Moçambique

Moçambique. Combater corrupção é “urgente” e crescimento quer-se em 7 a 10% ao ano

O presidente moçambicano e da Frelimo, Filipe Nyusi, elegeu o combate à corrupção como o principal desafio do partido e do país e defende um crescimento de 7 a 10% ao ano.

Nyusi falava à margem do 11.º congresso da Frelimo

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente moçambicano e da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), Filipe Nyusi, elegeu esta terça-feira o combate à corrupção como o principal desafio do partido e do país. “Temos de reforçar o combate sem tréguas contra a corrupção que corrói as instituições. Não pode existir qualquer dúvida: o combate à corrupção é o mais urgente e vital de todos os desafios”, referiu.

Filipe Nyusi falava no discurso de abertura do 11.º congresso da Frelimo em que defendeu que a luta deve começar no seio dos militantes para se alcançar “tolerância zero” para atos corruptos, “em qualquer posição ou qualquer circunstância”, dos órgãos locais aos centrais do partido e do Estado.

Este congresso tem que afirmar que esses abusos não podem ficar impunes, não pode haver tolerância para ilegalidades”, sublinhou. “A Frelimo não pode permitir que se fechem os olhos a estes abusos para que o nosso próprio prestígio não seja posto em causa”, acrescentou.

A luta contra a corrupção é destacada numa altura em que Moçambique tenta resolver um dos maiores escândalos financeiros da sua história. O país tenta descobrir para onde foram dois mil milhões de euros de dívida oculta contraída pelo Governo de Armando Guebuza entre 2013 e 2014, à revelia do parlamento e parceiros internacionais.

O rombo nas contas públicas e na credibilidade do Estado perante credores internacionais afundou o país numa crise de que ainda tenta sair. A Procuradoria-Geral da República (PGR) recebeu uma auditoria que aponta para o facto de as empresas estatais que contraíram a dívida terem servido de fachada para receberem empréstimos, entre outras ilegalidades, indiciando diversas pessoas e entidades, mas sem revelar nomes.

De acordo com a empresa auditora, os responsáveis estatais recusaram-se a prestar informações alegando sigilo relacionado com assuntos de segurança de Estado. A PGR ainda não anunciou qualquer diligência subsequente. Nyusi pretende ainda dirigir o país até 2025 com taxas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 7 a 10% ao ano a partir de 2020.

Na agenda 20-25 projetamos um crescimento mínimo anual e de forma continua entre sete e 10%”, disse o único candidato à liderança do partido.

O crescimento terá por base “quatro pilares”, referiu: a agricultura, energia, infraestruturas e turismo. O dirigente destacou que, de acordo com o censo da população realizado este ano, Moçambique deverá chegar a 2040 com 46 milhões de habitantes – devendo hoje rondar 27 milhões.

Devemos encarar esta projeção com seriedade. Devemos balancear o que ela tem de positivo e o que ela traz de desafio. Necessitamos de pensar estrategicamente”, realçou Nyusi.

“Só assim potenciaremos as oportunidades criadas com o crescimento demográfico e enfrentar o desafio de crescimento da procura por alimentos, água, habitação, educação e transportes”, acrescentou. Para o líder da Frelimo, “nas futuras gerações, a economia terá que correr mais rapidamente que a demografia”, concluiu. O programa de governação a apresentar às eleições de 2019 será um dos dossiês em discussão durante o 11.º congresso da Frelimo, que decorre até domingo nas instalações da escola central do partido na Matola, arredores de Maputo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site