Numa ação de campanha em Lisboa, onde se reuniu este domingo com Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, o candidato à presidência da Comissão Europeia do Partido Popular Europeu (PPE), Jean-Claude Juncker, felicitou Portugal pela saída limpa do programa de resgate da troika.

“Foi uma performance enorme”, disse Juncker, durante uma visita a uma quinta biológica na Azureira, em Mafra. Durante a sua intervenção, o luxemburguês lembrou que “a consolidação orçamental e o crescimento económico orientado para a criação de emprego são as duas faces da mesma moeda” e apelidou de “irresponsáveis” os políticos que prometem criar défices orçamentais.

Por sua vez, Passos lembrou e agradeceu “o apoio” de Juncker enquanto ex-presidente do Eurogrupo. “Apesar de termos cometido os nossos erros no passado, damos hoje prova de termos uma grande confiança no projeto europeu e no projeto do euro, de que fazemos parte e não pretendemos abandonar”, destacou Passos.

No sábado, Juncker esteve no Porto, onde visitou a fábrica da Milaneza, acompanhado pelos candidatos da coligação Aliança Portugal, Paulo Rangel e Nuno Melo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Durante a visita, o candidato do PPE à Comissão Europeia recomendou aos portugueses que “não acreditem nos socialistas”, que comparou ao navegador Cristóvão Colombo. “Eles (os socialistas) lembram-me um dos vossos compatriotas mais prestigiados: Cristóvão Colombo. Quando partia nunca sabia para onde ia, quando chegava nunca sabia onde estava, e era o contribuinte que pagava a viagem. É desta forma que procedem os socialistas dos nossos dias”, acrescentou Juncker, esquecendo-se ou desconhecendo que Colombo era italiano e descobriu o continente americano numa viagem paga pela coroa espanhola que Portugal em primeiro lugar patrocinar.

Esta segunda-feira Juncker está em Atenas, onde se reunirá com primeiro-ministro grego, Antonis Samaras.