Teixeira da Cunha. Em 1990, volta em grande à antena da televisão pública, com a apresentação do concurso A Roda da Sorte e os 13 episódios de Casino Royal, cujo elenco transita quase por inteiro (a ele se somando Canto e Castro) para o especial de fim de ano encomendado pela RTP, que foi escrito por Herman José em apenas quatro dias.

Nas suas duas horas e meia, Crime na Pensão Estrelinha saltita entre dois planos. Por um lado, a trama passada na pensão Estrelinha em torno da morte de Neves, o dono odiado por todas as restantes personagens, cada uma com o seu motivo para o querer ver pelas costas. Ao mesmo tempo, na pensão, assiste-se ao programa de variedades “Adeus 90, Olá 91”, apresentado por Serafim Saudade e entrecortado por sketches que revisitam os acontecimentos do ano de 1990, muitos deles repescados das crónicas de Herman na TSF.

A Time Out Lisboa editou há uns anos o DVD deste programa de culto, que inclui uma entrevista feita por João Miguel Tavares a Herman José. O autor não esconde o orgulho que sente por esta sua criação, que foi uma espécie de “tese de mestrado” como escritor de humor: “Foi a primeira vez que um programa de réveillon fez história”, segundo o mestre.

O Observador reviu com gosto este concentrado de humor, cuja exibição completa hoje 25 anos, e escolheu 12 aspetos — um por cada badalada da meia-noite — que ilustram a sua genialidade. Divirta-se com os vídeos.

1. Os suspeitos do crime

Herman representa o detetive Hércules Pirô, chamado para desvendar quem matou Neves (Canto e Castro), o odioso dono da pensão Estrelinha, na noite da passagem de ano. José Pedro Gomes é um militante de esquerda, que namora com uma dentista brasileira, interpretada por uma novíssima Rita Blanco. Vítor de Sousa é um bancário responsável por um desfalque no seu banco, a “Velha Rede”, e casado com uma mulher do Porto (Ana Bola). São José Lapa faz de atriz muito dramática e Maria Vieira é Estrelinha, a dona original da pensão, que a perdeu para Neves. Destaque também para Nuno Melo, o ator que morreu em junho deste ano, e que aqui faz de filho de Neves, que mantém um romance com a sua madrasta (Lídia Franco). A trama da pensão valeria como um programa autónomo, com um excelente cruzamento de diálogos e provocações entre as personagens.

2. Canções sobre os candidatos às Presidenciais

Há 25 anos, Portugal estava igualmente em vésperas de eleições presidenciais. Herman aproveitou o pretexto para dedicar uma canção a cada um dos candidatos: Mário Soares (“Marinho dos Olhos Doces”, a partir do original de Carlos Mendes), Basílio Horta (“Sempre que o país me quiser”, baseado no êxito de Lena d’Água), Carlos Carvalhas (versão de “Porto Sentido”, de Rui Veloso) e Maria Santos (versão de “Morena, Morenita”, de Marco Paulo). Curiosamente, a candidatura de Maria Santos acabou por não avançar e o candidato Carlos Marques, da UDP, não teve direito a canção.

3. “Adérito, volta que estás aperdoado”

Ivette Marise é uma das personagens nascidas no éter da TSF. A esthéticien de Serpa destaca em 1990 a doença das vacas loucas e não esconde as saudades que sente do seu namorado Adérito.

4. Maximiana

A mais famosa e estridente habitante da Merdaleja também é convidada a fazer o seu balanço de 1990, com um burro como pano de fundo.

José Pedro Gomes: – Maximiana, nós estávamos já há muito tempo com saudades suas…
Maximiana: – Eu também. Eu também estava há muito tempo com saudades minhas, mas agora já me estou a ver ali no monitor e estou a gostar, estou com umas lindas cores.

5. “A malta é jovem”

Vítor de Sousa entrevista Zé Chunga, para saber como é que “um jovem” vive a passagem de ano. A frase virou bordão para desculpar os excessos da juventude.

6. O Trevo da Morte

Esta paródia aos concursos que pululavam na televisão daquela época é o sketch preferido de Herman. O castigo para os concorrentes que não soubessem responder a perguntas tão simples como “quanto pesa a crosta da Terra?” ou “quantas páginas tem a lista telefónica da Nova Zelândia?” era um tiro, neste concurso onde “morrer e quinar é o que está a dar”. O apresentador foi inspirado em António Sala.

7. Felizberto Lalande

O presidente da “Associação Daqueles Que Não Sabem Dizer os L” dá uma entrevista a Vítor de Sousa, onde uamenta a sua triste sina: trabalha nos lanifícios, toca balalaica, dorme num beliche, joga futebol de salão à baliza, gosta de ver filmes da Gina Lollobrigida e o “Alô, Alô”, o que é muito azar junto para quem não consegue pronunciar a letra L.

8. Tranatranita

Às 12 badaladas, bebe-se champanhe na pensão Estrelinha. Mas o copo de Neves, o tal dono que todos queriam ver morto, continha um raticida altamente venenoso, composto por uma mistura de bromopatasona, glimificatona e tranatranita. A última substância (inventada, claro está) ficou especialmente no ouvido.

9. Trocadilhos

Lita Gomes (São José Lapa): – Nunca lhe falei da minha interpretação da Fedra? Uma encenação linda, toda passada num cenário fantástico em forma de sapato. Foi até conhecida na gíria como a Fedra no sapato.
Estrelinha (Maria Vieira): – E foi gíria?

Jogos de palavras como este são uma característica de Herman, que neste programa consegue possivelmente o maior rácio de trocadilhos por hora da sua carreira.

10. O emigrante português em Berlim

A propósito da reunificação alemã, Vítor de Sousa conduz mais uma entrevista, desta vez a um natural da aldeia de Catraponga de Baixo, em Trás-os-Montes, emigrado há vários anos em Berlim. O facto de não ver a família há 15 anos não impede que a mulher continue a ter filhos “seus”.

11. Palincalunga e os 40 Catrapangalongos

Rosa Lobato de Faria faz uma breve aparição num sketch de 30 segundos, onde divulga o seu livro infantil de nome impronunciável. “Na contracapa vem escrito que os direitos são em favor da UNICEF, mas não acreditem; é um pequeno truque que inventei para vender mais livros.” Para além dos erros que deixou para os leitores se divertirem a encontrar.

12. Receitas de batata

Uma das personagens mais populares de Herman, desde os tempos d’O Tal Canal, é uma sátira à cozinheira Filipa Vacondeus, falecida no início de 2015, e à sua filosofia de aproveitamento de restos. Nesta rábula, Filipa Vasconcelos prepara um menu à base de batata: gaspacho de batata, chá de cascas de batata, postas de batata acompanhadas com puré de batata e grelos de batata, hambúrgueres de batata com batata frita e, para terminar em beleza, mousse de batata. Desta vez, tudo sem paprika.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comida

Gastronomia com Ciência

Hélio Loureiro

Uma das práticas e pontos chaves da dieta mediterrânica é o comer em família, partilhar, conviver. A própria palavra, comer tem esse mesmo significado: com (na companhia de...) e er (repetição).