Logo Observador
Novo Banco

Rui Rio defende a nacionalização do Novo Banco

676

Pelas contas do ex-autarca do Porto, que diverge da posição da direção do PSD, a nacionalização custaria 750 milhões. Mas poderia ter custos maiores. Ainda assim, defende a nacionalização temporária.

JOSÉ COELHO/LUSA

Rui Rio diverge da posição assumida pela direção do PSD e defende a nacionalização temporária do Novo Banco, perante as propostas em cima da mesa. Em declarações ao Público, o ex-autarca do Porto calcula que a operação custaria 750 milhões de euros — o montante de reforço de capitais que, segundo notícias, é necessário em breve. Mas Rio admite que se fundos como o Lone Star querem garantias públicas é porque desconfiam que há muitos ativos que não estão corretamente avaliados, algo que, a confirmar-se, poderia significar um “custo adicional” para os contribuintes. Ainda assim, Rui Rio vê a nacionalização temporária como uma boa hipótese.

A nacionalização temporária fará sentido, se assim se conseguir “rendibilizar o banco” e, daqui por alguns anos, “ter o retorno de todo o capital nele investido e, se possível, com alguma compensação para o Estado”, afirmou Rui Rio, visto como possível candidato à liderança do PSD, contra Pedro Passos Coelho. A nacionalização transitória “seria a forma de, em termos de médio prazo, se evitar ainda mais despesa pública com o setor bancário; e, até, de se aliviar a carga que os outros bancos já estão a suportar com este escândalo nacional”. Esta é a posição de Rio, apesar de considerar que pode haver perdas escondidas na avaliação de ativos (que passariam para o colo do Estado no caso da nacionalização).

É necessário saber quanto é que ela, no imediato, vai custar e se, em face disso, é possível desenhar um plano de rentabilização credível e prudente do banco”.

Rui Rio acrescenta, ainda, que será necessário ter autorização de Bruxelas para a nacionalização, dado que o Novo Banco “já foi resolvido e, como tal, encontra-se ao abrigo de regras comunitárias”. “Espero bem que, se esta for a via que melhor defende o interesse público nacional, a burocracia de Bruxelas não nos venha a prejudicar de forma inaceitável, tal como aconteceu recentemente com o Banif”, alega Rui Rio.

“Como é possível que [o Novo Banco] hoje nada valha, depois de, inclusive, já se ter defraudado adicionalmente obrigacionistas no valor de dois mil milhões de euros?”, afirma o ex-autarca do Porto, aproveitando para perguntar: “Perante esta realidade catastrófica, como é possível que o sistema judicial não tenha ainda produzido qualquer acusação sustentada contra quem quer que seja?”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Novo Banco

Vender depressa não é vender bem

Rui Rio
389

No caso do Novo Banco só parece haver uma posição ética e moralmente aceitável: anular esta espécie de concurso e abrir um novo, onde a concorrência e a igualdade de oportunidades sejam salvaguardadas