Logo Observador
Web Summit

Web Summit. 5 boas ideias que encontrámos no primeiro dia

661

A Web Summit é uma grande feira de empresas e ideias. Ao longo do dia apresentámos as melhores no liveblog, mas há cinco que merecem um destaque especial. Quatro são portuguesas.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Ao longo do dia, o Observador foi passando pelas startups que estiveram em exposição nos pavilhões da FIL — fomos falando delas no nosso liveblog. Agora, que chegou ao fim o primeiro dia, recordamos cinco (boas) descobertas que encontrámos nas áreas de exposição.

Requestify: Já pode escolher a música que ouve na discoteca

A Requestify, criada pelo norueguês Christoffer Bølla Riseng, permite que qualquer participante numa festa escolha a música que quer ouvir. É simples, como nos explica o CEO da Requestify: a playlist da festa está guardada na aplicação, e qualquer pessoa que esteja num raio definido (aqui na Web Summit temos uma festa num raio de 100 metros) pode escolher uma música para tocar na festa.

hdr

Christoffer Bølla Riseng é o CEO da Requestify. (Imagem: João Francisco Gomes/Observador)

A faixa segue diretamente para o fim da playlist, e irá tocar quando chegar a vez. A ideia, explica Riseng, é que “todos possam ouvir aquilo que querem e que a festa seja feita por todos os participantes”.

Kinematix: “Dá o que as outras aplicações dão, e muito mais”

A Kinematix é uma das 50 empresas que mais pedidos de reunião com investidores recebeu antes do início da Web Summit. A empresa existe há oito anos, mas, explica Vasco Vasconcelos, um dos responsáveis da Kinematix, só há menos de dois começou a desenvolver um produto para o consumidor final: o TUNE. Trata-se de uma palmilha com sensores que pode ser colocada em qualquer tipo de calçado, e que transmite informações sobre o contacto do pé com o chão em tempo real.

dav

O equipamento pode ser instalado em qualquer sapatilha. (Imagem: João Francisco Gomes/Observador)

“Dá o que as outras aplicações dão, como o GPS, etc., mas dá outras coisas. Dá informações sobre a interação do pé com o chão: se ataca mais com o calcanhar, quanto tempo está no chão, se há assimetria entre o pé esquerdo e o pé direito, entre outras. No fim da corrida, há um relatório geral”, explica ao Observador Vasco Vasconcelos. “Dá para toda a gente, do 35 ao 46”, acrescenta.

Na Web Summit, a Kinematix está sobretudo à procura de investimento. “Já lançámos o produto há dez dias e está a correr muito bem”, sublinha Vasconcelos.

dav

Vasco Vasconcelos, CMO da Kinematix. (Imagem: João Francisco Gomes/Observador)

486Software: Mais do que um sistema de faturação, “um sistema de integração”

Abílio Magalhães é o CEO da 486Software, uma startup portuguesa que criou um “sistema de faturação que passa a ser um sistema de integração”. Estão em exposição no pavilhão 1 da FIL.

“Já temos aplicações aprovadas em Portugal para Android e iPad”, explica ao Observador o responsável.

dav

Abílio Magalhães, o líder da 486Software, garante que este “é mais que um sistema de faturação”. (Imagem: João Francisco Gomes/Observador)

A grande diferença deste sistema é que permite a recolha das redes sociais dos cliente, que podem registar as suas visitas diretamente a partir do pagamento. Para o arranque da empresa, “recebemos fundos de marketing da Samsung”, explica.

IndieCampers: “Reinventámos o conceito de autocaravanas”

Um dos responsáveis da IndieCampers, Hugo Oliveira, assegura que a empresa reinventou o conceito de autocaravanas”. O que a empresa faz é transformar “pequenas carrinhas de acordo com as necessidades dos clientes”, e disponibilizá-las para aluguer online.

O cliente pode “começar no Porto e acabar em Barcelona”, exemplifica Hugo Oliveira. A ideia é que os viajantes possam alugar o veículo num local da Europa e terminar a viagem noutro, podendo deixar lá a carrinha. Atualmente, a empresa conta já com 13 localizações onde podem ser recolhidas e deixadas as carrinhas, mas espera, no próximo ano, ter 60.

“Estamos aqui [na Web Summit] para falar com toda a gente, investidores, parceiros”, assume Hugo Oliveira. Querem perceber “o ecossistema”, e, sobretudo, aprender.

SafeCloud: “Queremos mudar a forma de guardar os dados na nuvem”

Francisco Maia, um dos investigadores responsáveis pela SafeCloud, assegura que a empresa oferece “um nível de segurança que não existe neste momento no mercado”. O cientista admite que é uma ideia ambiciosa.

“Em vez de eu dar os meus dados a um Dropbox, a um Google Drive, unicamente, eu vou usar dois desses, pelo menos, e a informação que eu coloco em cada um é insuficiente para recuperar os meus dados originais”, explica Francisco Maia. “Com a nossa tecnologia, se alguém hackear a conta não tem acesso a nada”, acrescenta.

O que junta os dados provenientes de cada uma das nuvens utilizadas é uma aplicação, que já está disponível para iOS e Android. Para já, ainda só é possível armazenar fotografias, mas está para breve a possibilidade de guardar documentos.

A ideia surgiu de quando o grupo soube das fotografias de Jennifer Lawrence nua que apareceram na Internet. “Pensámos como é que resolveríamos este problema”, sublinha o investigador. A equipa confessa que ainda não sabe como irá ganhar dinheiro com a ideia, mas o primeiro passo é “falar muito sobre isto”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt