Catalunha

A fuga de Puigdemont

Autor
383

De Bruxelas, Puigdemont fala de “repressão política” dos tribunais e diz que o estado espanhol atenta contra a democracia. Mas pelas suas escolhas, e como as sondagens mostram, caiu em descrédito.

As autoridades judiciárias espanholas foram o mais duro que a lei permitia com os líderes catalães envolvidos nos episódios que levaram à crise separatista. Seis deles foram acusados pela Fiscalia General (o equivalente à Procuradoria Geral em Portugal) de rebelião, sedição e má gestão de dinheiros públicos, com uma moldura penal que pode ir até 30 anos – a mais pesada prevista pelo código legislativo para suspeitos de crimes desta natureza. Foram chamados a depor 14 indiciados, entre conselheiros do governo e membros da mesa do parlamento regional. A maioria ficou em prisão preventiva.

E Puigdemont? Fugiu e permaneceu em Bruxelas. Quis ser líder de um golpe de estado separatista e falhou em toda a linha. Por quatro razões. Primeiro, porque lançou um desafio monumental a Madrid e, até ver, perdeu a batalha. Ao principio, conseguiu os seus intentos porque, apesar do governo estar protegido pela legalidade e as regras do estado de direito, caiu no erro de usar força desproporcional contra a população (ou pelo menos assim pareceu, pelas imagens que correram mundo). Mas assim que isso deixou de acontecer – quando Marianao Rajoy deu um prazo à Generalitat para o esclarecimento da proclamação de independência e da sua imediata suspensão, o que marcou um volte-face na política de Madrid ­­–, Puigdemont perdeu a força. Mostrou que sem opositor aguerrido teria muita dificuldade em fazer política.

Em segundo lugar, porque no dia 28 de outubro, quando acabava o prazo para os esclarecimentos a Madrid (e ao mundo), mostrou estar refém dos partidos da coligação. Percebeu-se que Puigdemont terá tentado uma solução de compromisso com o governo central (preparava-se para convocar eleições antecipadas), mas que foi impedido por membros mais radicais do Juntos pelo Sim. É verdade que em coligações funcionais todos os membros, proporcionalmente, têm uma palavra a dizer. Mas as posições públicas, especialmente nestas circunstâncias, não têm força nem credibilidade na desunião. Especialmente quando se percebe que o partido que detém a maioria dos lugares no parlamento é controlado por partidos mais pequenos.

Em terceiro lugar, Puigdemont perdeu a rua e os eleitores catalães. As sondagens mais recentes mostram duas tendências: (1) uma percentagem significativa dos catalães que se declara a favor da independência não acredita que os métodos usados até aqui levem à secessão que ambicionam. E (2) os eleitores deixaram de acreditar na capacidade política do PDeCAT (o partido de Puigdemont). Cai a pique nas intenções de voto, especialmente para a ERC, os republicanos de tradição independentista.

Neste contexto – e este é o quarto ponto – Puigdemont tinha duas saídas possíveis: assumia as suas responsabilidades e comparecia em tribunal, o que até lhe podia granjear um estatuto de um certo martírio pela causa que defende, ou fugia para se preservar dos eventuais castigos da justiça espanhola. Optou pela segunda possibilidade. E assim caiu pelo seu próprio pé, sem glória, e sem ser empurrado por ninguém.

Agora, de Bruxelas, Puigdemont critica aquilo a que chama “repressão política” dos tribunais e diz que o estado espanhol atenta contra a democracia. Mas bem pode dizer o que quiser, que, pelas suas próprias escolhas e como as sondagens mostram, caiu em descrédito. Por muito que me desagrade a atitude de Puigdemont, Espanha e a Catalunha estão melhor sem ele. Ser líder seja daquilo que for, e mais ainda de um movimento separatista, não é para quem quer. É para quem está disposto a pagar o preço pelos seus atos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

Donald Trump, o Príncipe Asiático

Diana Soller

A relação EUA-China passou a ser central para Washington. Pequim é o Estado que pode comprometer o equilíbrio do sistema internacional e, por isso, está no topo das prioridades da Casa Branca.

Presidente Trump

Um ano com Trump

Diana Soller

Transformações desta natureza, que radicam na forma como o Presidente Trump lê o mundo e as novas regras que usa para interagir com os estados tendem a ter um impacto mais profundo e duradouro.

Catalunha

Um longo mês de Outubro

Diana Soller

A vitória de Madrid foi dar tempo aos governantes catalães para exporem as suas divergências em público. Rajoy montou a armadilha a Puigdemont com um compasso de espera que este não foi capaz de gerir

Função Pública

Os bons alunos

Maria João Avillez
283

A plateia do país percebeu muito bem que não fora o insignificante resultado eleitoral do PC e Jerónimo não cuidaria hoje com tanto afã e tamanho zelo da função pública.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site