Filosofia Política

Patologias da sociedade

Autor
123

Nem a liberdade individual se defina por oposição ao Estado, nem o Estado supõe a anulação desta. Mas os projectos políticos tendem a encaminhar-se para os extremos, conduzindo a situações patológicas

Não digo que seja a chave para o que quer que seja, mas se quisermos reflectir um pouco sobre o estado presente da nossa sociedade não é inútil pensar um pouco nas infinitas formas que as sociedades tomaram ao longo dos tempos, nas várias crenças que adoptaram, nas instituições que criaram, na maneira como a si mesmas se imaginaram, nos símbolos que escolheram para si. O espectáculo que encontramos é um pouco o do botânico que atravessa uma selva luxuriante. Há o terrível e há o maravilhoso e há muitas vezes o terrível indistinguível do maravilhoso. Encontranos astecas e súbditos de faraós, senadores romanos e profetas armados, decências vitorianas e monstruosidades totalitárias. Uma coisa é certa: tudo isso é criação humana, algo que o filósofo francês de ascendência grega Cornelius Castoriadis pensou talvez melhor e mais radicalmente que ninguém.

Serei o último a recusar qualquer pertinência à distinção entre direita e esquerda. Precisamos de opor para pensar e para nos orientarmos no pensamento, como lembrava Fernando Gil, e o pensamento político, mesmo o mais imediato e circunstancial, não escapa a esta condição geral. Mas, ao mesmo tempo, é uma oposição que tende a recalcar algo de essencial. A verdadeira interrogação sobre a natureza da sociedade não é, não pode ser, nem de “esquerda” nem de “direita”, contrariamente à pretensão de muita gente. Os projectos políticos, esses sim, deixam-se em parte definir em tais termos. Mas os projectos políticos que não se alicerçam, de forma mais ou menos reflectida, numa interrogação filosófica sobre a criação humana da sociedade tendem declaradamente para a monstruosidade, ou, pelo menos, para uma pobreza e para uma rigidez esquemática que não se recomendam.

Olhando à nossa volta, encontramos gente que, para retomar a distinção célebre de Tocqueville, é dominada pela “paixão da liberdade” e gente em que a “paixão da igualdade” é dominante. É muito duvidoso que sejam paixões naturais e universais. São, com toda a probabilidade, paixões que nascem no contexto de uma certa tradição – a nossa, a ocidental – e que têm, assim, uma raiz comum. O que, à sua maneira, significa que não são incompatíveis uma com a outra. Pessoalmente, e sem querer cair em magias dialécticas, sempre me pareceu que a liberdade não sobrevive sem uma certa forma de igualdade e que a igualdade rapidamente desaparece se não se encontrar acompanhada de alguma figura de liberdade. Não creio, de resto, que seja um pensamento excessivamente original: a maior parte das pessoas pensa assim.

Resta que a instrumentalização política dessas paixões, aquela exactamente levada a cabo pelos projectos políticos que silenciam qualquer reflexão efectiva sobre a natureza da sociedade, conduz a uma sua absolutização que impede que entre elas se forme qualquer aliança. Resulta daí o nascimento de concepções de justiça radicalmente incompatíveis entre si que formam o núcleo mais duro da oposição entre direita e esquerda. As concepções da justiça são já de si naturalmente plurais e não há filósofo algum que subscreva, de Platão a Rawls, o pensamento de um outro nessa matéria, um fenómeno que não se encontra com um peso equivalente em matérias relativas ao conhecimento ou até em questões estéticas. Mas quando o problema da justiça se encontra absorvido pelos projectos políticos que silenciam a questão da origem da sociedade essa pluralidade transforma-se numa oposição rígida e esquemática. Para uns, a justiça coloca a liberdade no seu centro. Para outros, a igualdade.

Nas nossas sociedades, essa oposição forte fornece o assento ao conflito entre liberalismo e estatismo, que é provavelmente a forma mais aparente da oposição entre direita e esquerda. Mais uma vez, trata-se de uma radicalização de algo que pode e deve ser pensado sem conduzir a posições extremas. Nem a liberdade individual é algo que se defina por oposição ao Estado, nem o Estado supõe a anulação desta. Acontece no entanto que os projectos políticos tendem a encaminhar-se para os extremos, conduzindo a situações patológicas. E há patologias da liberdade e patologias da igualdade.

Estas questões não se colocariam se fossemos astecas ou súbditos de Amenófis IV. Colocam-se (felizmente) a nós. E por isso o juízo político e a deliberação política devem buscar as soluções menos patológicas, que são aquelas que mantêm viva, por mais precária que seja essa vida, a interrogação sobre a natureza da sociedade como criação humana e a reflexão sobre a justiça. Com toda a probabilidade, o grau de nocividade das patologias varia com o tempo e a situação histórica. Em certas situações, aquilo que o filósofo conservador Roger Scruton chamou um desprezo quase nietzschiano pelos que são dependentes é mais nocivo. Noutras, é mais nocivo o projecto de uma sociedade constituída por uma massa de dependentes do Estado.

Se quisermos recorrer ao vocabulário da “esquerda” e “direita”, como temos de o fazer no dia-a-dia, é muito verosímil que aquilo que se chama “direita” ofereça hoje em dia concepções menos patológicas da sociedade do que aquilo que se chama “esquerda”. A direita evoluiu, a esquerda, pelo contrário, regrediu. A direita pensa de forma menos extremada a relação entre o indivíduo e o Estado do que a esquerda e a possibilidade de pensar a justiça social que a direita oferece encontra-se mais próxima de uma concepção pluralista desta do que aquela que a esquerda, mais rígida, permite. O estatismo (e, vá lá, o “amor pela cultura”) tornou-se quase a marca única da esquerda. A direita define-se de forma mais variada e matizada. Dito de outra maneira: faz menos mal à sociedade. Terá de ser sempre assim? Duvido. Mas no momento presente é, parece-me, assim.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Um homem, de facto, muito perigoso

Paulo Tunhas
1.982

Há uma explicação para o grotesco. Costa ocupa simultaneamente dois cargos. Primeiro, é sócio-gerente da empresa Geringonça. Depois, é primeiro-ministro de Portugal. A ordem aqui não é arbitrária.

Catalunha

Nacionalismos

Paulo Tunhas
109

Muito do que Orwell diz sobre os nacionalismos ajuda-nos a perceber o que se passa no mundo e em Portugal, mesmo em relação aos mais recentes acontecimentos. Certamente diz-nos mais que Marques Mendes

Revolução

Catalunha

Paulo Tunhas
496

Que, além de ilegal, o pseudo-referendo catalão tenha sido uma paródia de si mesmo, com as mesmas pessoas a votarem várias vezes e mil outras coisas assim, mais uma vez nada conta. 

Estados Unidos da América

Os pupilos de Gingrich

Diana Soller

Que o percurso de Newt Gingrich nos sirva de lição para que não se cometam erros que se mascaram de vitórias no imediato, mas podem ter consequências importantes no médio-longo prazo.

Política

Carta de Praga (2)

João Carlos Espada

Tratar a conferência de Praga como “da direita” faz lembrar os idos de 1974-1986, quando Mário Soares era acusado pelos extremistas de esquerda e de direita de “lacaio dos americanos e do capitalismo”

Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada
115

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Politicamente Correto

Uma forma comum de ignorância

Paulo Tunhas
118

Se uma pessoa se define inteiramente como “anti” qualquer coisa (“anti-racista”, por exemplo), tende a encontrar racistas em todo o lado. O macartismo é uma disposição de espírito fácil de adquirir.

Politicamente Correto

A moral e a razão

Isabel Soares

A moral está para além da razão, não é um produto dela. A moral é como se fosse uma forma de conhecimento cristalizado nas tradições, hábitos e inclinações de indivíduos e sociedades.

Filosofia Política

As curtas férias do Diabo

Gabriel Mithá Ribeiro
281

Os equilíbrios entre sociedade e instituições têm sido destruídos pelo poder avassalador do marxismo cultural. Vimos esse filme nos sistemas de ensino, na justiça, na degradação da segurança interna.

Moção de Censura

Os oportunistas

Alexandre Homem Cristo
778

Para PCP/BE, cortes salariais são inaceitáveis e merecem moção de censura. Mas falhar na protecção da população não merece e quem a propõe é “grotesco”. O acesso ao poder faz, vê-se, toda a diferença.

Política

A perturbação dos sistemas partidários europeus

João Carlos Espada

Não é normal nem desejável a súbita ‘revolução’ nos sistemas partidários a ocorrer na Europa. Esta é razão adicional para saudar a intervenção de Marcelo, bem como a moção de censura proposta pelo CDS

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site