Logo Observador
Papa em Fátima

Vida bruta

Autor
1.252

Penso que é desta competição, desta descomunicação e vida bruta que o Papa parte para apontar outro campeonato. Ele, que tal como nós, também vive neste mundo, sabe que atravessamos os dias a competir

Faltam poucos dias e Fátima já não cabe em Fátima. Todos se agitam dentro e fora de portas, tudo é movimento e expectativa, as pessoas vão chegando e os espaços vão-se preenchendo. A fé dos que caminham a pé interpelam os que passam na estrada, de carro, ou observam mais à distância, através de janelas ou ecrãs de televisão e cinema. Ao recinto chegam diariamente milhares de pessoas. Entram às centenas, em grupos silenciosos. Impressiona muito este silêncio à chegada. Parecem exércitos de paz que desaguam em multidão e descem a compasso, quase sem se ouvirem os passos. Permanecem calados e rezam juntos, cada um entregando as canseiras, as lutas e batalhas que traz no seu coração.

O Papa também está a chegar e estas vésperas têm uma solenidade própria. Os sinos tocam e soam mais fortes, ouvem-se como nos dias de festa. As pessoas movem-se em bandos e já não há horas mortas no santuário. As procissões da noite estão apinhadas de fiéis e há velas e luzinhas acesas por toda a parte. Faz sol e frio, como sempre. Sol de dia, vento à tarde e frio durante a noite. Parece que vai chover sem parar no dia em que o Papa ali estiver a celebrar.

Nas semanas que antecederam a sua vinda a Portugal, o Papa Francisco viajou para outras paragens e disse coisas que ficam a fazer eco muito para além deste tempo extraordinário. À sua maneira, no seu estilo directo e concreto, disse que neste mundo ferozmente competitivo todos devíamos rivalizar apenas numa coisa: na caridade. Rivais em caridade, mais nada.

Competir em bondade não é uma metáfora, note-se. Trata-se de um desafio real, no mundo real. Olhando à volta, parece uma competição impossível, dada a agressividade crescente com que todos parecemos obrigados a competir. Diria que muitos nem se atrevem a escutar o Papa, para não terem que partir vencidos, mas ouvindo demoradamente as palavras de Francisco, percebemos que o desafio faz todo o sentido, precisamente por vivermos num mundo difícil, em permanente competição.

Se atendermos aos sinónimos de caridade, ficamos ainda mais conscientes daquilo a que Francisco nos convoca: amor; bem; bem-fazer; beneficência, benevolência; bondade; compaixão; complacência; condescendência; filantropia; solidariedade; generosidade e piedade, entre muitos outros. Todos se podiam resumir numa única palavra, sempre que ela se revela no seu maior esplendor: humanidade.

Fazer bem o bem, é agir com humanidade, mas nem sempre conseguimos este bem-fazer. Muitas vezes acontece-nos até fazer mal o bem, e tenho a certeza de que, nesta competição, neste rivalizar em caridade, de cada vez que isso acontece ficamos fora de jogo. Fazer mal o bem é infinitamente mais frequente do que pensamos. Basta conferir em nós e à nossa volta para perceber de que falamos, quando falamos de fazer mal o bem. Os exemplos sucedem-se, sem nos darmos conta, e talvez seja esse o maior desafio que o Papa propõe a crentes e não crentes, pois não é preciso ter fé para perceber o valor da bondade e da caridade, quando se traduz em maior humanidade. Há tanta gente boa fora das Igrejas, como dentro. Nem mais, nem menos.

Tão importante como aquilo que dizemos ou fazemos uns aos outros, é a maneira como o dizemos e o fazemos. Daí a insistência nos meios, uma vez que os fins não podem justificar tudo. No mundo das empresas, no universo das organizações e nos palcos políticos vemos cada vez mais gente a atropelar gente. Pares a abalroarem pares. Hierarquias a esmagarem as equipas com quem trabalham. Pessoas a acotovelarem-se e a rasteirarem-se para conseguirem chegar a melhores resultados. E conseguem, e os resultados são bons em si mesmos, mas os meios usados para esse fim é que deixam muito a desejar, como se costuma dizer.

Penso que é desta competição, desta descomunicação e desta vida bruta que o Papa parte, para apontar outro campeonato. Ele, que tal como nós, também vive neste mundo, sabe que atravessamos os dias a competir. As rivalidades são muito concretas e visíveis, aliás. Tudo parece cegar-nos e fazer-nos reactivos, caindo facilmente na tentação do ‘olho por olho, dente por dente’. Fazes, mas pagas! Dás mas levas!

Francisco sabe bem onde leva esta escalada e, por isso, insiste em pregar essa outra rivalidade: a competição pela caridade. Não dá soluções, mas mostra caminhos. E dá, ele próprio, o exemplo.

Fátima já não cabe em Fátima por mil razões, convergentes e divergentes. Por um lado, as multidões de fiéis já começaram a encher o recinto e vão entupir todas as ruas e artérias que serão percorridas pelo Papa. Por outro lado, muitas vozes dissonantes se ouvem e continuarão a ouvir a propósito dos Pastorinhos, de Nossa Senhora e das suas aparições. Há quem não acredite em milagres e quem fale de dogmas que nunca foram nem serão dogmas de fé. Por tudo isto e muito mais, mas também por ignorância, por confusão mediática ou desinteresse por factos e documentos, a canonização de Jacinta e Francisco soa estranha a meio mundo. Percebo que assim seja. Assim como também compreendo que o centenário das aparições não toque todos os corações dos fiéis.

Enquanto para muitos Fátima é parte do seu caminho, para outros não faz falta e até gera confusão. São desencontros e vazios que não comprometem os caminhos de quem usa plenamente a sua liberdade na procura de um sentido espiritual. Para estes, Fátima pode ser indiferente mas não fecha portas; pode, pelo contrário, deixar perceber a luz de sinais que animam e motivam outros caminhantes.

As discussões e as opiniões sobre Fátima e o seu significado não acabarão, mas Fátima não cabe mesmo em Fátima. Em qualquer um de nós que se cruze com Fátima, dentro ou fora da sua geografia e da sua tangibilidade, ecoará a essência das nossas relações e a única coisa por que vale a pena rivalizar: a caridade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Câmara Municipal Lisboa

Teresa quê?

Laurinda Alves
129

Em pleno Verão cheio de roubos, catástrofes e dramas, pergunto quem se pode dar ao luxo de deitar votos para a rua em vez de os andar a colher em todas as ruas, freguesias e bairros da cidade?

Obituário

O poder da bondade

Laurinda Alves
9.467

Francisco Varatojo morreu no fundo do mar, onde mergulhou tantas vezes para percorrer as profundezas em silêncio, naquele espanto mudo com que admirava e absorvia as maiores belezas que podia conhecer

Lisboa

Nós, os estrangeiros

Laurinda Alves
2.291

Em plena campanha, Fernando Medina diz que precisa de todos, mas não explica como nos vai ajudar a todos a viver numa cidade melhor. Ou se vai continuar a empurrar os lisboetas para fora de Lisboa.

Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Papa em Fátima

«Temos Mãe!»

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
700

É natural que os pais se alegrem com os êxitos dos seus filhos, mas não é comum que assumam as suas culpas quando sofrem a tristeza de um filho os ferir com a indignidade de um comportamento criminoso

Felicidade

Portugal

Paulo Tunhas

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
410

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.