Crónica

O machismo carinhoso

Autor
4.177

Muitas vezes o machismo aparece de uma forma sutil- quase carinhosa- que pode não soar diretamente como agressão, mas que nos agride, nos fere e nos ameaça da mesma forma.

Quando o eurodeputado polaco Janusz Korwin-Mikkle afirmou aos gritos, num debate do parlamento, que as mulheres deveriam ganhar menos do que os homens por serem mais fracas e menos inteligentes, o mundo inteiro ficou incomodado. Mesmo as pessoas que não se julgam feministas ficaram incomodadas.

O discurso de Korwin-Mikkle é escancaradamente machista, misógino e estapafúrdio, a ponto de não deixar ninguém com qualquer dúvida sobre o seu comportamento. Não havia qualquer espaço para “porém”, “veja bem” ou “não foi bem isso que ele quis dizer”. Qualquer pessoa que lhe queira dar razão é obrigada a assumir-se como machista, conservadora e, acima de tudo, desinformada.

Ocorre que o machismo- nas suas tão variadas medidas- nos visita praticamente todos os dias. E ele não costuma, em 2017, aparecer da surreal forma gritante eleita pelo eurodeputado. Muitas vezes o machismo aparece de uma forma sutil- quase carinhosa- que pode não soar diretamente como agressão, mas que nos agride, nos fere e nos ameaça da mesma forma.

Tudo começa com a forma de tratamento utilizada para dirigir-se a uma mulher. Lembro-me de uma reunião com um cliente do meu escritório de advocacia, na qual fomos eu e meu sócio. Cada um tem 50% das cotas da sociedade. O cliente, um homem de cerca de 50 anos, chamava meu sócio de Doutor e me chamava de Meu Anjo. Meu Anjo, será possível? Será difícil perceber que isso é uma agressão para qualquer profissional?

Há muitas versões: meu anjo, minha linda, minha querida, mocinha, miúda. Todas elas têm a mesma intenção não declarada (e por vezes não intencional): a de nos desautorizar e a de nos colocar num posto inferior àquele que nós conquistamos e que é nosso por direito. Não consigo entender qual é a dificuldade de se tratar uma mulher no ambiente profissional com a mesma distância e respeito com os quais trata-se um homem.

Algumas vezes o machismo carinhoso é motivado por sarcasmo. Outras vezes, por uma certa ingenuidade. Em ambas as versões ele é grave. Muitas vezes o machismo carinhoso vem em forma de elogio. Dizer a uma médica, professora, empregada doméstica, farmacêutica, economista ou faxineira que elas são mulheres muito bonitas (ou fazer qualquer outra menção à sua aparência física) no ambiente profissional, não é um elogio bem vindo. No ambiente profissional nós queremos ser avaliadas apenas e tão somente pela nossa conduta profissional. Será pedir muito?

São pequenas farpas do dia a dia que nos desgastam. Comentários inoportunos sobre a maternidade, sobre a vida pessoal, sobre uma série de assuntos que não deveriam sair do nosso ambiente privado, mas frequentemente saem. É preciso rever comportamentos tidos como inofensivos. Porque o machismo carinhoso é machismo como qualquer outro. A sutileza do seu exercício não minimiza seus danos. E nós estamos cada vez mais cansadas disso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Stress à portuguesa

Ruth Manus
280

Parece que os portugueses normalmente são obrigados a conter as próprias emoções e acabam por canalizá-las em situações estranhas nas quais tornam-se assustadoramente agressivos ou nervosos. 

Crónica

Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas

Ruth Manus
53.823

É muito fácil taxar uma mulher de chata, de neurótica, de mal humorada. O difícil é assumir que ela tem uma razão para estar assim. E que os outros poderiam colaborar para que ela não estivesse assim.

Crónica

Como ser magro em Portugal

Ruth Manus
3.895

Tentar fugir do vinho, é uma tarefa tão árdua quando fugir do pão. Ele nos persegue, ele nos coloca contra a parede, ele quer nos destruir. 

Crónica

Stress à portuguesa

Ruth Manus
280

Parece que os portugueses normalmente são obrigados a conter as próprias emoções e acabam por canalizá-las em situações estranhas nas quais tornam-se assustadoramente agressivos ou nervosos. 

Crónica

Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas

Ruth Manus
53.823

É muito fácil taxar uma mulher de chata, de neurótica, de mal humorada. O difícil é assumir que ela tem uma razão para estar assim. E que os outros poderiam colaborar para que ela não estivesse assim.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site