Logo Observador
Restaurantes

JNcQUOI. Três andares na Avenida da Liberdade (e os macarons da Ladurée)

5.440

Inaugura esta quinta-feira um novo conceito de restaurante, bar e loja na Avenida da Liberdade, com o primeiro balcão Ladurée em Portugal. O criador Valentino já lá esteve e o Observador também.

É uma das maiores aberturas do ano. Chama-se JNcQUOI — lê-se je ne sais quoi — e inaugura esta quinta-feira à noite no número 182 da Avenida da Liberdade, em Lisboa. À entrada, lá está o primeiro balcão da Ladurée em Portugal com macarons coloridos e outra pastelaria parisiense — mil folhas de framboesa incluído. As clássicas caixas verdes e douradas chamam facilmente à atenção mas é o novo espaço com três pisos que tem “um certo não sei quê”. O conceito de restaurante, bar, mercearia e loja de roupa estreia-se na capital pelas mãos do grupo Amorim Luxury (detentor das lojas Fashion Clinic) depois de um investimento de quatro milhões de euros. Só a decoração, repleta de mármore e vidros espelhados, reflete o luxo que se respira e já foi aprovada pelo criador Valentino em visita a Lisboa no último sábado. E fique já a saber: houve festa até de madrugada.

“Do pequeno-almoço ao jantar, passando pelo almoço e chá das cinco, o JNcQUOI tem uma oferta diversificada tanto de comida como de moda”, explica Maria Pimentel, marketing manager do grupo, durante uma visita guiada ao Observador. Ainda no piso intermédio, um bar-balcão de 42 lugares convida a refeições mais ligeiras como ceviche de garoupa (15€) e burrata de búfala (17€) que pode acompanhar com uma longa carta de vinhos ou cocktails. “Queremos providenciar a melhor experiência vínica em Portugal“, promete a responsável. Junto ao Delibar, como lhe chamam, está uma sala climatizada pronta a receber provas de vinhos com mais raras referências do que os dedos de uma mão. Ao redor do espaço encontra uma mercearia gourmet e uma garrafeira a rodear o espaço com uma seleção de produtos nacionais e internacionais como queijos, charcutaria e muitas trufas para levar.

A decoração, repleta de mármore e vidros espelhados mesmo na zona dos acessórios masculinos, reflete o luxo da Avenida da Liberdade. (foto: © Tiago Pais / Observador)

A caminho da casa de banho/pista de dança (já lá vamos) está um belo expositor da editora Assouline cheio de coffee table books de arte, moda, viagens, arquitetura e design. Em destaque, a obra Valentino: Mirabilia Romae deixaria o designer italiano orgulhoso. E onde está o salão de chá da Ladurée? “Será adjacente à loja Fashion Clinic de senhora, no Tivoli Forum, que está em remodelações e tem abertura prevista para junho”, justifica Maria Pimentel. Chegámos à mesa de som, dentro do WC, onde estará um DJ todas as sextas e sábados até às 2h. Quer tenha vontade (ou não) de ir à casa de banho, o espaço merece um pé de dança e um dedo de conversa. Mas sinta-se livre de espalhar a festa pelos 950 metros quadrados do edifício. “O objetivo é proporcionar momentos únicos de celebração da arte de viver”, afirma a marketing manager do grupo Amorim Luxury onde Paula Amorim assume funções de chairman e Miguel Guedes de Sousa o cargo de CEO.

Quem sobe até ao primeiro piso descobre o verdadeiro ex-líbris da casa: um dinossauro velociraptor à escala real no meio da sala do Restaurante JNcQUOI. Com capacidade para 90 pessoas, os tetos altos e recortes de jornais emoldurados contam uma história de quase cem anos — a planta, concebida pelo arquiteto catalão Lázaro Rosa-Violán, insere-se no edifício do cineteatro Tivoli. A cozinha aberta é o palco da finalização dos pratos com assinatura do chefe António Bóia que reinterpreta clássicos portugueses e internacionais com uma mão atrás das costas. Experimente as plumas de porco ibérico (18€) e o tagliolini de trufa (22€) e termine a refeição com sobremesas Ladurée ou JNcQUOI (9€). Entre o parisiense biscoito de merengue de avelã com ganache de chocolate e a sericaia com ameixa de Elvas, o difícil será escolher.

A cozinha aberta no centro da sala é o palco da finalização dos pratos da carta, com assinatura do chefe António Bóia. (foto: © Tiago Pais / Observador)

No piso inferior, a loja Fashion Clinic Man — até agora localizada no número 192 da Avenida da Liberdade — tem uma nova morada. Aqui, as mulheres ficam de fora e os homens podem usufruir de roupa de marcas de luxo. Das peças mais clássicas aos acessórios tendência, há bombers Dolce & Gabanna e casacos de cabedal Yves Saint Laurent acabados de sair das semanas de moda internacionais. A disposição das peças lembra a Colette, em Paris. A inspiração está claramente lá, especialmente junto à perfumaria e ao calçado masculino. Há ainda lugar para uma montra de cigars com charutos para todos os gostos e um serviço de personal tailoring. “É pensado para os homens mais exigentes e apresenta uma coleção de clássicos intemporais, casuais e formais com a possibilidade de fazer um blazer, calças ou fato completo, por medida, e de acordo com os detalhes da preferência de cada cliente”, conclui Maria Pimentel.

Gucci, Valentino, Balmain, Saint Laurent, Balenciaga, Dior, Tom Ford ou Dolce & Gabbana são algumas das marcas que pode encontrar na nova loja. (foto: © Tiago Pais / Observador)

No fim dos três pisos, o JNcQUOI fica por aqui mas não durante muito tempo. “Sendo este um destino global de compras, vida social e luxo, tem potencial de crescimento em capitais europeias ou mundiais como Londres ou Japão”, antecipa a responsável ao Observador. Anualmente, o grupo ambiciona uma faturação não inferior a sete milhões de euros que facilmente pagará o investimento em três anos. “O JNcQUOI veio para fazer parte do dia-a-dia dos lisboetas e convidamos todos aqueles que estão pela cidade a visitar-nos.” Nem que seja para dar um passinho de dança — como quem não quer a coisa — a caminho da casa de banho.

Nome: JNcQUOI
Morada: Avenida da Liberdade, 182 (Avenida), Lisboa
Telefone: 21 936 9900
Horário: De segunda a sábado das 12h à 00h e domingo das 12h às 18h (restaurante); de segunda a quinta das 10h à 00h; de sexta a sábado das 10h às 2h e domingo das 10h às 18h (delibar); de segunda a sábado das 10h às 22h e domingo das 10h às 18h (loja).
Preço Médio: 30€ (bar) e 40€ (restaurante)
Reservas: Aceitam
Site: jncquoi.com

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Maioria de Esquerda

Jogo da Glória: regras e regulamentos

Alberto Gonçalves
128

Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia”. Recue uma casa