Governo

Portugal amarrotado

Autor
4.347

Quando há ano e meio recebeu a humilhante derrota eleitoral com o belo sorriso que não voltou a perder, o plano do dr. Costa não se limitava à tomada de um mero cargo: o objectivo era capturar o país.

Já se decidiu se os famosos 10 mil milhões “fugiram”, “voaram” ou saíram “pela porta do cavalo”? Entretanto, devia informar-se os governantes, deputados, comentadores e acólitos sortidos da frente de esquerda de que, independentemente da respectiva origem e destino, aquele dinheiro não é deles. É que falam como se fosse.

Em qualquer dos casos, o portentoso escândalo dos offshores, fundamentado num roubo imaginário, conseguiu abafar as “tricas” da CGD, colectânea de roubos reais cujo espólio voou para os bolsos de criaturas e instituições devidamente credenciadas pela casta dirigente. No primeiro caso, a casta passeia indignação, instiga muito barulho e, na condição de não se levantar surpresas, reclama um simulacro de investigação. No segundo, a ordem é de censura. No máximo, a ralé pode contemplar reverente a fortuna que lhe subtraem em prol do banco público e da harmonia universal. A casta não se limita a falar como se o dinheiro alheio lhe pertencesse: aparentemente, convenceu-se mesmo disso.

E não é só de bens materiais que a casta se julga proprietária. Na quinta-feira, a dra. Teodora Cardoso comparou o défice de 2,1% a um “milagre”, alcançado graças a “medidas que não são sustentáveis”. Embora a presidente do Conselho de Finanças Públicas tenha sido objectiva e, talvez, simpática, depressa o PCP soltou um jagunço para avisar a senhora que o milagre é ela ainda ter salário e emprego. À luz da tradição siberiana da seita, a ameaça aceita-se. Já as reacções do PM e do PR, formalmente mais brandas e igualmente raivosas, não se aceitam sob pretexto nenhum. Anda por aí um cheirinho peculiar, e não é a democracia.

Apenas na última semana, o dr. César dos Açores, que possui a inteligência de uma anémona e a subtileza de duas, confessou que se encontra a “reflectir” sobre a permanência do governador do Banco de Portugal. O “Público”, após alertar aflito para a “fuga” de capitais e de seguida lamentar os que aludem à “fuga” de capitais, aceitou nova missão: enlamear o pérfido juiz Carlos Alexandre, acusado de pedir 10 mil euros emprestados. Nas televisões, com destacado louvor para a TVI e a RTP, “analistas” esgadanham-se para apurar quem melhor aplaude os poderes vigentes. Nas rádios, ouvir os noticiários da Antena 1 e da TSF embaraçaria os conselheiros do almirante Thomaz. Nas “redes sociais”, os guardiões da moral perseguem blasfemos com afinco. E tudo, do atarantado dr. Núncio aos problemas na suinicultura e às derrotas do Tondela, serve de argumento para tentar enxotar Pedro Passos Coelho. Ao exigir, sem pingo de vergonha, a urgência de a “direita” se habituar a “novas regras”, o dr. Ferro não brinca.

De que regras se trata? Quando, há ano e meio, recebeu a humilhante derrota eleitoral com o belo sorriso que não voltou a perder, o plano do dr. Costa não se limitava à tomada de um mero cargo: o objectivo era o de capturar o país. Uma maioria, um governo e, hoje que se percebe o engodo chamado Sampaio da Nóvoa, um “presidente”. A que acresce a tal máquina de propaganda, capaz de transformar em rosas as misérias, as mentiras e a prepotência que a cada dia nos impõem. Apesar da divertida boçalidade dos protagonistas, convém não nos iludirmos: há aqui uma espécie de “projecto”, e um “projecto” onde a liberdade, seja ela qual for, é parte descartável. E indesejável.

Sei que arrisco a repetição, mas se a casa continua a arder é difícil sentarmo-nos na sala sem mencionar o incêndio: em Outubro de 2015, os portugueses caíram nas mãos de gente perigosa. A julgar pelas sondagens, e por defeito de visão ou de carácter, não consta que preferissem mãos diferentes. Por isso, e porque se gastou o nome para não se reconhecer a coisa, não vou ceder ao impulso dramático e dizer que chegámos ao – esperem um instante – fascismo. O caminho até lá, porém, é parecidíssimo com este.

Notas de rodapé:

1. Numa era em que o Estado é tão eficaz a vigiar a vida dos cidadãos, é consolador descobrir brechas nesse sufoco. Consola um bocadinho menos perceber que as brechas não beneficiam aqueles que cumprem a lei, mas justamente os que a violaram. Mas ainda assim é revigorante aprender que, segundo o próprio director dos serviços prisionais, não existe um “protocolo” de actuação para fugas de presidiários. O que fazem então as autoridades quando alguém se evade da cadeia? Ligam para o 112 e, aparentemente, esperam. Com sorte, os fugitivos regressam, ou porque se esqueceram de qualquer coisa na cela, ou porque têm saudades. Com azar, os fugitivos não voltam a ser vistos. É pena que tamanha descontracção não se aplique a outros ramos do Estado: com ou sem “offshores”, com ou sem falhas informáticas, o fisco, por exemplo, está repleto de “protocolos” destinados a garantir que o nosso dinheiro não lhe escapa. Se escapar, em penúltima instância vamos parar à prisão. Em última, escapamos nós.

2. Leio que Barack Obama assinou um contrato milionário para escrever as memórias dos seus mandatos presidenciais. Aguardo para ler as críticas dos indígenas a essa infâmia: um antigo chefe de Estado não pode revelar conversas e momentos privados; trata-se de um reles ajuste de contas; aquilo é de um ressentimento intolerável; etc. Isto, claro, se a obra mencionar o “eng.” Sócrates. Se não mencionar, as críticas serão nulas, mas o desplante maior: quem julga o sr. Obama que é para ignorar a criança que sonhava com ventoinhas, o governante que vendia moinhos, o socialista que, desconfiado do mercado, compra os próprios livros e o empreendedor que, sensível ao investimento, paga a outros para escrevê-los?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Música

Quatro notas soltas

Alberto Gonçalves
2.186

O que “Tony” Carreira fez foi adoptar uma vetusta e digníssima tradição nacional: ir buscar entulho lá fora, temperá-lo ao jeito indígena e servir o prato requentado ao público dito alvo.

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site