Professores

Professores marcam greve nacional e concentração na AR para 15 de novembro

309

A Fenprof anunciou uma greve para 15 de novembro e apelou aos docentes para se concentrarem no parlamento nesse dia. Em causa está a não contagem de 9 anos e meio de serviço para efeitos de progressão

Logo quando a proposta de Orçamento do Estado foi entregue Mário Nogueira disse ao Observador que a greve era uma hipótese

JOSÉ COELHO/LUSA

Os professores vão estar em greve no próximo dia 15 de novembro e para esse mesmo dia está já marcada uma concentração junto à Assembleia da República, coincidindo com a discussão, na especialidade, do Orçamento do Estado para o setor da Educação. O anúncio foi feito esta sexta-feira pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e merece a convergência da Frente Sindical dos Docentes (ASPL, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPPEB, SIPE e SPLIU).

É importante os professores estarem unidos para fazerem uma tremenda greve e uma grande concentração junto à Assembleia da República no dia em que vai estar em discussão o Orçamento da Educação”, afirmou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, durante uma conferência de imprensa, em Lisboa, apelando ainda à participação dos professores na manifestação nacional que a CGTP vai realizar no dia 18, em Lisboa.

O principal motivo de protesto dos professores está relacionado com o descongelamento das carreiras e a contagem do todo o tempo de serviço. É que a 1 de janeiro de 2018 todos os funcionários públicos vão ter as carreiras descongeladas e vão ver as progressões, com respetivas alterações salariais, ser concretizadas ao longo dos próximos dois anos. Mas no caso dos professores, e de acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2018, os últimos sete anos (desde 2011) não serão contabilizados. Na prática é como se os professores não tivessem dado aulas entre 2011 e 2017, o que faz com que muitos não reúnam as condições para subir na carreira nos próximos anos.

Últimos sete anos não vão ser considerados para a progressão dos professores

A estes sete anos juntam-se ainda dois anos e meio — de agosto de 2005 a dezembro de 2007 –, período em que as progressões também estiveram congeladas e que não foram contabilizados no caso dos professores. E o que acontece é que só progredirão em 2018 os professores que em 2011 já estariam em condições de progredir, por terem acumulado quatro anos de serviço num escalão.

“Ao apagarem o tempo, como não se converte em pontos, é como deitar tempo de serviço ao lixo”, disse ao Observador, Mário Nogueira, logo aquando da entrega da proposta de Orçamento do Estado, já ameaçando com a marcação de uma greve e outras formas de protesto.

A verdade é que já era isso que estava previsto nos anteriores Orçamentos do Estado onde se podia ler, precisamente, que “o tempo de serviço prestado (..) não é contado para efeitos de promoção e progressão, em todas as carreiras, cargos e ou categorias, incluindo as integradas em corpos especiais, bem como para efeitos de mudanças de posição remuneratória ou categoria nos casos em que estas apenas dependam do decurso de determinado período de prestação de serviço legalmente estabelecido para o efeito”.

Além desta matéria, continuam também em cima da mesa reivindicações relativas aos horários de trabalho e um regime especial de aposentação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

Por que é que os professores não têm razão

José Manuel Fernandes
4.595

Os professores pedem progressões automáticas como as de outros funcionários públicos, mas nem sabem como tal é injusto quando pensamos no mundo real e não protegido dos trabalhadores do sector privado

Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site