Papa em Fátima

Começou a operação de segurança pelo Papa

Centenas de militares e dezenas de viaturas da GNR começaram a concentrar-se esta sexta feira em Fátima, por ocasião da visita do Papa Francisco ao Santuário de Fátima.

Segundo o major da GNR Bruno Marques está montado um dispositivo "capaz de prevenir, detetar, reagir e fazer cessar qualquer ilícito criminal"

NUNO FOX/LUSA

Centenas de militares e dezenas de viaturas da GNR começaram hoje concentrar-se em Fátima para a operação de segurança da peregrinação dos dias 12 e 13 ao santuário, presidida pelo papa Francisco.

O porta-voz desta força de segurança, major Bruno Marques, informou que “a GNR montou o dispositivo de segurança às 10h00, com elementos de diversas valências da Guarda”, mas não especificou números.

É um dispositivo que vai ter diversas fases, é uma força flexível e será adaptada de acordo com as necessidades operacionais”, explicou Bruno Marques, frisando tratar-se de uma força multidisciplinar que tem por missão garantir a segurança dos peregrinos e a segurança rodoviária.

Segundo o major, é, ainda, um dispositivo “capaz de prevenir, detetar, reagir e fazer cessar qualquer ilícito criminal”.

A GNR tem esta força destacada para garantir uma peregrinação segura e tranquila”, salientou Bruno Marques, que apela às pessoas para seguirem as instruções dos militares da Guarda.

Francisco é o quarto papa a visitar Fátima, a 12 e 13 de maio, para canonizar os pastorinhos Francisco e Jacinta, no centenário das “aparições”, em 1917. O papa tem encontros previstos com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, logo à chegada, e com o primeiro-ministro, António Costa, no dia 13. Os anteriores papas que estiveram em Fátima foram Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Politicamente Correto

É difícil comer cabrito vivo

Helena Matos

Estava a perceber quando terão os trabalhadores do sector privado as suas 35 horas e eis que constato que a Nação se mobiliza contra uma ignomínia: a morte de um cabrito num congresso de cozinheiros 

Saúde Pública

Votar o futuro da Saúde da nação

Francisco Goiana da Silva

Resta-nos a nós, cidadãos, esperar que quando esta medida de Saúde Pública [taxa do sal] for votada, os deputados não se esqueçam de acautelar a vontade da sociedade. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site