Constituição da República Portuguesa

Querem, podem e mandam

Autor
621

Com a ida de Marcelo a Barcelona, ficámos a saber que todos os partidos convivem bem com o acto de contornar a Constituição quando, pelos seus próprios critérios, houver um “momento excepcional”.

Facto 1: a Constituição da República Portuguesa determina que as deslocações do Presidente da República (PR) carecem de autorização prévia da Assembleia da República, conforme estipulado no artigo 129.º – “o Presidente da República não pode ausentar-se do território nacional sem o assentimento da Assembleia da República ou da sua Comissão Permanente, se aquela não estiver em funcionamento”. De acordo com o mesmo artigo, o incumprimento pode justificar perda de mandato.

Facto 2: o PR deslocou-se a Barcelona, na semana passada, para participar numa homenagem às vítimas do atentado terrorista de dia 17. Fê-lo sem a obtenção prévia de uma autorização formal dos deputados – ou seja, violando o estipulado na Constituição da República.

Facto 3: tendo o PR contactado o presidente da Assembleia da República (AR) acerca desta viagem atempadamente, mas com o parlamento de férias, a solução passou por um “mecanismo informal de decisão” (Ferro Rodrigues terá contactado todos os líderes parlamentares, que aceitaram) seguida do compromisso de, posteriormente, se regularizar a situação na próxima reunião da Comissão Permanente – leia-se, formalizar a autorização à posteriori, no dia 7 de Setembro. De acordo com o gabinete do presidente da AR, citado pelo Expresso, “para momentos excepcionais, procedimentos excepcionais”.

A sequência dos factos diz-nos então o seguinte: por uma questão de conveniência, dois órgãos de soberania (o Presidente da República e a Assembleia da República) suspenderam a Constituição, impondo um regime de excepção em virtude do que consideraram um momento excepcional. E ninguém se importou. Ora, em tempos que tanto se discute a falência das democracias europeias, eis uma prática inquietante mesmo debaixo dos nossos narizes.

Sim, a questão da viagem a Espanha não é em si problemática – a ida de Marcelo a Barcelona justifica-se, mesmo que o Estado português já estivesse representado através do primeiro-ministro. E sim, talvez a obrigação de um PR solicitar autorização ao parlamento para viajar seja actualmente pouco pertinente. Mas conceber que isso legitime que se incumpra a Constituição é exibir desconhecimento sobre o valor das regras formais numa república democrática. Ache-se o que se achar dessa obrigação formal, ela existe e está no papel. Até que uma revisão constitucional a de lá retire, a regra é para cumprir – mais ainda por quem jurou “cumprir e fazer cumprir” a Constituição. Que todos os partidos, juntos com PR e presidente da AR, concordem em desobedecer-lhe não atenua a transgressão. Pelo contrário, acrescenta-lhe gravidade: ficámos a saber que todos convivem bem com o acto de contornar a Constituição quando assim for benéfico e, pelos seus próprios critérios, houver um “momento excepcional”.

Os regimes republicanos e democráticos sustentam-se nas regras e nos procedimentos. Ou, dito de modo simples, na previsibilidade imposta por um enquadramento comum e que todos devem respeitar – no pressuposto de que ninguém está acima da lei. Mas, pelos vistos, há quem esteja. Permitir que as leis e regras sejam interpretadas conforme as conveniências, ou mesmo suspensas arbitrariamente para satisfação de necessidades tidas como “excepcionais”, é quebrar essa previsibilidade. É deteriorar a confiança dos cidadãos nas instituições políticas e no enquadramento comum em que assenta a república. É expor que as regras se aplicam a uns, mas poderão não se aplicar a outros. E é entregar o regime a quem, pelos seus critérios, define o que é “excepcional” e nos informa de quando as leis são ou não são para cumprir.

Sei que, para muitos, todo o episódio não passou de um problemazito sem importância. Mas é nestas pequenas coisas que, ao contrário do pressuposto democrático de que o povo é soberano, se vê que soberanos a sério são aqueles que determinam estas “excepções” à sua medida. Afinal, são eles que querem, podem e mandam.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

Insustentável

Alexandre Homem Cristo
585

O descongelamento de carreiras dos professores pode vir a ser concretizável. Mas tem um preço: vai adiar reformas, vai sacrificar o desenvolvimento de programas educativos, vai fazer do sistema refém.

Web Summit

#aculpaédoPassos

Alexandre Homem Cristo
1.734

Sob pressão, o governo atira com acusações falsas. Foi assim sempre que algo correu mal. Este comportamento constitui uma irresponsabilidade muito mais indigna do que qualquer jantar no Panteão.

Eutanásia

Inconstitucionalissimamente

João de Castro Baptista
114

Para discutir a eutanásia será necessário, antes de mais, discutir a Constituição da República e promover a sua revisão o que não é compatível com uma iniciativa legislativa avulsa como a do Bloco.

Regionalização

Os 40 anos que não celebramos

José Ribeiro e Castro
112

É um dos maiores fiascos políticos dos últimos 40 anos: desde 1976 que temos, na Constituição, Regiões Administrativas criadas e distritos extintos; mas, 40 anos volvidos, continuamos com distritos...

Infarmed

Um país sem remédio

Alberto Gonçalves
119

No fim, como de costume, as coisas ficarão na mesma, com o Infarmed em Lisboa, uma sucursal no Porto para justificar o barulho e cinco comissões inventadas para “articular” o arranjo.

Medicina

Mãe e avó

Pedro Vaz Patto

A respeitável intenção de ter um filho não pode levar a fazer deste um objeto de um desejo ou de um direito, a satisfazer esquecendo ou ultrapassado o seu supremo bem.

Pobreza

O dia mundial dos pobres, uma hipocrisia?!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Com o valor, certamente astronómico, da hipotética venda da Pietà, milhões de pobres, que vivem agora na miséria, poderiam ser significativamente ajudados.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site