Itália

Greve no setor aéreo em Itália pode afetar mais de 500 voos europeus

A greve convocada hoje pelo setor aéreo em Itália pode levar ao cancelamento de mais de 500 voos em toda a União Europeia, informou a associação de companhias aéreas europeias Airlines for Europe (A4E).

TELENEWS/EPA

A greve convocada esta segunda-feira pelo setor aéreo em Itália pode levar ao cancelamento de mais de 500 voos em toda a União Europeia, informou a associação de companhias aéreas europeias Airlines for Europe (A4E). A greve que deve durar quatro horas até às 16h00 (hora de Lisboa) deve também provocar atrasos nas ligações, de acordo com a associação.

Poucos dias depois de uma semana de perturbações em França, esta nova greve vai fazer reféns milhares de cidadãos europeus e de negócios”, lamentou em comunicado a A4E.

A associação reconheceu “o direito fundamental” dos controladores a fazerem greve, mas pediu aos representantes políticos europeus soluções para minimizar o impacto no setor. O diretor da A4E, Thomas Reynaert, sugeriu que os passageiros europeus se unam para manifestar a sua “frustração pelas constantes perturbações” e para apoiarem uma petição da associação nesse sentido.

“Não podemos deixar que estas greves continuem durante as férias e o verão”, disse Reynaert. Os principais sindicatos italianos (CGIl, CISL, UIL e UGL) convocaram a greve dos controladores aéreos da Agência Nacional de Aviação Civil (ENAC) para “combater um modelo negativo de empresa”.

Há ainda uma outra greve de 24 horas convocada pelo sindicato autónomo ‘CUB Trasporti’ para protestar contra o modelo de baixo custo e contra os cortes na Alitalia, que prevê mais de 2.000 despedimentos e cortes de mil milhões de euros até 2021. A Alitalia, a principal companhia aérea do país, cancelou hoje 220 voos nacionais e internacionais, cerca de 40% dos voos previstos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

É tempo de um Ano Europeu do Silêncio

Timothy Garton Ash

As palavras ultrapassam sempre os atos na política, mas mais na UE do que em qualquer outro lado. Portanto, aqui vai uma proposta modesta: os nossos líderes devem declarar um Ano Europeu do Silêncio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site