Miguel Relvas

Miguel Relvas perde a licenciatura

18.138

O ex-ministro dos Assuntos Parlamentares de Passos Coelho entre 2011 e 2013 conheceu a sentença do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa que diz que o grau de licenciatura da Lusófona é "nulo".

O processo relacionado com a licenciatura de Miguel Relvas entrou no Tribunal Administrativo em 2013

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A licenciatura tirada na Universidade Lusófona por Miguel Relvas, ex-ministro dos Assuntos Parlamentares de Pedro Passos Coelho entre 2011 e 2013, foi considerada “nula” pelo Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, avança a TSF.

A sentença, com data de quarta-feira, 29 de junho, refere que foi anulado o despacho de dezembro de 2012, emitido pelo reitor da universidade, Mário Moutinho, que validava a avaliação de Relvas a uma cadeira com uma alteração retroativa feita nesse mês.

Por outro lado, ainda de acordo com a TSF, o tribunal entendeu que a aprovação académica da Universidade Lusófona estava ferida de ilegalidade por Miguel Relvas ter sido aprovado a duas cadeiras que, no momento em que o ex-dirigente do PSD se inscreveu no curso de Ciência Política e Relações Internacionais (no ano letivo de 2006/2007), já não existiam no respetivo plano de estudos. Estão aqui em causa as cadeiras Teorias Políticas Contemporâneas I e II.

A juíza que apreciou o caso concluiu, assim, que Miguel Relvas foi favorecido em relação aos restantes alunos.

Contactado pelo Observador, o ex-ministro adiantou que nem ele nem os seus advogados tinham sido notificados, recusando-se a fazer qualquer outra declaração.

Em abril, o Público já tinha noticiado que o Ministério Público tinha emitido um despacho em que determinava que Mário Moutinho tinha tentado mudar o Regulamento Pedagógico do curso de Ciência Política, que Miguel Relvas frequentou, para poder salvaguardar a licenciatura do ex-ministro. Nesse despacho, citado pelo jornal, era referido que a decisão do reitor “é ilegal e padece de desvio de poder, violando também os princípios da legalidade, da imparcialidade e da igualdade”.

O processo relacionado com a licenciatura de Miguel Relvas entrou no Tribunal Administrativo no verão de 2013, depois de o Ministério Público ter concluído que, das 36 disciplinas necessárias, Miguel Relvas fez apenas quatro. Pelas restantes recebeu equivalências, tendo em conta a “experiência e formação profissionais”.

Relvas poderá recorrer desta sentença para o Tribunal Central Administrativo Sul. No caso de nova decisão negativa para os seus interesses, tem ainda possibilidade de recurso para o Supremo Tribunal Administrativo e para o Tribunal Constitucional.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
PSD

O deserto

Diogo Prates

Ou estes candidatos à liderança do PSD redirecionam a sua estratégia, apresentando alternativas válidas ao governo, ou arriscam-se a ver o PS cada vez mais longe e o CDS-PP cada vez mais perto.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site