Orçamento do Estado

PCP e PS negoceiam novo imposto sobre património mobiliário

1.955

O BE diz ter acordo fechado para novo imposto sobre património imobiliário, mas os comunistas garantem que a ideia inicial foi deles e que estão a negociar também a taxação adicional aos bens móveis.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A esquerda está a estudar um novo imposto sobre património, mas pode não ficar pelo património imobiliário. Esse é apenas o ponto que está mais avançado nas negociações que o PS está a ter com os parceiros no Parlamento, já que, com o PCP, está a ser avaliada — e não foi posta de parte, garantem os comunistas — a taxação também sobre património mobiliário (ações, participações de capital em empresas, títulos financeiros).

Os comunistas vieram reclamar créditos sobre a ideia de um novo imposto sobre património, no dia em que o Bloco de Esquerda antecipou a existência de uma proposta nesse sentido no Orçamento do Estado para 2017. A proposta de que o BE fala e sobre a qual garante existir um “acordo fechado”, nas palavras de Mariana Mortágua, incide sobre património imobiliário. A que está “em exame” entre PCP e PS inclui ainda o património mobiliário. E “o ponto de partida” das negociações com o PS é, garante o deputado comunista Paulo Sá ao Observador, uma proposta que o PCP fez em 2014 que diziam respeito a grandes fortunas e onde o partido defendia a taxação em 1% de património mobiliário acima do 1 milhão de euros. A ideia é criar um imposto sobre “património de elevados valores”.

A iniciativa foi apresentada no âmbito do Orçamento do Estado para 2015 e acabou chumbada pelo PSD e CDS, apesar dos votos favoráveis da esquerda e da abstenção do PS. O que é certo é que a ideia agora está a inspirar as negociações entre PS e PCP para o OE, ainda que Paulo Sá garanta que “neste momento ainda não está nada fechado”, admitindo que os dois partidos estão a “fazer o exame” de uma medida dessa natureza. Para justificar a necessidade de criar um novo imposto, o PCP fala da “reversão do aumento do IRS” que tem de ser “compensada” em termos de receita fiscal.

O que já parece estar mais avançado na negociação da esquerda sobre o Orçamento do Estado — que será conhecido dentro de um mês, — é a existência de uma taxa adicional a ser aplicada sobre património imobiliário que, no seu total, ultrapasse um valor-limite que ainda está por definir, mas que a deputada Mariana Mortágua diz que ficará no intervalo entre os 500 mil euros e um milhão de euros: “Estamos a simular valores para proteger a classe média”. A garantia é repetida pelo Bloco e pelo PS que se desdobraram em explicações sobre quem afeta este novo imposto.

“Este é um imposto sobre grandes fortunas patrimoniais imobiliárias”, garante a deputada do BE para assegurar que o objetivo “não é atingir a classe média” e que o “propósito económico é apanhar as grandes fortunas”. Para o cálculo, são usados “não os valores de mercado dos imóveis, mas o valor patrimonial”, explicou a deputada aos jornalistas: “É o que a casa vale para as Finanças, e não para o mercado, que é menos”. Além disso, para o cálculo do valor-limite a partir do qual se aplica o novo imposto não entra a casa de família. O imposto será adicional ao IMI (que já recai sobre património imobiliário) mas será “feito para proteger a classe média e casos em que exista uma casa de família mas também uma casa de férias”. Estão também “excluídas” da aplicação do imposto “entidades empresariais”.

Mas não será poupado o património dos vistos gold, com Mariana Mortágua a declarar que esse “não gera riqueza no país”. O mesmo foi confirmado pelo deputado socialista Eurico Brilhante Dias (que também faz parte do grupo de trabalho sobre fiscalidade constituído entre o BE e o PS) e que acrescenta outra explicação: o novo imposto “vai substituir o imposto selo” que estava “errado”. “Era errado tributar apenas um imóvel e deixar fora quem tinha vastíssimo património mas com frações cujo valor fosse inferior a 1 milhão de euros”. Assim, defende o socialista, o novo imposto vai “permitir que os contribuintes com igual valor de património sejam tributados da mesma forma”.

Os objetivos, elencados por Eurico Dias, são essencialmente três: “Proteger a classe média, proteger as atividades económicas e desenhar uma solução em que o negócio do arrendamento seja protegido”. Estas são algumas das dúvidas que têm sido levantadas desde que, nesta quinta-feira, se conheceu a existência deste novo imposto.

Mas o argumento não convence o PSD, que veio atacar o novo imposto, pela voz de António Leitão Amaro. O deputado e vice-presidente da bancada social-democrata diz que “a reversão da austeridade” prometida pelo PS “tem um preço muito grande a pagar que é o aumento de impostos”. O deputado considera que o Governo está a recorrer ao aumento de impostos porque “não controla a despesa corrente” e “porque a economia está estagnada” e acredita que os aumentos noticiados “castigam a classe média e afastam o investimento” do país. “Não podemos estar a discutir aumento de impostos, mas a fazer crescer a economia. Este Governo escolheu um caminho que é o de aumento de impostos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro
120

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Incêndios

O governo da desistência nacional

Rui Ramos

Houve quem tivesse notado que nenhum outro presidente da república fora tão duro desde o general Eanes. Mas o ponto é que também nunca um chefe de governo foi tão frouxo na sua resposta ao presidente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site