Logo Observador
Entrevista

Entrevista a António Barreto em 34 tweets

775

Em entrevista ao Observador, aqui condensada em tweets, António Barreto fala dos tempos da reforma agrária, das ocupações, da relação com o PCP e da "geringonça", a quem não poupa críticas.

"Criou-se a ideia de que todos os partidos têm direito a ser Governo. Não sou obrigado a gostar de um Governo onde os comunistas estão"

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

António Barreto, ministro da Agricultura do I Governo Constitucional e grande responsável pela Lei de Bases da Reforma Agrária de 1978, considera que existem vários mitos associados ao período de ocupações de terrenos agrícolas que marcou o período pós-25 de Abril. À cabeça, a ideia de que o fenómeno foi espontâneo e desorganizado, quando, na verdade, foi um processo controlado pelos sindicatos, Governo e Forças Armadas. Ou que se deveu à alta taxa de desemprego que assolava o Alentejo — quando existia “pleno emprego” — ou ao número de terrenos abandonados — quando apenas “10% do território do Alentejo estava abandonado”.

Em entrevista ao Observador, emitida em direto — no site e no Facebook —, e que será publicada na íntegra hoje à noite, a propósito do seu novo livro Anatomia de uma Revolução (Dom Quixote), António Barreto recorda os tempos do PREC, admite que sentiu a sua integridade física em risco pelo menos “três vezes” e fala da pressão dos comunistas. Durante o período mais tenso, contou, as desocupações de terras eram acompanhadas por brigadas da GNR excessivamente musculadas, como medida de persuasão. Os militantes do PCP chamavam-lhe “aparato fascista”, mas não sabiam de uma coisa: as metralhadoras que os militares carregavam “estavam carregadas com balas que não eram verdadeiras”.

A relação (passada e futura) com o PCP acabou por dominar grande parte da entrevista — ele que foi um dos ministros mais contestados do I Governo Constitucional. Para Barreto, os comunistas sempre souberam que a sua posição dependia da “correlação de forças” entre os vários blocos partidários e adaptaram-se permanentemente às circunstâncias. Ontem, como hoje. “Reparem que Jerónimo fala em nova correlação de forças. Tal como fez Cunhal. É esse o carácter essencial dos comunistas”, lembrou.

Na entrevista, que o Observador aqui condensa em 39 tweets, publicados durante o direto, o sociólogo não esconde, aliás, a descrença que mantém na aliança de esquerda. “Criou-se a ideia de que todos os partidos têm direito a ser Governo. Não sou obrigado a gostar de um Governo onde os comunistas estão”, diz.

A terminar, António Barreto ainda falou sobre o estado da Justiça portuguesa. “Estamos a viver um dos momentos mais drásticos para a Justiça. Se não dá conta disto e isto acaba em nada, é o descrédito total”, diz.

Os mitos da reforma agrária

O atual Governo e a “geringonça”

A gestão dos incêndios de Pedrógão Grande

O futuro político de PS, PCP e Bloco

O estado do país

E o estado da Justiça

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
155

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.