Crónica

O machismo carinhoso

Autor
4.177

Muitas vezes o machismo aparece de uma forma sutil- quase carinhosa- que pode não soar diretamente como agressão, mas que nos agride, nos fere e nos ameaça da mesma forma.

Quando o eurodeputado polaco Janusz Korwin-Mikkle afirmou aos gritos, num debate do parlamento, que as mulheres deveriam ganhar menos do que os homens por serem mais fracas e menos inteligentes, o mundo inteiro ficou incomodado. Mesmo as pessoas que não se julgam feministas ficaram incomodadas.

O discurso de Korwin-Mikkle é escancaradamente machista, misógino e estapafúrdio, a ponto de não deixar ninguém com qualquer dúvida sobre o seu comportamento. Não havia qualquer espaço para “porém”, “veja bem” ou “não foi bem isso que ele quis dizer”. Qualquer pessoa que lhe queira dar razão é obrigada a assumir-se como machista, conservadora e, acima de tudo, desinformada.

Ocorre que o machismo- nas suas tão variadas medidas- nos visita praticamente todos os dias. E ele não costuma, em 2017, aparecer da surreal forma gritante eleita pelo eurodeputado. Muitas vezes o machismo aparece de uma forma sutil- quase carinhosa- que pode não soar diretamente como agressão, mas que nos agride, nos fere e nos ameaça da mesma forma.

Tudo começa com a forma de tratamento utilizada para dirigir-se a uma mulher. Lembro-me de uma reunião com um cliente do meu escritório de advocacia, na qual fomos eu e meu sócio. Cada um tem 50% das cotas da sociedade. O cliente, um homem de cerca de 50 anos, chamava meu sócio de Doutor e me chamava de Meu Anjo. Meu Anjo, será possível? Será difícil perceber que isso é uma agressão para qualquer profissional?

Há muitas versões: meu anjo, minha linda, minha querida, mocinha, miúda. Todas elas têm a mesma intenção não declarada (e por vezes não intencional): a de nos desautorizar e a de nos colocar num posto inferior àquele que nós conquistamos e que é nosso por direito. Não consigo entender qual é a dificuldade de se tratar uma mulher no ambiente profissional com a mesma distância e respeito com os quais trata-se um homem.

Algumas vezes o machismo carinhoso é motivado por sarcasmo. Outras vezes, por uma certa ingenuidade. Em ambas as versões ele é grave. Muitas vezes o machismo carinhoso vem em forma de elogio. Dizer a uma médica, professora, empregada doméstica, farmacêutica, economista ou faxineira que elas são mulheres muito bonitas (ou fazer qualquer outra menção à sua aparência física) no ambiente profissional, não é um elogio bem vindo. No ambiente profissional nós queremos ser avaliadas apenas e tão somente pela nossa conduta profissional. Será pedir muito?

São pequenas farpas do dia a dia que nos desgastam. Comentários inoportunos sobre a maternidade, sobre a vida pessoal, sobre uma série de assuntos que não deveriam sair do nosso ambiente privado, mas frequentemente saem. É preciso rever comportamentos tidos como inofensivos. Porque o machismo carinhoso é machismo como qualquer outro. A sutileza do seu exercício não minimiza seus danos. E nós estamos cada vez mais cansadas disso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Os portugueses são grosseiros?

Ruth Manus
1.624

Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao invés de falar sobre todos os assuntos com qualquer pessoa, em qualquer circunstância.

Crónica

Os portugueses são grosseiros?

Ruth Manus
1.624

Em Portugal eu aprendi que ser reservado pode ser um grande ato de sabedoria, ao invés de falar sobre todos os assuntos com qualquer pessoa, em qualquer circunstância.

Crónica

Profissão avós

Ruth Manus
819

Não sei se concordo com aquela história de que os avós servem para mimar e estragar, prefiro pensar que eles existem para doar-se sem limites.

Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
191.403

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.

Verão

Crónicas de Verão – O Amor

Paulo de Almeida Sande
105

Digam-me os leitores que esta crónica é fútil, inútil, ignorável; digam-me que amar é irrelevante, porque só amamos por capricho, um fútil devaneio, e no fundo, lá no fundo, é a nós mesmos que amamos.

Orçamento do Estado

Um Orçamento à esquerda

Joana Vicente

A redução pretendida do número de funcionários públicos não tem acontecido Não é de estranhar que possa haver uma derrapagem das despesas com pessoal em 2018 superior à de 2017.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site